Homem

27/10/2014 05:15 - Atualizado em 09/11/2016 04:25

Tratamento do câncer de próstata: veja as opções de combate à doença

Com os avanços da ciência, os pacientes com câncer de próstata ganharam novas formas de tratamentos. Conheça as principais.

POR

Redação

  • +A
  • -A

O cancêr da próstata é um dos tulmores malígnos mais comuns do sexo masculino. Uma vez detectado, o tratamento do câncer de próstata varia de acordo com o estágio da doença. A determinação da melhor forma de tratamento depende de características individuais de cada paciente, bem como de sua preferência, após ampla discussão com seu médico.

tratamento do câncer de próstata

Tratamento do câncer de próstata

De acordo com Dr. Lucas Nogueira, coordenador do Departamento de Uro-Oncologia da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) e coordenador do Grupo de Urologia – HC/UFM, os tratamentos mais utilizados são :

Prostatectomia Radical (PR)

A Protatectomia Radical (RT) é uma cirurgia que remove totalmente a próstata, as vesículas e as extremidades do canal deferente. Esse tratamento é usado em casos simples e  em tulmores chamados de localmente avançados, que se apresentam em uma fase um pouco mais evoluida da doença.

Radioterapia (RXT)

A Radioterapia é um tratamento do câncer de próstata que consiste em usar raios de alta energia (como os raios X) para eliminar as células cânceríginas. Esse tratamento é usado em casos simples da doença.

A Branquiterapia (BT)

A Branquiterapia é um procedimento para colocar implantes radioativos nas glândulas prostáticas com a finalidade de destruir as celulas do câncer.

Vigilância Ativa (VA)

Esse é um tratamento em que os pacientes são acompanhados de perto para monitorar qualquer sinal de progressão da doença. A vigilância ativa surgiu como uma opção para evitar o excesso de tratamento do câncer de próstata. Em muitos casos, é possível evitar a cirurgia ou a terapia de radiação, que trazem riscos de complicações e muitos efeitos colaterais, sem realmente beneficiar o paciente.

Hormonioterapia (HT)

A Hormonioterapia é mais comumente utilizada para tratar o câncer metástico, isto é, que tenha se disseminado para fora da próstata. Esse tratamento consiste na remoção dos testículos (orgãos que produzem os hormônios masculinos) ou no uso de medicamentos capazes de prevenir ou bloquear a produção de testosterona e outros hormônios maculinos (androgênios), que alimentam os tulmores. A hormonoterapia é usada para retardar o crescimento do câncer e reduzir o tamanho dos tulmores.

Quimioterapia (QT)

Quimioterapia é o tratamento do cancêr de próstata que usa medicamentos para destruir o câncer, administrados por via intravenosa (injeção numa veia) ou por via oral. A quimioterapia é feita em ciclos, com cada período de tratamento seguido por um período de descanso, pra permitir que o corpo possa se recuperar. Esse procedimento é usado em casos avançados da doença.

Na última década, ocorreram vários avanços nas diversas fases da doença. Segundo Dr. Nogueira, essas mudanças permitiram a diminuição dos efeitos colaterais de cada tratamento, «Os avanços referentes ao tratamento do câncer de próstata possibilitaram um maior entendimento dos mecanismos da evolução da doença. Eles também foram importantes para a descoberta de novas drogas que aumentam o tempo e a qualidade de vida de um paciente com doença metastática ».

Ainda de acordo com Dr. Nogueira, infelizmente ainda existe muito preconceito em relação aos diversos aspectos do cancêr de próstata, « Muitos homens ainda se recusam a submeter-se ao toque retal, por diversos motivos. E uma vez detectado o tulmor, os homens se negam a iniciar um tratamento do câncer de próstata principalmente por causa de possiveis efeitos colaterais indesejáveis, como impotência sexual e incontinência urinária. Felizmente, este preconceito tem diminuído nos últimos anos, mas ainda há muito o que progredir”.
 

Esse texto te ajudou a conhecer os tratamentos do cancêr de próstata? Deixe seu comentário aqui e em nossa página facebook.

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ