Especialidades

13/03/2015 05:16 - Atualizado em 04/12/2016 09:32

Causas do autismo podem ser genéticas: Veja como identificá-las

Pesquisas sobre as causas do autismo avançam e identificam como surge o transtorno.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Pesquisadores ainda não têm certeza absoluta quanto às causas do autismo, mas uma recente pesquisa pode dar novo rumo às investigações. De acordo com dados obtidos pelo Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido, a origem do problema pode ser quase absolutamente genética.

Em uma investigação feita com 516 gêmeos, as taxas do Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram maiores nos irmãos idênticos. As informações sugerem que as causas do autismo podem, assim, ser mais relacionadas com os genes do que se pensava.

Entre 74% e 98% dos casos passam a ser vistos como de origem genética. No entanto, fatores ambientais ainda são levados em conta, uma vez que habilidades e competências são formadas no lar. Veja o que é o autismo, como o transtorno se manifesta e quais são os seus diferentes graus.

causas do autismo

Hereditariedade está entre as principais causas do autismo

Uma combinação de fatores provoca o transtorno. Genética e agentes externos figuram como as principais causas do autismo. Antes da pesquisa realizada no Reino Unido, a Associação Médica Americana apontava que a hereditariedade era responsável por 50% das manifestações do problema. O ambiente de criação ficava como segunda principal causa.

Considerado um transtorno de desenvolvimento, o autismo começa a aparecer nos três primeiros anos de vida da criança, comprometendo as habilidades de comunicação e interação social. No Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V), lançado em 2013, houve mudanças na detecção do problema.

De acordo com as causas do autismo, ele passa a ser denominado de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e, incorporado a ele, está a Síndrome de Asperger, uma forma mais branda de manifestação. Esses diferentes graus permitem o diagnóstico mais completo. O TEA se define como um déficit persistente na comunicação e interação em sociedade, em múltiplos contextos.

Reconheça sintomas e causas do autismo

O fator genético entre as causas do autismo possibilita entender melhor as manifestações sintomáticas do transtorno. Um dos sinais mais comuns é a criança não responder quando é chamada pelo nome, parecendo surda. Na presença de outros, ela costuma se isolar e não participar de brincadeiras ou conversas, evitando o contato físico e o carinho.

Porém, apesar do isolamento, são hiperativas, mexendo em tudo e andando por todos os lados. Além disso, não apontam o que querem pegar, mas levam o braço dos pais ou pessoas íntimas até o objeto, usando a mão como ferramenta.

A relação dos autistas com os objetos também é bastante peculiar, pois dão novo uso a eles, virando-os ao contrário ou mexendo de formas pouco convencionais.

Muito sensíveis, as crianças com autismo também podem chorar por um simples toque. Quando machucadas, não demonstram dor e não se preocupam se estão com frio ou calor, isolando-se de sensações. Fugindo do contato visual, elas podem não olhar nos olhos da mãe mesmo nos primeiros dias de vida, o que já dá sinais de manifestação do transtorno.

No mundo todo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 70 milhões de pessoas são autistas. No Brasil, os dados indicam que 2 milhões de autistas compõem a população do país.

É possível detectar o transtorno por meio de testes clínicos. O tratamento é basicamente terapêutico, incluindo terapia ocupacional, de comunicação e comportamento, fisioterapia e técnicas de linguagem e discurso.

Gostou das dicas de saúde? Então deixe um comentário! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar ligado em todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
autismo
tratamento
distúrbios da mente
sintomas

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ