Mulher

30/09/2014 07:50 - Atualizado em 06/12/2016 01:59

O diagnóstico de câncer de mama: Como lidar com família, amigos, filhos e parceiros

Por Luciana Holtz , psico-oncologista da Ong Oncoguia.

POR

Redação

  • +A
  • -A

“Perdi o meu chão”, “Chorei muito”, “Não tenho mais vontade de fazer nada”, Estou com medo”.

Sabemos que essas e outras frases são muito frequentes entre os pacientes que recebem o diagnóstico de um câncer. Ou seja, o câncer tem um forte impacto no psicológico e emocional do paciente. Sentimentos como raiva, depressão, ansiedade, medo, preocupações, angustias, negação e agressividade são comuns entre os pacientes com câncer.

Seguem alguns exemplos de situações nos quais esses sentimentos podem aparecer:

A negação costuma estar mais relacionada ao momento do diagnóstico. É comum percebermos durante certo tempo que o paciente não quer/não pode acreditar no que está vivendo. Esse sentimento pode durar algumas semanas.

Já a raiva, que pode aparecer em qualquer fase do tratamento, muitas vezes, vem acompanhada pela pergunta: Por que eu? Por que comigo? O que eu fiz de errado? Neste momento, a vida pode parecer muito injusta. Pacientes costumam rever suas posturas religiosas e alguns até relatam que estão brigados com Deus.

Comumente a insegurança é relatada durante todo o tratamento ("ela me acompanha o tempo todo”). Podemos relacionar esse sentimento com a presença do tumor que de certa forma é uma ameaça desconhecida. Tudo que é desconhecido sempre assusta muito.

O sentimento de resignação ("tinha que ser assim mesmo”) também é muito comum e precisa ser monitorado. Afinal, pode se tornar uma depressão.

Pensamentos e sentimentos negativos ("Penso muito na morte”, "tenho sentido medo de sair de casa”) também são esperados e podem estar relacionados ao estresse gerado pelo diagnóstico do câncer e também por se tratar de uma situação a qual não podemos controlar e ter certeza do que vai acontecer.

A aceitação da doença é um passo importante. A partir desse momento, percebemos que o paciente é capaz de planejar a própria vida de um modo mais significativo e construtivo. Eles relatam que a vida presente está muito diferente que a vida passada, e preferem não pensar no futuro.

Pode parecer estranho, mas muitos pacientes narram que o câncer fez com que avaliassem as próprias vidas posicionando-as em um caminho mais positivo.

Infelizmente não existem regras para ensinar a lidar com esses sentimentos.

Como você pode ver, os sentimentos são muitos e variados. E mais, cada pessoa reage de uma maneira. Importante: não há certo ou errado, mas há aquilo que faz bem ou mal, que ajuda ou atrapalha...


Pense nos seguintes pontos:

Como está sendo a reação diante da doença?

Há com quem desabafar?

Os sentimentos estão sendo colocados para fora?

Como está o lado religioso ou espiritual?

Será que o sentimento de raiva pode estar sendo descontado em alguém?

Se você tem câncer de mama ou conhece alguém que esteja passando por este momento, procure a ajuda de um psicólogo, ele é um profissional capacitado para ajudar a compreender e lidar com todos estes sentimentos.

Contar para as pessoas que você está com câncer pode ser tão difícil quanto receber o diagnóstico. Você pode ter receio em perturbar a família e os amigos, além de se preocupar com a reação deles. Mesmo depois de já ter dado a notícia, você pode se sentir inseguro para falar abertamente sobre a doença, pedir ajuda ou até mesmo responder as perguntas que te fazem e prefira dar um tempo a si mesmo.

Como, quando e para quem falar, depende de você, separamos aqui algumas dicas para ajudá-lo a compartilhar a doença:

Conversando com seu parceiro

Conversando com família e amigos

Conversando com os filhos

TAGS
cancer de mama
diagnóstico
mama
psicóloga
como contar
saúde da mulher

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ