Primeiros Socorros

21/01/2016 03:00 - Atualizado em 03/12/2016 03:50

Saiba como identificar sinais de aborto

Os primeiros sintomas de aborto espontâneo são cólicas fortes e sangramento.

POR

Redação

  • +A
  • -A

O aborto natural, também chamado de aborto espontâneo ou interrupção involuntária da gravidez, é quando uma gestação se encerra antes de o feto ter condições de sobreviver, ou seja, nas primeiras 24 semanas. Os principais sinais de aborto são cólicas e sangramento.

A interrupção involuntária pode ser causada por diferentes fatores. Em caso de qualquer alteração ou incômodo, é indicado procurar um médico, tanto para que seja feito o diagnóstico correto quanto para tentar prevenir a perda do bebê.

grávida sem sinais de aborto, com sapatinhos de bebê

Principais sinais de aborto

Os sinais de aborto mais comuns e facilmente perceptíveis são cólicas semelhantes às menstruais e sangramento forte, que pode incluir coágulos.

Porém, em alguns casos, as mulheres chegam a abortar sem nem mesmo saberem que estavam grávidas, considerando o sangramento como uma menstruação que atrasou. Quando isso acontece, o exame de sangue ou de urina para detectar a gravidez pode ser positivo, mas o embrião não se implanta corretamente no útero. Esse fenômeno é chamado de gravidez química.

O exame que pode diagnosticar corretamente a perda do bebê e confirmar os sinais de aborto é o ultrassom. Nele, o embrião ou feto aparece sem movimentos e sem batimentos cardíacos, no caso de aborto retido. Também pode aparecer vazio, se a gestação já tiver sido eliminada.

Entre as causas mais frequentes do aborto espontâneo no primeiro trimestre, estão os distúrbios de origem genética. Em cerca de 70% dos casos, esses embriões são portadores de anormalidades cromossômicas que impedem o desenvolvimento normal do feto. Nessas situações, o ovo morre e, em seguida, é expulso.

Os abortos que ocorrem a partir do segundo trimestre podem ser consequência de uma infecção ou de alterações no útero ou na placenta, além da chamada insuficiência cervical, que é quando o colo do útero não é forte o suficiente para se manter fechado até a hora em que o bebê estiver pronto para nascer.

Outras causas externas são má formação uterina, insuficiência de desenvolvimento uterino, fibroma ou infecções do embrião e de seus anexos.

Saiba Mais
Trombofilia pode causar abortos espontâneos
Veja como é o desenvolvimento do feto a cada mês da gestação
Mutação genética pode determinar tipo de autismo

O que fazer ao identificar um possível aborto

Como, em alguns casos, os sinais de aborto não são identificados facilmente, é indicado que as gestantes procurem um médico após qualquer incômodo ou sintoma diferente. Para saber se um sangramento é ameaça de interrupção da gravidez, é preciso avaliar a quantidade de sangue, já que a presença de pequenas hemorragias depois de urinar é comum, no início da gestação.

Além disso, nem todos os sangramentos mais volumosos são sinais de aborto. Porém, independentemente do volume de sangue, um médico deve ser procurado imediatamente. Recomenda-se sempre ir ao ginecologista ou a um pronto-socorro em caso de corrimentos com tecidos, fluidos ou sangue.

Alguns fatores de risco do aborto espontâneo e que exigem mais cuidados, principalmente no início da gravidez, são:

- gestantes com idade avançada, que correm mais risco de ter bebês com anormalidades cromossômicas

- histórico de abortos anteriores e de problemas congênitos ou genéticos em outros filhos

- problemas no útero ou no colo do útero

- presença de infecções

- hábitos como fumar, beber e consumir drogas.

Tirou suas dúvidas? Deixe um comentário! E aproveite para conferir outras dicas de saúde aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
aborto espontâneo
sangramento
gravidez química
gestação

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ