Homem

09/08/2015 10:05 - Atualizado em 07/12/2016 09:07

Tire suas dúvidas sobre a prótese peniana

Existem três tipos de equipamentos que ajudam a tratar a disfunção erétil.

POR

Redação

  • +A
  • -A

A prótese peniana é usada para tratar a disfunção erétil ou a impotência sexual de causa orgânica. O princípio dela é substituir o enchimento de sangue nos corpos cavernosos - o que confere rigidez ao pênis - por uma estrutura rígida que restaura a ereção.

O médico urologista Dr. Sidney Glina, do Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo-SP, explica que existem três tipos de próteses penianas: a semirrígida ou maleável, a articulada e a inflável. Confira quais são as peculiaridades de cada uma e saiba outras informações importantes sobre a escolha do método.

protese peniana medica e paciente idoso

Tipos de prótese peniana

Semirrígida ou maleável

Consiste em duas hastes de silicone que são colocadas dentro dos corpos cavernosos. O silicone dá rigidez ao pênis, que fica constantemente endurecido. Porém, é possível dobrá-lo, pois existe um fio de metal dentro do silicone que permite essa mobilidade.  

"A prótese peniana maleável tem uma outra indicação além da disfunção erétil. Ela pode ser implantada no homem com lesão medular, com incontinência urinária e que precise usar um preservativo especial para coletar urina. O pênis em ereção constante facilita a aplicação do coletor, mas essa é uma utilização muito rara", comenta o médico urologista.

Articulada

Também consiste em duas hastes rígidas que são introduzidas nos corpos cavernosos, mas essas têm articulações que permitem que o pênis seja dobrado.

Inflável

Conta com um sistema mais complexo. São dois cilindros de poliuretano revestido de silicone, conectados a uma bomba e a um reservatório cheio de líquido. Os cilindros são introduzidos nos corpos cavernosos, a bomba é colocada na parede da bolsa escrotal e o reservatório é colocado no abdômen.

Quando o homem quer ter uma ereção, ele pressiona a bomba através da pele escrotal e o líquido sai do reservatório e enche os cilindros, criando uma ereção. Quando o indivíduo deseja finalizar a ereção, ele aberta a bomba novamente e o líquido dai dos cilindros, voltando para o reservatório.

"Essa prótese é mais fisiológica, pois o pênis fica no estado flácido e em ereção.  As outras duas conferem uma boa ereção, mas têm a desvantagem de o pênis ficar sempre rígido e no seu maior tamanho, embora quando se dobra consegue-se disfarçar a ereção", explica Dr. Sidney.

Como funciona o procedimento

O implante das próteses penianas é feito por meio de uma operação, realizada em ambiente hospitalar, com o paciente recebendo alta no mesmo dia ou em até 24 horas. O grande risco é a infecção - caso isto ocorra, a prótese precisa ser retirada.

"É importante lembrar que o implante de prótese peniana destrói os corpos cavernosos, que são dilatados para dar lugar às hastes ou cilindros. Dessa maneira, é um processo irreversível", alerta o profissional.

Uma vez implantadas, elas podem ser retiradas, mas o paciente não conseguirá mais ter ereção. Por causa disso, a decisão de colocar a prótese tem que ser muito bem pesada e avaliada.

O equipamento confere a capacidade de o paciente voltar a ter uma ereção que possibilite a penetração durante a atividade sexual. "Mas é uma ereção artificial e que só deve ser usada nos casos em que a ereção não ocorre mais por uma causa orgânica", finaliza Dr. Sidney.

Você recorreria ao método da prótese peniana? Compartilhe sua opinião com outros leitores! E aproveite para conferir mais dicas de saúde aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
disfunção erétil
impotência sexual
incontinência urinária
ereção

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ