Especialidades

03/04/2016 06:00 - Atualizado em 10/12/2016 01:46

Colonoscopia virtual proporciona mais conforto ao paciente

Exame é realizado em casos de suspeita de câncer colorretal.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Do intestino grosso, também conhecido como cólon, até a região do reto pode se desenvolver o câncer colorretal. Para que ele seja curado, é necessário um diagnóstico preciso e com antecedência, que pode ser feito por meio da colonoscopia virtual. Esse exame permite encontrar sinais, pólipos e tumores localizados na região do cólon e do reto.

Dados de 2016 do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) apontam a existência de 34.280 casos da doença no país, sendo que o maior número de incidência e morte está entre as mulheres. O câncer colorretal começa com lesões benignas que crescem no intestino grosso. Saiba como a colonoscopia ajuda no tratamento.

médico explica a paciente como funciona colonoscopia virtual

Colonoscopia virtual mostra tumores

A principal maneira de evitar o desenvolvimento dos tumores é removendo os pólipos ou células enquanto ainda não estão danificando o organismo. A colonoscopia virtual é um dos exames mais eficientes para diagnosticar a doença.

Enquanto a técnica convencional utiliza um tubo longo com luz (colonoscópio) introduzido no cólon e no reto para obter imagens internas em um monitor, a computadorizada usa um procedimento de tomografia ou ressonância magnética. Assim, é possível obter um exame tridimensional, mais abrangente que no modo comum.

Tanto homens quanto mulheres podem realizar a colonoscopia virtual. Para isso, precisam de uma recomendação médica para encontrar anomalias, como pólipos ou tumores. Quando detectados precocemente, eles podem ser removidos antes de se tornar câncer. Se tratada corretamente, em fase inicial, a doença tem cura.

Como funciona o exame

Para fazer a colonoscopia virtual, é necessário que o reto e o cólon estejam vazios, a fim de que as imagens sejam mais nítidas. Antes do exame, o paciente precisa passar por uma dieta de líquidos por dois dias, sendo que, na noite anterior, não deve comer ou beber nada.

O médico pode solicitar que seja tomado um laxante ou usado um supositório para a limpeza intestinal. Além disso, o agente de contraste também contribui para que as formas do intestino grosso fiquem mais nítidas e apontem onde ficam os pólipos.

Realizada em um hospital, esse tipo de colonoscopia não exige internação e possibilita que o paciente retome sua rotina logo após o exame, que dura de 10 a 15 minutos e não requer sedativo. Um fino tubo é introduzido no reto, após a pessoa receber o contraste diretamente na região anal. No método virtual, um gás auxilia a expandir o reto para melhorar a qualidade da imagem.

Apesar de ser invasiva, a colonoscopia feita em ressonância magnética não utiliza colonoscópio, o que a faz ser mais confortável. Além disso, como não requer sedação, possibilita que a pessoa retome a rotina rapidamente - ao contrário do exame convencional, que requer um período para recuperação.

Há menos risco de romper ou perfurar o cólon na colonoscopia virtual, pois o tubo é muito menor que o colonoscópio utilizado na forma comum. No entanto, o exame tende a ser mais caro e não incluso em planos de saúde.

Que achou do artigo? Se ainda resta alguma dúvida, deixe um comentário! E aproveite para conferir outras dicas de saúde e bem-estar aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
câncer colorretal
exame
ressonância magnética
oncologia

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ