Especialidades

01/09/2015 03:58 - Atualizado em 18/11/2016 12:03

Maior sensibilidade insulínica é um dos benefícios de quem tem o funcionamento regular do intestino

Estudos sobre suplementação probiótica para a flora intestinal apresentam melhor sensibilidade insulínica nos resultados.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Foi publicado um estudo na Revista Científica Lancet sobre a suplementação probiótica para a flora intestinal de uma amostra de pacientes. Os resultados apresentaram uma melhor sensibilidade insulínica, diminuição dos biomarcadores inflamatórios, menor disfunção endotelial e melhora das células Beta.

Segundo a endocrinologista Denise Ludovico, “de acordo com a pesquisa, a microbiota intestinal está relacionada aos níveis de cortisol, ansiedade e cognição (a flora intestinal secretaria hormônios neuroendócrinos, que se comunicariam com o sistema nervoso do intestino e o central). No entanto, ainda não se pode afirmar que a suplementação da flora intestinal seja um tratamento da Síndrome Metabólica”.

“Nossa flora bacteriana é composta por bactérias que nos ajudam a exercer nossas funções metabólicas, sem nos causar danos. Pelo contrário, nos protegem de outros micro-organismos que podem nos causar doenças. Então, essas bactérias fazem a “proteção” do nosso organismo contra infecções (intestinais, urinárias dentre outras). Além disso, de acordo com a pesquisa, teríamos uma melhor ação da insulina e diminuiríamos a possibilidade de acontecer algum evento cardiovascular (reduzindo a inflamação e a disfunção endotelial)”, completa Dra. Denise.

“A regularidade do funcionamento intestinal é importante para evitar dores e distensão abdominal, gases, distúrbios digestivos, dentre outras complicações como: diverticulose, hemorroidas, fissuras anais e câncer de intestino”, adiciona a endocrinologista.

No caso das pessoas que utilizam muitos remédios como antibióticos, há estudos que relatam mudança na flora intestinal. “Geralmente usamos antibióticos para combater infecções bacterianas, mas eles não são específicos para as bactérias, que nos fazem mal. Eles também destroem ou modificam as floras bacteriana do intestino, trato urinário, assim como as demais, o que pode prejudicar o funcionamento normal do intestino”, alerta Dra. Denise.

Este estudo também relata que a mucosa intestinal é o primeiro local de interação de micróbios com o sistema imune do indivíduo, o que pode desencadear inflamação tanto local como sistêmica. Além disso, o estudo também mostra que as bactérias benéficas parecem funcionar como uma espécie de barreira na mucosa intestinal, protegendo-a contra a entrada de antígenos na circulação. Com estes resultados, há cientistas, que estão estudando a potencialidade da flora intestinal proteger o organismo da entrada de antígenos, que podem desencadear processos autoimunes, levando o diabetes tipo 1, à doença celíaca e a outras disfunções.

Agora é só esperar o desenvolvimento da pesquisa para ter resultados mais conclusivos.

TAGS
diabetes
diabetes tipo 2
diabetes tipo 1

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ