Mulher

14/03/2016 10:00 - Atualizado em 03/12/2016 08:18

Bexiga baixa: Entenda as causas do prolapso genital

Apesar de ser frequente, muitas mulheres desconhecem o problema.

POR

Redação

  • +A
  • -A

A bexiga baixa, também conhecida como prolapso genital, é um problema comum entre as mulheres, que ocorre em função da perda de sustentação não só da bexiga, mas de outros órgãos, como a uretra, o útero, o intestino e o reto. É essa falta de conservação da estrutura pélvica que dá o nome popular à disfunção.

Por conter menos fibras musculares, a região que frequentemente é atingida é o canal vaginal. Esse enfraquecimento da estrutura do assoalho pélvico pode acontecer após partos múltiplos e gestações consecutivas, por exemplo.

Mas não é só isso. Em 2012, a Federação Brasileira de Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) publicou um artigo no qual relacionou entre os fatores de risco a obesidade, o processo de envelhecimento e partos normais. Ainda de acordo com o texto, a incidência de bexiga caída vem dobrando a cada década.

mulher com bexiga baixa

Fatores de risco da bexiga baixa

Distúrbios genéticos

Entre os fatores de risco, estão os distúrbios genéticos. Problemas no tecido conjuntivo podem aumentar as chances de desenvolvimento do prolapso. Os casos de bexiga baixa são ainda mais comuns em mulheres portadores de síndrome de Marfan. Outros tipos de doenças neurológicas e musculares também estão entre as causas do problema.

Aumento da pressão intra-abdominal

O aumento da pressão intra-abdominal está ligado à obesidade. Essa condição também está presente na constipação crônica, na tosse crônica e no levantamento de peso repetitivo.

Envelhecimento

O desgaste natural causado pelo envelhecimento contribui para a ocorrência de prolapso genital.

Parto vaginal

Partos normais estão entre as causas mais frequentes de prolapso genital. Um estudo de Oxford, com 17 mil mulheres, mostrou que pacientes que tiveram dois partos vaginais foram hospitalizadas para corrigir prolapsos oito vezes mais que mulheres que nunca passaram por esse procedimento.

Sintomas e consequências

Os prolapsos iniciais, em estágios 1 e 2, apresentam queixas urinárias, intestinais e sexuais. De forma prática, a perda de sustentação do assoalho pélvico causa desconforto durante o sexo, constrangimento e diminuição de atividade física, social e até mesmo profissional.

De acordo com o artigo da FEBRASGO, alguns especialistas apontam que de 36% a 80% dos casos que se encontram em estágio 3 e 4, considerados respectivamente leve e moderado, apresentam incontinência urinária de esforço.

E agora, tratamento cirúrgico ou não?

O diagnóstico não necessita de exames de imagem e pode ser feito com a paciente em posição ginecológica ou em pé. Antes de optar por um tratamento ou outro, o médico deve levar em consideração alguns aspectos como gravidade dos sintomas, função sexual, idade, fatores de risco e recorrência.

Os tratamentos não cirúrgicos envolvem instrumentos que são introduzidos na cavidade abdominal para sustentar os órgãosJá o tratamento cirúrgico é realizado para corrigir o problema do assoalho pélvico, preservar os órgãos e restaurar a atividade sexual e a função reprodutora. Nessa cirurgia, também podem ser corrigidas incontinência urinária e fecal, se necessário.

Converse com o seu médico e veja qual é o tratamento mais indicado para o seu caso.

Tirou suas dúvidas? Então aproveite para compartilhar o artigo com seus seguidores nas redes sociais! E não se esqueça de conferir outras dicas de saúde aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
parto normal
envelhecimento
assoalho pélvico
incontinência urinária

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ