Clínica Geral

17/06/2014 03:30 - Atualizado em 08/04/2016 05:29

O que é o vírus ebola, que já matou mais de 500 na África Ocidental

Mais de 500 pessoas já morreram vitimas do vírus ebola em surto recente.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Uma desgraça extremamente mortal é talvez uma das possíveis definições do vírus ebola. Seu surto recente, que ocorre na África Ocidental - principalmente nos países Guiné, Libéria e Serra Leoa - já matou mais de 500 pessoas, de um total de menos de 900 infectados, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

É a maior epidemia de ebola já registrada, em termos de pessoas infectadas, vítimas e extensão geográfica do surto. O agravante é que o vírus tem se espalhado tanto em áreas rurais quanto urbanas. No entanto, há medidas que podem ser tomadas para que ele não atravesse mais fronteiras e chegue a novos países.

O que é o ebola

ebolaFoto: Shutterstock

Antes disso, vamos entender o que é o ebola. Essa é uma doença muito grave causada por uma infecção viral. O seu diagnóstico é difícil, mas costuma apontar baixa de glóbulos brancos e plaquetas e aumento de enzimas hepáticas. 
O que torna a situação alarmante é que não há cura ou vacina conhecida para a enfermidade, que pode matar até 90% das pessoas que a contraíram - no seu primeiro surto, em 1976, no Zaire, 280 pessoas morreram, de 318 infectadas.

O vírus pode ser transmitido tanto por humanos quanto por animais. Seu hospedeiro natural são os morcegos frutíferos, mas já foi registrada a infecção de chimpanzés, gorilas, antílopes selvagens e porcos-espinhos. Ele é transmitido por contato com sangue, secreções ou outros fluidos corporais 

É comum a infecção de agentes de saúde que tratam pacientes, sem o uso de luvas, máscaras e outros equipamentos de proteção. Outra maneira de transmissão são os enterros de falecidos contaminados.

Sintomas

Entre os sintomas do ebola estão, em um primeiro momento, o início súbito de febre, fraqueza intensa, dores musculares, dor de garganta e dor de cabeça; depois vômitos, diarreia, funções hepática e renal deficientes, erupções cutâneas e, em alguns casos, sangramentos internos e externos.

O tempo de incubação pode ser de dois a 21 dias após a exposição ao vírus, ou seja, os sintomas podem aparecer nesse intervalo após a exposição. Há pacientes que apresentaram, também, erupções cutâneas, olhos avermelhados, soluços, dores no peito e dificuldade para respirar e engolir.

Medidas conta o ebola

Recomenda-se que medidas de prevenção sejam tomadas não apenas aos países onde se concentra o surto, mas também aos vizinhos. A primeira medida é a criação, preferencialmente no Ministério da Saúde, de uma equipe que trabalhe em acompanhamento permanente dos casos, com o suporte da OMS África.

É fundamental que seja organizado um sistema de comunicação, para que a população seja conscientizada dos cuidados básicos em relação à saúde, conhecendo as formas de transmissão do ebola e estratégias para combatê-lo. 

Em conjunto com a OMS, devem ser disponibilizados laboratórios internacionais qualificados que façam o diagnóstico rápido da doença e que tenham os equipamentos adequados para tratar os doentes. Em caso de surto, recomenda-se a vigilância constante de pessoas que entraram em contato com os doentes e a avaliação de medidas de quarentena.

Apesar da situação, a OMS não recomenda que não se viaje para os países afetados, uma vez que o contato com o doente sem a troca de fluidos não transmite o vírus. Ou seja, basta que medidas de prevenção sejam tomadas pela pessoa.

Você ficou sabendo de outras formas de transmissão? Você acha que há uma possibilidade de que esse vírus chegue no Brasil?

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ