Clínica Geral

20/05/2015 04:08 - Atualizado em 23/11/2016 11:25

Manias excessivas indicam transtornos mentais

Atitudes repetitivas, descontroladas e que gerem ansiedade podem ser sinal de transtorno obsessivo.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Todas as pessoas têm algumas manias, mas, quando essas atitudes viram hábitos, tiques ou transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), é sinal de alerta. Para identificar quando esse é o caso, é preciso prestar atenção e procurar ajuda quando o ato sai do controle.

Existem diferentes tipos de manias. A frequência e intensidade com que acontecem é que determinam se a situação é comum ou um transtorno mental. Porém, com o tratamento adequado, é possível minimizar e até mesmo evitar os sintomas.

manias

Quando as manias se tornam um problema

As atitudes que são feitas de forma repetitiva podem ser dividas em três categorias: hábito, tique e TOC. Roer as unhas ou estralar os dedos, por exemplo, é considerado um hábito. Mexer os ombros ou as pernas, piscar os olhos e assoprar são tiques. Já as manias de limpeza, de contar objetos ou de organizá-los de forma simétrica são exemplos de TOC.

Em geral, os hábitos e tiques podem ser mais facilmente controlados ou até mesmo desaparecerem espontaneamente com o tempo. Alguns cuidados e medidas para evitar as atitudes ajudam a diminuir a frequência com que ocorrem, e até eliminá-las de vez.

Uma mania só se torna um trastorno mental se o que motiva o indivíduo é uma obsessão ou um pensamento muito forte, sendo impossível controlar o ato ou então nem perceber que ele está sendo feito. Quando uma pessoa fica muito ansiosa por não fazer algo a que está acostumada, pode ser sinal de TOC.

Outra doença é a síndrome de Tourette. Nesse caso, a pessoa começa a desenvolver vários tiques ao mesmo tempo, podendo ser eles motores ou vocais, principalmente antes dos 18 anos de idade.

Tratamentos para controlar as manias

Para identificar quando as manias precisam de tratamento, a pessoa deve ficar atenta se a atitude repetitiva está prejudicando a sua rotina ou suas relações sociais. Na maioria das vezes, os familiares ou amigos percebem antes que o próprio paciente, mas devem evitar falar diretamente para a pessoa que ela tem um tique para evitar aborrecimentos.

Existem tratamentos médicos que ajudam a diminuir os impulsos, geralmente com remédios que bloqueiam o descontrole hormonal que acontece no cérebro quando uma pessoa tem tiques. Dependendo do caso, é indicado procurar um neurologista ou um psiquiatra. O acompanhamento médico adequado controla as sensações.

Alguns cuidados diários também fazem parte do processo de tratamento para controlar as manias. Uma dica é fazer atividades que exijam concentração, pois focar os pensamentos ajuda a melhorar a maioria dos tiques, mantendo o corpo ocupado com outra atividade e sem dar espaço para uma crise começar.

Dormir bem e reservar um tempo para descansar mantém o corpo relaxado e tranquilo, ajudando a evitar alterações emocionais como nervosismo, estresse e cansaço, que pioram transtornos mentais. Isso ocorre porque a instabilidade aumenta a adrenalina do corpo, o que pode provocar uma crise de tiques.

Outra dica é praticar exercícios físicos regularmente, pois assim o corpo aumenta a quantidade de endorfina liberada no organismo, proporcionando mais prazer e bem-estar e diminuindo a tensão e a ansiedade. Ouvir música também é indicado, pois causa um efeito parecido.

Você tem alguma mania? Conte para nós! E não esqueça que sempre há dicas de saúde e de bem-estar aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
TOC
tique
concentração
ansiedade

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ