Clínica Geral

21/10/2014 05:27 - Atualizado em 14/01/2016 07:15

Saiba mais sobre o Ebola

O vírus foi identificado em 1976, no Zaire, e tem o mesmo nome de um rio do norte desse país.

POR

Terra

  • +A
  • -A

O vírus Ebola é um dos mais perigosos para o ser humano, já que é extremamente contagioso e tem um alto índice de mortalidade.

O vírus foi identificado em 1976, no Zaire, hoje República Democrática do Congo (RDC), e tem o mesmo nome de um rio do norte desse país.

A primeira das cinco cepas conhecidas do vírus alcança mortalidade de até 90% nos seres humanos (cerca de 70% na epidemia atual), de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

O Ebola circula entre os morcegos frugívoros (que comem frutas), considerados hospedeiros naturais do vírus, embora não desenvolvam a doença. Outros animais, como os grandes símios, antílopes, ou porcos-espinhos, também podem transmitir o Ebola aos seres humanos.

Apesar de ser muito contagioso, esse vírus se transmite com menos facilidade do que outros, pois seu modo de contágio é através de fluidos corporais. O vírus Ebola pode se propagar por muco, sêmen, saliva, suor, vômito, fezes e sangue.

É muito difícil que seja transmitido entre passageiros em um espaço fechado como um avião, ou um trem, já que requer contato direto com as secreções corporais.

O Ebola também é transmitido para pessoas que tenham tido contato com o corpo de alguém que tenha falecido vítima da doença - como acontece nos preparativos para um funeral.

Não há vacina, nem tratamento aprovado. Os cuidados consistem, principalmente, em hidratar os doentes.

Duas vacinas consideradas "promissoras" pela OMS ainda estão em desenvolvimento, mas já existem tratamentos experimentais que deram bons resultados com vários pacientes.

O mais conhecido desses tratamentos experimentais é o ZMapp, que contém três anticorpos. Prevê-se que centenas de doses estejam disponíveis até o fim do ano.

A eficácia do Avigan, um produto usado para combater a gripe japonesa, ainda não foi comprovada, mas se trata do único tratamento potencial que pode ser produzido rapidamente. A empresa japonesa Toyama Chemical diz ter "reserva suficiente para mais de 20 mil pessoas".

É preciso tomar medidas preventivas, como lavar as mãos, desinfetá-las com soluções hidroalcoólicas e vigiar atentamente o possível aparecimento de sintomas - em especial a febre.

Recomenda-se manter distância de vários metros de doentes e de cadáveres de vítimas do Ebola.

Médicos e enfermeiros têm de usar equipamento de proteção individual, como luvas e máscaras.
 
O que é necessário para lutar adequadamente contra a epidemia?

É preciso isolar os doentes, depois da confirmação de contágio por testes de laboratório. Os exames são imprescindíveis, já que os sintomas de Ebola se parecem com os de outras doenças, como a malária.

Também é necessário ter um corpo consistente de profissionais de Saúde: entre 200 e 250 funcionários para atender de modo seguro a um estabelecimento com cerca de 70 leitos.

A ONU estima em pelo menos US$ 1 bilhão o montante para financiar seis meses de luta contra a epidemia. Já se reuniu cerca de 40% desse total, o que aumentará de 4.300 para 7.000 o número de leitos com pessoal médico suficiente.
 

Curtiu a matéria? Então deixe um comentário e acesse nossa página no Facebook para ficar por dentro das novidades do Vivo Mais Saudável

TAGS
epidemia
vírus

AFP

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ