Mulher

09/10/2015 09:25 - Atualizado em 17/11/2016 05:31

Após erro médico, francesa relata como venceu o câncer de mama

"A mamografia já mostrava que algo estava errado, mas o médico me disse que era um simples cisto na mama."

POR

Cláudia Giúza Mercier

  • +A
  • -A

Saber ouvir o próprio corpo, foi o que impediu a artista plástica francesa Simone Mercier, 67 anos, de fazer parte das estatísticas de vítimas fatais do câncer de mama. Devido a um erro de diagnóstico um cisto no seio acabou evoluindo para um tumor maligno. 

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 450 mil mulheres morrem todos os anos vítimas da doença no mundo.

Erro médico na hora do diagnóstico

Em 2011, Simone Mercier passou por exames preventivos realizados a cada dois anos, de acordo com a orientação do Ministério da Saúde da França. Segundo o especialista que fez a sua mamografia, o resultado estava normal.

Ela foi orientada a refazer outro check-up dois anos mais tarde. Porém, um mês depois, Simone percebeu um caroço no seio esquerdo e procurou seu ginecologista. O médico nem chegou a examiná-la e explicou que o pequeno nódulo não era importante, se tratava somente de quisto.

O corpo fala

Dias depois, Simone Mercier conta que começou a se sentir mal “eu percebi uma ardência na minha região torácica, meu braço me parecia mais pesado, eu sentia um cansaço fora do normal”, relembra.

Ela sabia que algo estava errado e decidiu procurar um outro ginecologista. O médico, com um simples exame de toque, disse que era praticamente certo que ela estava com um câncer em estado avançado.

Ele afirmou que o tumor, visível desde o primeiro exame, ainda era benigno na época em que ela fez a primeira mamografia. Para se certificar, o médico solicitou nova mamografia e o mesmo especialista que há poucas semanas havia dito que estava tudo normal, diagnosticou algo bastante grave, um câncer de mama.

A luta contra o câncer de mama

O laudo médico foi também confirmado por uma biópsia e a artista plástica precisou se submeter a uma cirurgia de urgência. “Depois da operação passei por 33 sessões de radioterapia e continuo fazendo um tratamento à base de hormônios. Forem momentos difíceis, náuseas, vertigens, insônias. Passei por tudo isso por causa de um erro médico, infelizmente isso ainda ocorre em todos os países do mundo.” 

Superação

Simone Mercier conta que não se deixou abater pela doença e por tudo que passou durante o tratamento. Nesta mesma época, além das pinturas, esculturas e bijuterias de vegetais que costumava criar, ela escreveu, produziu e encenou uma peça de teatro. “Sempre pensei que eu era mais forte que o câncer. Alguns dias me sentia mais debilitada, mas trabalhava o dobro nos dias em que eu estava um pouco melhor.”


Depois de todo esse processo, os exames da artista plástica francesa voltaram ao normal, e, no próximo ano, ela espera receber a confirmação de que está realmente curada do câncer de mama, já que a confirmação da cura é feita somente cinco anos após o tratamento.  

Celebração da vida após o câncer de mama

No último mês, como ato de agradecimento por ter superado o câncer de mama, Simone Mercier percorreu a pé 220 Km pelo “Chemin de Stevenson”, um percurso pelo interior da França repleto de belas paisagens e destino de muitos peregrinos.

O trajeto foi feito pela primeira vez em 1878 pelo escritor escocês Robert Louis Stevenson. “Foram vários dias de desafios andando em meio às pedras, terrenos acidentados, subindo e descendo montanhas. Fui acompanhada por um gentil burrinho que me ajudou a carregar minhas coisas. Quando eu cheguei no topo do Mont Lozère (sudoeste da França), a 1.699 metros acima do mar, fui tomada por uma emoção jamais sentida. Naquele momento eu tive a certeza de que estou curada e que a minha força de vida foi mais forte do que todas as falhas médicas e tratamentos que precisei fazer devido a um diagnóstico tardio”, contou emocionada.

A artista plástica francesa fez o percurso durante duas semanas e afirma não ter sentido nenhuma dor ou desconforto. Segundo ela, o seu único desejo é que todas as mulheres escutem mais os sinais que o corpo emite. “Se você sentir algo diferente e o médico não for capaz de diagnosticar, procure outros especialistas. Ninguém conhece melhor a gente do que a gente mesma”, aconselha Simone Mercier.

Você também venceu o câncer? Deixe seu comentário, e mande sua história de superação. Ela pode ser a próxima.

 

TAGS
câncer de mama
caroço na mama
mamografia
nódulo no seio

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ