Especialidades

24/01/2016 10:00 - Atualizado em 01/12/2016 04:22

Dia Mundial do Hanseniano reforça combate à doença

A hanseníase tem cura e o tratamento é ofertado gratuitamente na rede pública de saúde.

POR

Redação

  • +A
  • -A

A hanseníase é considerada uma das doenças mais antigas da história da medicina. Causada por um parasita, ela ataca a pele, os nervos periféricos e outros órgãos. O Dia Mundial do Hanseniano, lembrado em 24 de janeiro, intensifica ações de assistência e conscientização sobre o problema.

Causado pelo bacilo de Hansen, o Mycobacterium leprae, a doença infecciosa tem evolução crônica e provoca danos severos à saúde. Para saber mais sobre a hanseníase e entender como funciona o tratamento, confira as informações a seguir.

braços de paciente hanseniano

Dia Mundial do Hanseniano

A transmissão da hanseníase ocorre de pessoa para pessoa, por meio dos germens que o portador elimina e que são inalados por outro indivíduo. Além disso, o contato direto com a pele ferida dos doentes também pode causar a enfermidade.

O período de incubação do parasita varia de três a cinco anos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), boa parte da população que tem contato com a doença acaba não desenvolvendo os sintomas, devido às suas próprias defesas imunológicas.

A primeira manifestação do hanseniano costuma ser o aparecimento de manchas dormentes espalhadas pelo corpo. Essas marcas podem ser avermelhadas ou esbranquiçadas. Entre outros sintomas iniciais estão placas, inchaços, caroços, dores musculares e fraqueza.

Outras manifestações dependem do sistema imunológico de cada pessoa. O teste de Mitsuda classifica o tipo de defesa, formando algumas categorias da doença:

- hanseníase indeterminada (inicial)

- hanseníase tuberculoide (benigna e localizada)

- hanseníase borderline (com manchas extensas)

- hanseníase lepromatosa (em que a imunidade é nula e o bacilo se multiplica muito).

O diagnóstico é feito por meio de exames clínicos e laboratoriais. Na avaliação, o médico faz testes de sensibilidade, força motora e palpação dos nervos. A biópsia também pode ser necessária para um resultado mais preciso.

Segundo dados do Ministério da Saúde, a taxa de prevalência da hanseníase caiu 68% nos últimos dez anos, no Brasil. Porém, o país é o único do mundo que não conseguiu eliminar a doença, registrando novos casos todos os anos.

Saiba Mais
Sintomas da febre chicungunha ainda confundem os brasileiros
Sedentarismo no Brasil atinge quase metade da população
Saiba quais são as cirurgias plásticas mais comuns no Brasil

Tratamento e prevenção da hanseníase

O tratamento do hanseniano consiste na busca por acompanhamento médico a partir dos primeiros sinais da doença. Atualmente, a hanseníase tem cura e a assistência é feita nos postos de saúde de todo o Brasil. Os medicamentos são fornecidos gratuitamente aos pacientes.

O problema é tratado com antibióticos e o uso costuma ser bastante longo. Alguns pacientes também precisam utilizar próteses para melhorar a sua qualidade de vida. Por isso, a busca por tratamento o mais cedo possível é fundamental para evitar consequências como invalidez severa ou permanente.

A forma mais eficaz de prevenção da doença é buscar ajuda médica o quanto antes e evitar, assim, a transmissão do parasita. Além disso, pessoas que convivem com pacientes hansenianos devem seguir instruções de proteção específicas. É importante, ainda, evitar ambientes lotados e manter a higiene pessoal em dia.

Aproveite o Dia Mundial do Hanseniano para alertar familiares e amigos sobre a hanseníase. Não se esqueça de deixar seu comentário e de acompanhar outras dicas de saúde aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
hanseníase
lepra
tratamento
prevenção

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ