Clínica Geral

10/05/2015 10:17 - Atualizado em 10/12/2016 10:43

Saiba como cair na água sem risco de choque térmico

Choque térmico pode ser prevenido ao evitar mudanças bruscas de temperatura, seja na água ou ao livre.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Sair de um ambiente quente para um frio, ou vice-versa, estar com o corpo aquecido e entrar na água gelada, são situações que exigem do organismo rápidas adaptações para se adequar ao novo meio. É nesse cenário que pode ocorrer o choque térmico, que gera riscos importantes para a saúde.

Nesse processo brusco e intenso de troca de temperatura, devido a mecanismos de circulação em vasos periféricos e centrais, a pressão sanguínea tende a cair - e é aí que os riscos se acentuam. Tome cuidado com seus hábitos e confira os danos que o choque térmico pode trazer ao organismo.

choque termico

O que caracteriza um choque térmico

Ele é a reação do nosso corpo, cuja temperatura fica ao redor de 36,5ºC, ao entrar em contato com água ou ambiente mais frios ou mais quentes. Na água fria, por exemplo, em 25ºC, o corpo perde calor e o aparelho cardiovascular reage imediatamente, elevando a pressão arterial. Também os vasos sanguíneos se contraem, no que é chamado de vaso espasmo.

A pressão arterial costuma aumentar quando o choque térmico é do ambiente quente para o frio. Assim, quem sofre de hipertensão, pode sentir ainda mais os seus efeitos, o que aumenta o risco de acidentes vasculares cerebrais (AVC) e de outros problemas relacionados a picos hipertensivos.

O choque térmico também pode causar paralisia facial periférica, o que atinge um dos lados do rosto. Com a exposição brusca ao frio, pode haver um processo inflamatório do nervo facial.

Pessoas que sofrem de alergias respiratórias podem ter o quadro agravado pelo choque térmico, por causa do ressecamento das mucosas das vias aéreas. Além disso, o choque térmico possibilita que algumas bactérias ataquem a mucosa da boca e da garganta e provoquem infeções.

Rouquidão, amigdalite, faringite e outros quadros respiratórios são também consequências frequentes do impacto das bebidas frias na faringe. O esôfago reage ao choque térmico com espasmos que provocam a dor.

No estômago, a principal reação é a paragem digestiva. Em um dia de praia, por exemplo, você já sabe que não é indicado comer em grandes quantidades e logo após entrar no mar.

Como evitar um choque térmico

Fique atento à regulagem da temperatura dos aparelhos de ar condicionado, principalmente durante a temporada de verão e inverno. Nessas épocas, o aparelho deve ser regulado entre 21ºC e 23ºC para evitar o contraste entre os ambientes e qualquer tipo de desconforto.

Além disso, antes de sair de um local frio para outro muito mais quente, vale a pena ficar com um agasalho até que a temperatura do corpo se equilibre e volte ao normal, o que evita ajuda a evitar o choque térmico.

Na saída de um local quente para um lugar frio, você deve fazer uma transição gradual entre esses ambientes. O ideal também é que não se ingira bebidas quentes e frias em sequência.

Gostou das dicas? Então deixe um comentário! E não esqueça que você sempre encontra novidades aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
temperatura corporal
organismo
riscos à saúde
prevenção

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ