Criança

09/12/2015 03:29 - Atualizado em 05/12/2016 05:32

Estudo relaciona espectro autista do filho a hormônios da mãe

Segundo a pesquisa, a Síndrome dos Ovários Policísticos pode aumentar as chances de a criança desenvolver autismo.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Os chamados Transtornos do Espectro Autista (TEA) atingem cerca de 70 milhões de pessoas em todo o mundo, sendo mais frequentes no sexo masculino. O problema causa uma alteração cerebral que compromete o desenvolvimento psiconeurológico, podendo se manifestar em diferentes graus, mas afetando principalmente a capacidade de interação social e de comunicação.

As causas do autismo são desconhecidas, mas um estudo recente apontou que pode existir relação com as mães que possuem Síndrome dos Ovários Policísticos. A doença provoca alterações dos níveis hormonais, o que pode afetar o desenvolvimento do feto.

criança com transtorno do espectro autista

Desequilíbrio hormonal e autismo

Um estudo do Instituto Karolinska, de Estocolmo, na Suécia, apontou que mulheres que produzem excesso de hormônio masculino têm um risco consideravelmente mais elevado de gerar bebês com autismo. Essa é a primeira pesquisa que aponta relações entre a Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) e os Transtornos do Espectro Autista (TEA).

As mulheres afetadas por essa síndrome produzem uma quantidade elevada de hormônios andrógenos, inclusive durante a gravidez.

A partir dos relatórios médicos relativos a todas as crianças entre 4 e 17 anos nascidas na Suécia entre 1984 e 2007, os pesquisadores estabeleceram um vínculo estatístico entre essa patologia e a TEA, indicando que as mães com a SOP tinham um risco 59% maior de ter filhos autistas.

No entanto, o estudo publicado na revista Molecular Psychiatry não conseguiu explicar por que os Transtornos do Espectro Autista afetam quatro vezes mais os meninos que as meninas. Os cientistas ainda afirmam que as causas subjacentes da relação entre a SOP e a TEA não estão completamente claras e que serão necessárias pesquisas mais aprofundadas.

Saiba Mais
Autismo leve não prejudica a vida social das crianças
Grávidas expostas à poluição duplicam risco autismo do bebê
Causas do autismo podem ser genéticas: Veja como identificá-las

Como identificar o espectro autista

O autismo é um trastorno do desenvolvimento que se manifesta principalmente na dificuldade de estabelecer interações sociais e de dominar a linguagem e a comunicação. As crianças autistas também apresentam padrões de comportamento repetitivos e restritivos.

Existem diferentes tipos de autismo, em que o grau do transtorno varia, podendo comprometer mais ou menos a saúde da pessoa. Os quadros podem ser leves, como na síndrome de Asperger, ou mais graves, quando há incapacidade de estabelecer relações sociais e o indivíduo tem dificuldade de se expressar.

Ainda bebês, as crianças já costumam apresentar sinais do espectro autista. Por volta dos 18 meses, alguns sintomas como pouco contato visual e falta de gestos comunicativos podem ser percebidos pelos pais.

Quando as crianças atingem os 3 anos de idade, outros sinais aparecem, como dificuldade de relacionamento; riso em momentos inapropriados; propensão ao isolamento; hiperatividade ou extrema inatividade; agir como se estivesse surdo; aflição sem motivos aparentes; repetição de palavras ou de frases.

A detecção do transtorno precocemente e o começo do tratamento o quanto antes são de extrema importância para que a criança possa se desenvolver de forma saudável e com qualidade de vida. O tratamento é direcionado às necessidades específicas de cada um, variando conforme o caso. Terapia ocupacional, fisioterapia e medicamentos podem ser indicados.

O que você achou do artigo? Conte para nós! E aproveite para conferir outras dicas de saúde aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
autismo
ovário policístico
desenvolvimento do feto
desequilíbrio hormonal

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ