Clínica Geral

20/11/2014 02:15 - Atualizado em 05/12/2016 09:46

Lúpus: Como identificar os sintomas e conviver com a doença

Doença autoimune e que não tem cura, lúpus não impede que seu portador tenha uma vida normal.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Relativamente desconhecido, o lúpus costuma inspirar medo entre a população, pelo fato de não haver cura para a doença. Apesar disso, é possível conviver com a doença, pois o tratamento busca amenizar os sintomas e pode melhorar a qualidade de vida do paciente. Conhecer as virações das doenças e suas manifestações pode contribuir para agilizar o diagnóstico e prevenir possíveis complicações.

lupus

Lúpus é uma doença autoimune

Considerada uma doença autoimune, que ocorre quando o sistema imunológico ataca e destrói tecidos saudáveis do organismo por engano, o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) pode afetar pele, articulações, rins, cérebro e outros órgãos do organismo. Basicamente, a doença se divide em três tipos:

Lúpus discoide

Fica limitado à pele. Normalmente, é identificado a partir do surgimento de inflamações cutâneas que costumam no rosto, na nuca e também no couro cabeludo.

Lúpus sistêmico

Cerca de 10% das pessoas veem a doença evoluir para o tipo sistêmico, que pode atingir quase todos os órgãos e sistemas do organismo. As lesões caracterísitcas dessa variação da doença podem limitar-se à pele e às articulações, mas os rins, o coração, os pulmões e o sangue também podem ser afetados.

Lúpus induzido por drogas

O problema é proveniente do uso - geralmente de forma abusiva e indiscriminada - de drogas e medicamentos específicos. Os sintomas são bastante semelhantes aos da variação sistêmica da doença.

Sintomas do lúpus podem variar

Há dificuldade em realizar o diagnóstico da doença, pois os sintomas variam muito de pessoa para pessoa e podem mudar com o passar de tempo, sobrepondo-se uns aos outros. Isso confunde especialistas e pacientes, em razão da semelhança com outras doenças. Os sinais podem incluir:

- Febre

- Manchas na pele

- Vermelhidão no nariz e no rosto, formando um desenho semelhante a asas de borboleta

- Feridas na boca

- Sensibilidade à luz solar

- Dor excessiva nas articulações, acompanhada de fadiga

- Dificuldade para respirar

- Dor de cabeça, confusão mental e perda de memória

- Doenças reumatológicas, renais, e do sangue

- Doenças no aparelho respiratório

- Queda de cabelo

- Depressão, desconforto geral, ansiedade, perda do apetite e mal-estar.

Como é o diagnóstico

Para assegurar-se do diagnóstico, o médico pode solicitar alguns exames específicos, como:

- Biópsia renal.

- Exame de urina.

- Exames de anticorpos.

- Hemograma completo.

- Radiografia do tórax.

Tratamento ameniza sintomas

Como não há cura para a doença, o tratamento tem como objetivo controlar os sintomas, garantindo uma qualidade de vida relativa às pessoas portadoras da doença. Alguns dos métodos mais comuns incluem anti-inflamatórios não esteroides, pomadas com corticoides e uma droga antimalárica, conhecida como hidroxicloroquina, e corticoides de baixa dosagem.

Gostou de saber mais sobre como controlar a doença? Então deixe um comentário! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar ligado em todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
doença
saúde
prevenção de doenças
tratamento

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ