Especialidades

22/02/2016 04:00 - Atualizado em 28/10/2016 03:25

Entenda qual é a relação entre microcefalia e zika

Como os relatos são recentes, há pouca literatura científica sobre o assunto.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Microcefalia e zika. Essas duas palavras causam calafrios em gestantes de todo o país desde o ano passado, quando foi constatada a relação entre a síndrome e o vírus. De lá para cá, o número de casos de malformação em bebês recém-nascidos só aumenta.

De acordo com o último boletim do Ministério da Saúde, divulgado no dia 17 de fevereiro, até agora são 508 casos confirmados e 3.935 sob investigação, sem a confirmação.

Microcefalia tem relação com o vírus

Na maioria dos casos, segundo o governo, as mães que deram a luz aos bebês com microcefalia foram infectadas pelo vírus zika. A conclusão é baseada em diversas evidências, mas apenas uma pequena parte acaba sendo confirmada.

Em entrevista à TV Globo no dia 15 de fevereiro, o diretor do Departamento das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch, explicou que, entre a infecção da gestante com o vírus e o nascimento do bebê, o organismo pode eliminar o zikaIsso não descarta a hipótese de o vírus ter originado a microcefalia, mas torna difícil um diagnóstico preciso.

aedes aegypti, responsável por microcefalia e zika

Qual a relação entre microcefalia e zika?

Como os relatos que relacionam microcefalia e zika vírus são recentes, há pouca literatura científica sobre o assunto. Foi apenas em novembro de 2015 que o Ministério da Saúde confirmou que as duas condições estavam associadas. A conclusão teve como base exames de sangue e de tecido de um bebê nascido com microcefalia no Ceará. Foi encontrada a presença do vírus nas amostras.

Do ponto de vista científico, foi possível observar apenas correlação entre microcefalia e zika. Há evidências claras de que, quando a mãe é infectada pelo vírus por volta do terceiro mês de gravidez, ele pode ser transmitido para o bebê e causar a malformação.

Porém, como os mecanismos por trás disso ainda não são compreendidos, não há provas concretas de que seja realmente isso que aconteça. Em outras palavras, não se sabe com certeza se o vírus é a causa da microcefalia.

A própria diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, afirmou, em entrevista coletiva no início de fevereiro, que a relação causal entre o zika vírus e a microcefalia é fortemente suspeita, mas não comprovada cientificamente.

A comunidade científica não poupa esforços para compreender em detalhes a natureza da relação entre a síndrome e o vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. Um estudo publicado por pesquisadores brasileiros do Instituto Oswaldo Cruz na revista Lancet Infectious Diseases, no dia 17 de fevereiro, confirmou a presença do vírus zika no líquido amniótico de duas mulheres cujos fetos tinham microcefalia.

Isso sugere que o vírus tem a capacidade de atravessar a placenta e infectar os fetos, como já se suspeitava. No entanto, nem essas evidências são capazes de provar que o zika foi a causa da microcefalia, apesar de essa ser a conclusão mais óbvia.

O que você pensa sobre esse assunto? Deixe sua opinião nos comentários! E aproveite para conferir outras dicas de saúde aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
Aedes aegypti
epidemia
zika vírus
surto de microcefalia

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ