Clínica Geral

16/07/2015 08:01 - Atualizado em 31/07/2016 11:15

Transmissão da AIDS diminui, mas ainda preocupa

Novos casos de infecção do vírus HIV diminuíram no mundo, mas Brasil apresenta crescimento.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Dados de uma pesquisa feita por um programa da Organização das Nações Unidas (ONU) aponta que a transmissão da AIDS diminuiu no mundo, nos últimos anos. Porém, o Brasil ainda preocupa e tem índices em ascensão, ao contrário do cenário mundial.

Em 2000, entre 360 mil e 500 mil brasileiros eram portadores do vírus HIV. Atualmente, são entre 610 mil e 1 milhão de pessoas. O Ministério da Saúde trabalha para reverter esse quadro disponibilizando tratamento gratuito e conscientizando a população sobre a importância da prevenção.

Transmissão da AIDS no Brasil e no mundo

Quando o tema é transmissão da AIDS, na verdade, fala-se da transmissão do vírus HIV, que é causador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Em alguns casos, uma pessoa pode contrair o vírus e não desenvolver a doença ou qualquer sintoma. É aí que está o perigo maior de contágio para outras pessoas.

transmissao da aids

Segundo um relatório divulgado pela Unaids, programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, o número de novas infecções por HIV diminuiu 35,5% entre 2000 e 2014 no mundo. Em 2000, a estimativa de novas infecções foi de 3,1 milhões. Já em 2014, essa estimativa baixou para 2 milhões.

Apesar de os índices de transmissão da AIDS terem caído no mundo, no Brasil os novos casos aumentaram, no mesmo período. Em 2000, era estimado que o número de novos casos de HIV estivesse entre 29 mil e 51 mil. Em 2014, subiu para de 31 mil a 57 mil novos casos.

Porém, uma notícia é promissora, no país. Foi constatado que a transmissão de mãe para filho diminuiu em 50% nos últimos 18 anos, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Além disso, em 2000, o número de crianças entre 0 e 14 anos infectadas pelo HIV estava entre 2 mil e 3 mil. Em 2014, a estimativa é que esse número tenha ficado entre 500 e 1,1 mil. Isso foi possível porque o Brasil disponibilizou o tratamento precocemente, contribuindo também para baixar os preços dos medicamentos antirretrovirais em até 90%.

No relatório da Unaids, metas foram estabelecidas com o objetivo de acabar com a epidemia de HIV até 2030. Isso não significa eliminar todos os casos de transmissão da AIDS, mas que ela passe a ser uma doença controlada.

O melhor tratamento ainda é a prevenção

A melhor forma de combater novos casos da doença é através da prevenção, da testagem e do tratamento. No Brasil, o sistema público de saúde disponibiliza gratuitamente o teste para detectar a infecção pelo HIV e facilita o acesso ao tratamento precoce, além de distribuir preservativos nos postos de atendimento e fazer campanhas de conscientização.

O método de prevenção contra AIDS mais eficiente é por meio do uso da camisinha. Porém, dados do Ministério da Saúde apontam que 45% dos brasileiros não usam a proteção com parceiros casuais.

O relatório divulgado pela Unicef revela que, entre 2004 e 2013, a incidência de AIDS em meninos entre 15 e 19 anos aumentou 53%. Nessa faixa etária, a incidência do vírus é 30% maior que em meninas. Além disso, meninos homossexuais têm dez vezes mais chances de serem afetados pela transmissão da AIDS.

Com isso, o Brasil ainda precisa melhorar o acesso à prevenção, à testagem e aos serviços de atendimento e tratamento direcionados ao público adolescente. O Ministério da Saúde tem usado em campanhas de conscientização a estratégia de falar diretamente com os jovens.

O que você achou da notícia? Deixe seu comentário! E continue acompanhando o Vivo Mais Saudável para conferir mais dicas de saúde e bem-estar.

TAGS
hiv
camisinha
sexo
prevenção

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ