Clínica Geral

31/03/2015 12:35 - Atualizado em 05/12/2016 06:51

Perda da capacidade respiratória é um dos efeitos do cigarro

Fumar reduz a potência dos pulmões e pode levar à morte por câncer e enfisema.

POR

Redação

  • +A
  • -A

De 2008 a 2014, o número de fumantes no Brasil caiu mais de 20%. No entanto, 14,7% da população continua tendo seu bem-estar prejudicado em função dos efeitos do cigarro, segundo dados do Ministério da Saúde e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Praticamente todo o organismo é afetado pelos cigarro. Os pulmões são os que sentem mais o impacto das toxinas.

As mais 4,7 mil substâncias perigosas contidas no produto são ingeridas principalmente por adultos, entre 40 e 59 anos. Desses, a maioria apresenta casos de bronquite, bronquiolite, enfisema pulmonar e, inclusive, câncer. Saiba mais sobre os prejuízos do cigarro e por que você deve ficar longe dele.

efeitos do cigarro

Quais são os efeitos do cigarro no organismo?

Mais de 50 doenças são relacionadas ao consumo do cigarro. Entre as mais comuns, estão aquelas ligadas à circulação, ao coração e à respiração. A nicotina, um dos principais componentes do produto, chega mais rápido ao cérebro que a cocaína, sendo associada a problemas do coração e da circulação sanguínea.

O monóxido de carbono é o mesmo tipo de gás que sai do cano de escapamento dos carros. Combinado com a hemoglobina, que proporciona a oxigenação do sangue, reduz o transporte de sangue no corpo, causando dores de cabeça quando em abstinência.

Acontece que, quando o nível de oxigênio do corpo fica normalizado, o organismo estranha o excesso de ar e provoca cefaleia.

Os efeitos do cigarro também podem incluir câncer de boca, de laringe, de estômago e de pulmão, geralmente causados pelo alcatrão, uma substância que possui inúmeros compostos cancerígenos, como o arsênio, o polônio e o chumbo.

Juntos, nicotina, monóxido de carbono e alcatrão fazem com que o ato de fumar se torne uma prática mortífera. Cerca de 90% dos cânceres de pulmão nos homens são causados pelo cigarro.

Respirar é mais difícil para fumantes

Chiado no peito, falta de ar e tosse são alguns dos efeitos do cigarro mais comuns. Além disso, os fumantes costumam ter problemas de voz e rouquidão. Asma e infecções respiratórias também afetam grande parte deles.

Esses transtornos podem culminar em diversas doenças crônicas, como bronquite e enfisema, já que fumar aumenta em dez vezes as probabilidades de sofrer com essas patologias.

Os cílios das vias aéreas são prejudicados pelos efeitos do cigarro, repleto de substâncias que dificultam a eliminação de catarro e muco, fundamentais para que a respiração seja desobstruída. Outro problema é que o índice de fumantes é muito maior após os 40 anos de idade, quando a capacidade respiratória é naturalmente reduzida.

Fumar também faz com que a camada de células internas dos vasos sanguíneos seja lesionada, reduzindo o bom colesterol e diminuindo a liberação de oxigênio para os tecidos.

Os radicais livres, que dificultam a produção celular, são liberados com maior intensidade, provocando também acidez no estômago, arteriosclerose e irritação da garganta, dos olhos e das vias aéreas.

Os fumantes têm riscos maiores de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC), tornarem-se impotentes sexuais, desenvolver doenças coronárias e morrer por infarto, principalmente após os 55 anos. Se você continua fumando, é melhor parar com o vício. Afinal, os efeitos podem reduzir a expectativa de vida.

Você já tentou parar de fumar? Conte sua experiência! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar por dentro de todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
cigarro
câncer de pulmão
enfisema
capacidade respiratória

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ