Clínica Geral

11/12/2015 11:44 - Atualizado em 16/11/2016 11:20

Repelente contra dengue pode ser prejudicial a bebês

Antes dos 6 meses de idade, o produto pode causar alergias e reações tóxicas.

POR

Redação

  • +A
  • -A

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) recomenda o uso de repelente contra dengue apenas após os 6 meses de idade da criança. Antes disso, o produto pode causar alergias e reações tóxicas. O cuidado também deve ser tomado na hora de escolher o tipo de produto, levando-se em consideração as suas substâncias químicas.

O uso de repelente é mais uma das medidas adotadas para combater o mosquito Aedes aegypti, que além da dengue também transmite a chikungunya e o Zika vírus. Esse último é responsável pelo recente surto de casos de microcefalia em bebês de várias regiões do Brasil.

mãe passa repelente contra dengue no bebê

Efeitos do repelente contra dengue

A SBD emitiu uma nota com orientações sobre o uso de repelente contra dengue, alertando principalmente que crianças até 6 meses de idade não devem utilizar o produto.

Repelentes de qualquer tipo podem ser prejudiciais ao bebê e provocar reações alérgicas, pois nessa idade a pele é ultradelicada. Além disso, as substâncias químicas podem ser absorvidas, causando reações tóxicas.

A partir dos 6 meses até os 2 anos de idade, é indicado o uso de repelentes que contenham na sua fórmula a substância IR3535, que possui duração de até quatro horas. A aplicação deve ocorrer apenas uma vez por dia.

Para crianças entre 2 e 7 anos, são recomendados repelentes com essa substância e também com Icaridina 20-25%, com duração de dez horas, ou DEET infantil 6-9%, cuja duração pode chegar a seis horas. Nesses casos, a aplicação deve ocorrer até duas vezes ao dia.

Os repelentes para crianças a partir de 7 anos de idade podem conter as mesmas substâncias, com aplicação até três vezes ao dia.

Saiba Mais
Veja dicas para identificar os sintomas da febre Chikungunya
Dengue na gravidez pode infectar o bebê
Zika: Conheça mais uma doença causada pelo mosquito da dengue

Outras recomendações importantes quanto ao repelente contra dengue são as formas de aplicação. O produto não deve ser usado embaixo das roupas, mas, sim, apenas nas áreas que ficarão expostas. Além disso, o excesso pode causar intoxicação.

Ao utilizar também outros cosméticos, como hidratante ou filtro solar, é preciso esperar secar e aplicar o repelente após 15 minutos, sendo sempre a última camada. Na hora de passá-lo nas crianças, um cuidado importante é não utilizá-lo próximo das mucosas (olhos, nariz, boca) e nem nas mãos dos pequenos, pois eles podem levar o produto à boca.

De acordo com a SBD, estudos científicos mostram que a icaridina 20-25% fornece maior proteção contra o Aedes aegypti que o DEET (dietiltoluamida) 6-9%. Por isso, ao procurar por um repelente contra dengue, opte pelos que contenham a primeira substância.

infográfico repelente contra dengue

Outras maneiras de prevenção

Outras medidas podem ser tomadas para prevenir o mosquito transmissor. Entre elas estão o uso de repelentes elétricos, que liberam inseticidas, e a instalação de mosquiteiros e telas em janelas, portas, berços e camas. Isso evita a entrada do inseto em casa.

A aplicação de repelentes em spray sobre o mosquiteiro também aumenta sua eficácia.

Além disso, prefira roupas claras, com manga longa e calça comprida. Evite peças escuras, que atraem o mosquito, ou muito coladas ao corpo, pois elas permitem a picada.

Outra dica é manter o ambiente resfriado com ar condicionado ou ventiladores, o que ajuda a espantar o mosquito.

E não se pode esquecer da principal forma de prevenção: o combate à proliferação do Aedes Aegypti. Eliminando os focos de água parada em vasos de plantas, caixas d’água abertas, pneus e baldes, é possível evitar que o inseto sobreviva e procrie.

Você tem feito sua parte? Conte para nós! E aproveite para conferir outras dicas de saúde aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
prevenção
Aedes aegypti
chikungunya
zika

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ