Homem

16/02/2016 05:00 - Atualizado em 29/11/2016 09:06

Sem medo! Saiba tudo sobre disfunção erétil

Vida sedentária e doenças cardiovasculares podem agravar o problema.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Temida pela maioria dos homens desde a adolescência, a disfunção erétil afeta um em cada dez indivíduos sexualmente ativos. Ela é marcada pela incapacidade de manter uma ereção adequada para a prática da relação sexual, o que pode afetar relacionamentos e mexer com a autoestima de quem esteja enfrentando o problema.

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), os principais fatores de risco são idade, diabetes, doenças cardiovasculares e uso de medicamentos diuréticos. Ou seja, para prevenir essa dificuldade e manter uma rotina sexual satisfatória, você deve cuidar da sua saúde desde cedo.

médico e paciente falam sobre disfunção erétil

Causas da disfunção erétil

Além das causas orgânicas - como acúmulo de gordura nas artérias, diabetes, deficiência hormonal e problema nos nervos -, doenças psicológicas também podem alterar a capacidade de atingir uma ereção. É o caso de homens com depressão, estresse, com baixa autoestima, inseguranças e medos.

Jovens com 18 anos também podem apresentar sintomas de disfunção erétil. Esses traços são normalmente ligados a problemas de autoestima, como depressão e insegurança. Já entre os homens mais velhos, as principais causas são os fatores orgânicos. Hábitos desregrados e pouco saudáveis ao longo da vida podem levar à dificuldade de manter a ereção.

Tratamentos para o problema

Apesar de preocupante para a maioria dos homens, muitos deixam de conversar sobre o assunto por vergonha. De acordo com a SBEM, cerca de 50% dos médicos não perguntam sobre disfunção erétil aos seus pacientes e, por isso, muitos afetados deixam de relatar as dificuldades e os sintomas por constrangimento.

O tratamento depende principalmente dos motivos pelos quais o paciente apresenta o problema. Se for por fatores orgânicos, medicações por via oral ou injeções no pênis podem ser recomendadas. Nenhuma dessas soluções, porém, resulta na cura de casos mais graves. A prótese peniana é a única opção que pode garantir uma ereção completa na maioria dos casos.

A SBEM lembra que algumas atitudes podem atenuar os sintomas. Homens que praticam exercícios físicos, reservam momentos para atividades de lazer e consomem pequenas quantidades de álcool podem ter os riscos de disfunção erétil diminuídos em até 50%. 

Otimizar o controle do diabetes, modificar o estilo de vida e alterar a prescrição de medicamentos como metabloqueadores e antidepressivos pode ajudar. Uma dieta saudável também colabora para manter o organismo funcionando corretamente.

Tanto para as causas orgânicas quanto para as psicológicas, a terapia é uma ótima maneira de aliviar o peso do problema. O terapeuta pode analisar o quadro e ajudar a pessoa a compreender o que ela está sentindo, tentando propor alternativas para lidar com a situação.

Vale inclusive recorrer à terapia de casal para conversar honestamente sobre as consequências que a disfunção pode ter para o relacionamento.

Gostou das dicas? Deixe um comentário! E aproveite para conferir outros artigos de saúde e bem-estar aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
ereção
impotência
vida sexual
autoestima

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ