Especialidades

03/04/2015 11:27 - Atualizado em 17/11/2016 01:49

Hantavirose causa edema pulmonar: Conheça os sintomas

Os primeiros sinais da doença podem ser confusos, o que dificulta o diagnóstico.

POR

Redação

  • +A
  • -A

A hantavirose é uma doença viral aguda que não é tão frequente, mas que tem alta taxa de letalidade. Transmitida por roedores, ela pode ter duas formas clínicas, a Síndrome Cardiopulmonar por Hantavírus (SCPH) e a Febre Hemorrágica com Síndrome Renal (FHSR).

Muitas vezes, a doença não é identificada nos estágios iniciais, pois manifesta sintomas comuns a outras enfermidades, como febre e dor no corpo. Porém, se não for tratada e acompanhada por um profissional da saúde, pode trazer complicações e até mesmo evoluir para edema pulmonar.

hantavirose

Sintomas e causas da hantavirose

Segundo o Ministério da Saúde, a taxa de letalidade média da hantavirose é de 46,5% e a maioria dos pacientes necessita de assistência hospitalar. Por isso, é importante identificar os sintomas ainda no início da doença, para que o tratamento e o acompanhamento sejam efetivos e evitem complicações mais graves.

No estágio inicial da hantavirose, a pessoa manifesta sintomas como febre, dor no corpo e dor de cabeça, que podem ser confundidos com outras doenças.

Após esses primeiros sinais, que podem durar entre três e seis dias, a doença pode chegar na segunda fase, chamada de cardiopulmonar. Nesse período, aparece a tosse e a taquicardia, que pode evoluir para edema pulmonar.

A terceira fase da doença é chamada de diurética, que é quando ocorre a reabsorção do líquido do edema pulmonar, e a resolução da febre e do choque. A quarta fase, caracterizada como convalescença, pode durar entre duas semanas e dois meses nos casos mais graves, causando fraqueza e esgotamento físico.

Os vírus causadores da hantavirose possuem como reservatórios naturais alguns roedores silvestres, que acabam contaminando o ambiente via urina, saliva e fezes. A transmissão e a contaminação dos seres humanos acontece principalmente por meio da inalação de aerossóis (partículas suspensas na poeira).

Como a doença é de difícil diagnóstico, nem sempre o tratamento consegue controlar a sua evolução, trazendo algumas complicações e até mesmo futuras sequelas para o paciente. As pessoas que contraem a doença podem desenvolver casos de hipertensão, insuficiência renal crônica e outros problemas.

Tratamentos e prevenção da hantavirose

Não existe um tratamento efetivo específico para a hantavirose, mas o controle da doença pode ser feito com medidas de suporte e observação. As alternativas terapêuticas são a assistência hospitalar e, na fase aguda, a ida para UTIs. Apesar do risco de óbito, a doença pode ser curada se o diagnóstico for precoce e o tratamento for adequado.

Os grupos de risco que devem ter cuidados redobrados são os moradores das áreas rurais, principalmente os envolvidos em atividades agropecuárias e de reflorestamento. Trabalhadores encarregados da limpeza de celeiros e de galpões para o armazenamento de alimentos e ração, assim como pessoas que façam trilhas ou acampem nas matas, também correm risco.

Para prevenir a doença, é preciso tomar medidas que impeçam o contato do homem com os roedores e suas excreções. Para isso, as pessoas devem adotar práticas de higiene, saneamento e manejo ambiental, de forma que evitem a aproximação desses animais.

Gostou das dicas de saúde? Então deixe um comentário! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar por dentro de todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
rato
doença viral
febre
áreas rurais

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ