Criança

03/03/2016 03:00 - Atualizado em 27/11/2016 06:58

Estado febril da criança não precisa preocupar

Pais e mães devem medir a febre e, se necessário, entrar em contato com o pediatra da criança.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Seja depois de um longo dia de brincadeiras ou mesmo durante uma sessão de desenhos animados em família, qualquer sintoma estranho que a criança apresente é motivo para muitos pais e mães ficarem em alerta. Um estado febril, por exemplo, pode acontecer devido a diversos fatores, então o melhor é observar outros sinais para entender a causa do problema.

Se você é um desses pais atentos e superprotetores, sabe o quão angustiante é lidar com as incertezas de momentos assim. Para acabar com suas dúvidas, o Vivo Mais Saudável conversou com Renato Santos Coelho, médico do Comitê de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS).

mãe ampara criança em estado febril

Avalie o estado febril do seu filho

A temperatura corporal pode variar entre 36 a 36,7 graus Celsius. Ela deve ser medida nas áreas externas, sendo a dobra axilar uma das opções mais utilizadas. Coelho explica que o número do termômetro costuma ficar mais elevado ao fim do dia, ao passo que permanece mais baixo de madrugada e pela manhã. Ou seja, pode ocorrer oscilações naturalmente.

Se a criança apresentar de 37 a 37,8 graus Celsius, ela está com febre.  “A causa mais frequente são os processos infecciosos e inflamatórios”, comenta o médico. Essa mudança de temperatura, no entanto, não é preocupante e tampouco demanda medicação.

Valores acima de 37,8 graus Celsius já pedem o uso de medicamentos, até porque sintomas relacionados, como dor no corpo e cefaleia, podem causar mal-estar. Porém, a febre é preocupante apenas quando ultrapassa os 39 graus Celsius. Nesses casos, o estado febril pode estar associado a doenças graves.

Tratamentos para o estado febril

Quando a temperatura corporal da criança foge do considerado normal e se eleva, ela pode ser controlada com meios físicos. Banhos mornos ou compressas de água em temperatura ambiente são possíveis indicações.

Dr. Renato Coelho explica que, em caso de febre baixa, não há muito com que se preocupar. Crianças que apresentam a temperatura levemente elevada costumam voltar ao normal em pouco tempo. “Com o uso de algum medicamento, consegue-se fazer ela [a febre] baixar mais rápido, mas não tem um risco por si só”, explica o doutor.

É importante ficar de olho se a temperatura oscilar acima dos 38 graus. Esse sinal indica que você deve levar seu filho ao pediatra.

Outro problema que assusta os pais, muitas vezes mais que o necessário, é a convulsão. Segundo o médico, ela pode acontecer independentemente da causa ou do grau do estado fabril. “Sempre é bom lembrar que a convulsão febril simples não apresenta por si só uma situação grave; é benigna e, na maioria dos casos, o tratamento é simples”, garante.

Que achou das dicas? Ainda tem dúvidas sobre a febre do seu pequeno? Então deixe um comentário abaixo! E aproveite para conferir outras dicas de saúde aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
febre
temperatura corporal
mal-estar
pediatria

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ