Mulher

22/06/2015 09:14 - Atualizado em 25/11/2016 02:24

Dengue na gravidez pode infectar o bebê

Parto prematuro e aborto podem acontecer em casos da doença durante a gestação.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Transmitida pela fêmea do mosquito Aedes aegypti, a dengue é uma doença bastante comum entre os brasileiros. O combate a esse problema é feito por meio de inúmeras campanhas nacionais e, mesmo assim, a proliferação do transmissor é difícil de conter.

Para as gestantes, a dengue na gravidez oferece riscos de contaminação ao bebê e, por isso, é ainda mais importante tomar medidas de prevenção.

Apesar de a gestação alterar a produção hormonal da mulher, ela não se torna mais suscetível a contrair o vírus. Porém, os cuidados devem ser redobrados para proteger a saúde da mãe e do bebê, já que podem enfrentar danos maiores se forem infectados. Saiba por que é importante evitar a dengue na gravidez e conheça as medidas de prevenção.

dengue na gravidez

Bebês na mira do contágio

Se for contaminada e diagnosticada com dengue na gravidez antes de completar o primeiro trimestre, a mulher corre mais riscos. A doença é mais perigosa dentro desse período, podendo levar a um aborto. Se a gestante não perder o bebê, ainda pode precisar realizar o parto antes do tempo, quando ocorre um nascimento prematuro.

Existe também uma incidência maior de baixo peso em bebês filhos de mães que contraíram a dengue durante a gestação. Pode ocorrer quadros de hemorragia com ou sem aborto, tanto no momento do parto como após o nascimento, e acontecem se a mãe não tiver se curado da doença.

Para evitar a contaminação por dengue na gravidez, é fundamental que a mulher mantenha o pré-natal em dia. Se a doença for descoberta com antecedência, é possível encontrar um tratamento eficaz junto com o médico.

Gestante ou não, os sintomas após a infecção são os mesmos. Febre, mal-estar, sonolência, vômito, diarreia, dores de cabeça, fadiga, sonolência, prostração e dor nas articulações e no corpo são gerais, entre os contaminados pelo vírus.

Na manifestação hemorrágica da doença, além dos sintomas comuns, podem aparecer manchas vermelhas no corpo, formação de hematomas, alteração na pressão arterial, aumento no tamanho de órgãos - a exemplo do baço e do fígado - e sangramento das mucosas.

Como tratar a dengue na gravidez

Uma vez infectada, a gestante deve tratar os sintomas, procurando aliviar e conter a manifestação da doença. Repouso e monitoramento das condições do sangue garantem maior segurança ao bebê. A mãe também deve estar sempre bem hidratada, ingerindo soro oral ou pela veia. Em casos graves, o médico pode exigir internação no hospital.

Apesar de ser pouco comum, é possível que a mãe com dengue na gravidez transmita a doença para o bebê. Em alguns casos de infecção próxima ao período do nascimento, a criança acaba sendo contaminada também. Porém, o bebê costuma adquiri-la na hora do parto.

Mesmo que esteja infectada após o parto, e o bebê não tenha sido afetado pela doença, a mãe não deve deixar de amamentar. O vírus não é transmitido pelo leite materno, então a mulher deve continuar alimentando a criança mesmo doente.

A proliferação do mosquito transmissor da dengue é combatida através de atitudes diárias. A principal delas é não deixar água parada e exposta. Por isso, caixas d’água, pneus e vasos devem permanecer secos, cobertos e em abrigo da chuva.

Gostou das dicas de saúde? Deixe um comentário! E aproveite para conferir as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
transmissão da dengue
gestação
doenças na gravidez
bebê

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ