Clínica Geral

27/11/2015 05:22 - Atualizado em 22/11/2016 07:16

Microcefalia: Existe relação com Zika vírus?

Em parceria com o Ministério da Saúde, a Fiocruz investiga a relação entre o Zika vírus e a microcefalia.

POR

Redação

  • +A
  • -A

O Ministério da Saúde notificou até o momento 739 casos de microcefalia em 160 municípios brasileiros, sendo Pernambuco com o maior número de casos, 487. Diagnósticos constataram a presença do genoma do Zika vírus em amostras de duas gestantes da Paraíba, cujos fetos foram confirmados com microcefalia através de exames de ultrassonografia. Mas será que os casos de microcefalia estão relacionados ao Zika vírus? A virologista Ana Maria Bispo, pesquisadora do Laboratório de Flavivírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), vai tirar suas dúvidas e dá recomendações de como evitar o contágio:

Casos de microcefalia deixam o Brasil em alerta

 

Havia na literatura alguma menção de que o Zika vírus poderia estar relacionado a casos de microcefalia?

Não havia. Esta é uma descoberta científica inédita, que pode contribuir para o entendimento desta questão emergente de saúde pública.

O Zika vírus causa microcefalia ou existe uma associação forte que precisa ainda ser confirmada?

Apesar de ser um achado científico inédito, importante para o entendimento da infecção por vírus Zika em humanos, os dados atuais não permitem correlacionar diretamente, de forma causal, a infecção pelo vírus Zika com a microcefalia. Novos estudos são necessários. Cabe a nós, da comunidade científica, gerar dados novos sobre os casos, contribuindo para ampliar o conhecimento sobre o assunto, o que certamente terá impacto global para embasar ações.

Como se darão os próximos estudos sobre o tema?

Certamente diversos grupos de pesquisa no país estão alinhados com o mesmo propósito de realizar um grande esforço de investigação científica para esclarecimento rápido dos casos de microcefalia. Com um esforço conjunto de pesquisa, poderemos responder mais rapidamente ao tema. Estamos satisfeitos em poder colaborar para esta questão relevante de saúde pública. 

Qual o risco do Zika vírus se espalhar para o resto do país?

São três fatores importantes para ficar de olho: o vírus, o mosquito transmissor e pessoas suscetíveis à infecção pelo vírus Zika. Nos locais onde estas situações acontecem, simultaneamente, espalhar o vírus é possível. Vale sempre ressaltar que, como é de conhecimento de todos, o controle do vetor é fundamental, não apenas por ações do governo, mas com participação da população.


Fique atento!

O que é microcefalia?

A microcefalia não é um agravo novo. Trata-se de uma malformação congênita, em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada. Na atual situação, a investigação da causa é que tem preocupado as autoridades de saúde. Neste caso, os bebês nascem com perímetro cefálico (PC) menor que o normal, que habitualmente é superior a 33 cm. Esse defeito congênito pode ser efeito de uma série de fatores de diferentes origens, como as substâncias químicas, agentes biológicos (infecciosos), como bactérias, vírus e radiação.

Como detectar o Zika vírus?

O zika tem uma letalidade menor quando comparado a dengue. O vírus também é transmitido pelo Aedes aegypti, mas o curso desta infecção é benigno. A febre é mais baixa, não passa de 38 graus, mas há uma frequência maior de manchas no corpo. 

 

Recomendações do Ministério da Saúde para grávidas:

- Mantenha o acompanhamento pré-natal;

- Não tomem remédio sem a prescrição médica;

- Evitem contato com pessoas com febre e infecção;

- Colocar telas na janela de casa e repelentes permitidos para gestantes.

Você conhece alguém que tenha os sintomas aparentes? Conte para gente.

Vivo Mais Saudável.

Informação que faz bem.

TAGS
zika vírus
microcefalia
grávida
fiocruz

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ