Especialidades

02/01/2016 04:00 - Atualizado em 30/11/2016 07:01

Sedentarismo e obesidade podem deixar ingrata herança genética

Segundo estudo dinamarquês, traços do sobrepeso contidos no esperma de pais obesos podem ser passados para a criança.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Sedentarismo e obesidade são problemas preocupantes, normalmente atribuídos a maus hábitos no dia a dia. Um estudo publicado na revista Cell Metabolism, conduzido por pesquisadores da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, porém, mostra que o sobrepeso afeta a informação hereditária do esperma, tornando os filhos de pais obesos mais predispostos a desenvolver o problema.

Sedentarismo e obesidade hereditários

Segundo Romain Barrès, pesquisador que coordenou a pesquisa sobre o risco de obesidade em filhos de pais com sobrepeso, o esperma de homens obesos possui marcadores epigenéticos específicos em regiões do genoma associadas ao controle do apetite. O estudo confirmou que esses traços não existem no esperma de homens com peso normal.

A epigenétida é uma informação contida em algumas parcelas do genoma humano. Apesar de não fazer parte do DNA, desempenha uma função importante na regulação dos genes e pode ser herdada.

Segundo os pesquisadores, essa fase da pesquisa analisou apenas os homens, pois a obtenção de esperma é mais fácil que de óvulos. Além disso, mais estudos deverão complementar os resultados até aqui. Para Barrès, há chances de existirem razões evolutivas que expliquem a passagem hereditária do sobrepeso.

Sedentarismo e obesidade

Sobrepeso e sedentarismo no Brasil

Sedentarismo e obesidade são mistura bastante perigosa. Hábitos alimentares negativos e a falta de atividade física contribuem para o aumento de peso, que, por sua vez, eleva o risco de diversas doenças .

No Brasil, a situação é bastante delicada. Uma pesquisa realizada pelo Ministério do Esporte, em 2015, mostrou que o sedentarismo atinge 45,9% da população brasileira. Chamado de Diagnóstico Nacional do Esporte, a pesquisa mostrou que o sedentarismo é ainda mais comum entre o público feminino, chegando a 50,4%, enquanto o percentual masculino cai para 41,2%.

Além disso, segundo um estudo publicado no jornal American Journal of Clinical Nutrition, uma rotina sem exercícios físicos aparece relacionada duas vezes mais com mortes do que a própria obesidade. Esse estudo foi concluído após observação de 334.161 homens e mulheres durante cerca de 12 anos.

O excesso de peso no Brasil atinge 52,5% da população, conforme dados do Ministério da Saúde em 2015, sendo 17,9% obesos. Os dados apresentaram um aumento significativo em comparação com 2006, quando o total de pessoas acima do peso era de 42,6%, sendo 11,8% considerados obesos.

A notícia boa, diante desse quadro complicado, é que sedentarismo e obesidade podem ser combatidos com uma rotina mais saudável. Além de uma alimentação equilibrada, rica em nutrientes importantes, a prática diária de alguma atividade física também é essencial para manter a saúde em dia.

Que tal mudar seu estilo de vida e desfrutar de mais qualidade de vida? Aproveite todos os benefícios da vida saudável e curta a vida com mais bem-estar. Comente e continue acompanhando as dicas de saúde do Vivo Mais Saudável.

TAGS
sedentarismo
obesidade
atividade física
saúde

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ