Criança

11/09/2015 01:39 - Atualizado em 31/07/2016 07:00

Agende-se: Segunda dose da vacina contra o HPV

Ministério da Saúde alerta que a proteção só ocorre após a aplicação das duas doses.

POR

Redação

  • +A
  • -A

A partir do mês de setembro, meninas entre 9 e 11 anos de idade deverão receber a segunda dose da vacina contra o HPV. O Ministério da Saúde alerta que o Papiloma Vírus Humano é responsável por 70% dos casos de câncer do colo do útero e a terceira causa de morte de mulheres no Brasil.

Até o mês de agosto de 2015, 2,5 milhões de meninas receberam a primeira dose da vacina contra o vírus. Apesar de ser um número grande, isso representa apenas 50% do público-alvo. No ano de 2014, estima-se que 100% do público esperado tenha recebido a primeira dose, porém apenas 60% dessas pessoas buscou a segunda dose da vacina.

menina toma vacina contra o HPV

Importância da vacina contra o HPV

A vacina contra o HPV é eficaz na proteção contra quatro subtipos do vírus. A segunda dose do esquema vacinal é fundamental para que a proteção seja confirmada. Meninas entre 9 e 13 anos devem recebê-la seis meses após a primeira vacina. Já a terceira dose, considerada um reforço, é feita após um período de cinco anos após a primeira imunização.

Mesmo o público que tenha recebido apenas a primeira dose da vacina nos anos anteriores deve ir ao posto de saúde e tomar mais uma. É importante ter consciência de que a proteção só é garantida após a aplicação de duas doses.

A vacina quadrivalente - que protege contra os subtipos 6, 11, 16 e 18, com 98% de eficácia -, é oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) desde março de 2014. É fundamental que os pais levem suas filhas à unidade de saúde mais próxima para protegê-las.

Muitos adultos acabam se enganando ao achar que apenas mulheres com vida sexual ativa deveriam se imunizar. O Ministério da Saúde, juntamente com a Organização Mundial da Saúde (OMS), reitera que a proteção apresenta resultados importantes, no futuro.

Saiba Mais
HPV tem cura? Prevenção ainda é a melhor defesa
Preservativo feminino é opção para o sexo seguro
Febre e dores de cabeça são possíveis reações da vacina HPV

Entenda os riscos do HPV

O HPV é uma doença sexualmente transmissível (DST) e contamina homens e mulheres. No entanto, entre o público feminino, a ameaça é maior, devido à ligação do vírus com os casos de câncer do colo do útero.

Os subtipos 16 e 18 do Papiloma Vírus Humano são responsáveis por 70% dos casos desse tipo de câncer ao redor do mundo. Já os subtipos 6 e 11 são causadores de 90% das verrugas anogenitais.

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) afirma que mais da metade da população feminina com vida sexual ativa será infectada pelo HPV ao longo dos anos. A vacina contra o HPV durante a infância oportuniza a mudança desses dados, protegendo as meninas desde antes do início da vida sexual.

A principal forma de contaminação é por meio da relação sexual e, por isso, o uso do preservativo é tão importante para manter a saúde em dia. Além desse importante cuidado, é essencial que as mulheres realizem o exame Papanicolau, capaz de identificar lesões no colo do útero que podem levar ao câncer.

Você já se imunizou? Alerte familiares e amigos sobre a importância da segunda dose da vacina contra o HPV e explique como essa proteção é benéfica para a saúde do público feminino! E aproveite para conferir outras dicas de saúde e bem-estar aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
câncer do colo do útero
saúde feminina
dst
vacinação

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ