Homem

27/10/2014 07:06 - Atualizado em 06/12/2016 03:55

Biópsia prostática: Entenda o exame que confirma o câncer de próstata

Realização do exame évista como uma maneira de evitar o início de um tratamento sem a real necessidade.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Diversas campanhas estão sendo feitas com o objetivo de conscientizar os homens sobre a importância de se previnir e diagnosticar precocemente o câncer de próstata. O Novembro Azul é o mês dedicado à luta contra esta doença que atinge milhares de pessoas todos os anos.

biópsia prostática

Se a prevenção é o maior foco das campanhas, o diagnóstico precoce ganha importância por facilitar o tratamento e por possibilitar maior qualidade de vida ao paciente durante e depois da recuperação. Para um diagnóstico bem feito de um câncer de próstata é muito importante que se faça a biópsia prostática. Esta é uma forma de evitar que se inicie um tratamento mais severo sem que haja a necessidade.

Entenda como funciona a biópsia prostática 

Alguns indícios podem levar os médicos a suspeitarem da presença de um câncer de próstata, como a presença de um nódulo ou mesmo uma certa rigidez na área da próstata. A existência de um valor de PSA elevado nos exames sanguíneos do paciente também pode ser um péssimo sinal. Nestes casos, para evitar o início desnecessário do tratamento, o médico urologista indica a realização de uma biópsia prostática. 'Este exame é realizado através do recto e utiliza um ecografo com uma sonda trans-retal. Desta forma, o Urologista consegue visualizar com precisão os locais da próstata que devem ser biopsados”, afirma o urologista Rui Farinha. 

Ainda segundo o especialista, ainda que uma primeira biópsia prostática seja negativa, não significa que não haja problemas. “Se as alterações do toque rectal persistirem ou mesmo o PSA manter-se elevado, temos a necessidade de repetir a biópsia”, ressalta, lembrando que o exame exige a recolha de pelo menos dez a doze fragmentos de próstata. 

Para que o exame seja confiável, os fragmentos são retirados de diferentes partes da próstata e são enviados para análise microscópica em frascos diferentes. Desta forma, se for identificado um câncer de próstata, consegue-se definir com maior precisão a localização prostática desse tumor. 

Para a realização da biópsia prostática o paciente deverá tomar um antibiótico prescrito pelo urologista, para que se possa evitar o aparecimento de infecções potencialmente graves em decorrência do exame. O procedimento é feito com uma anestesia local em torno da próstata.

Riscos da biópsia prostática 

Como todos os procedimentos deste tipo, há pequenas possibilidades de complicações que podem surgir após a realização da biópsica prostática, como a presença de sangue na urina (hematúria) ou no esperma. Mas, segundo Rui farinha, “estas possíveis complicações são geralmente passageiras e de pouca intensidade”, afirma. 

São raros os casos em que acontecem algo mais grave. De acordo com o urologista, em menos de 1% dos casos podem ocorrer infecções da próstata. “Estas infecções, pela sua potencial gravidade, exigem o internamento do paciente, que será medicado com um antibiótico aplicado diretamente na veia”, disse Rui Farinha. Alguns casos de febre com temperatura superior a 38,5º C e de retenção urinária também já foram encontrados. Jjá a perda de sangue nas fezes após a biópsia pode ter uma duração variável, mas de uma forma geral é passageira e limitada. 

Este artigo foi útil para você? Não se esqueça de deixar o seu comentário aqui e também em nossa página no Facebook!

TAGS
novembro azul
câncer de próstata

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ