Clínica Geral

14/06/2014 09:00 - Atualizado em 24/11/2016 02:23

Inverno traz maior risco de conjuntivite: veja como se prevenir

Incidência da conjuntivite aumenta com inverno e clima seco.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Condições climatológicas costumam influenciar no aumento dos casos de conjuntivite entre a população. O inverno e o tempo seco contribuem para o aumento da incidência do problema. Veja quais são os sinais da doença e como se prevenir.

O clima e a conjuntivite

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

A conjuntivite é uma inflamação na conjuntiva, nome dado à membrana transparente e fina que reveste a parte da frente do globo ocular e o interior das pálpebras. Geralmente, a doença ataca ambos os olhos e pode durar de uma semana até 15 dias. Ela pode ser aguda ou crônica, e não costuma deixar sequelas.

A conjuntivite pode ter origem com a transmissão de vírus e bactérias, sendo, nesse caso, contagiosa, podendo ser transmitida pelo contato direto com as mãos (que depois são eventualmente levadas aos olhos), com a secreção ou objetos contaminados – telefone, controle remoto, sabonete e toalhas, por exemplo. Outro meio de se pegar conjuntivite é com reações alérgicas a substâncias poluentes ou irritantes aos olhos, como poluição, fumaça, cloro de piscinas, produtos de limpeza ou maquiagem e, principalmente, pelo pólen espalhado no ar (nesse caso, costuma ser chamada de conjuntivite primaveril.

As condições climatológicas podem favorecer a incidência da conjuntivite. Quando o tempo está muito seco, a umidade do ar diminui. Isso leva o ambiente a secar a água da superfície ocular. Como as lágrimas e a umidade natural dos olhos são uma proteção contra organismos estranhos, sua diminuição aumenta o risco de uma infecção. Já quando chega o inverno e as temperaturas despencam, as chances de contágio também aumentam. Nesse período, as pessoas costumam se acomodar em locais fechados, perto umas das outras, o que eleva a possibilidade de transmissão.

Sintomas da conjuntivite

O sintoma mais clássico para identificar ou suspeitar da ocorrência de conjuntivite são os olhos avermelhados e lacrimejantes. Outros sintomas comuns são o incômodo nos olhos, com frequente sensação de areia ou cisco; inchaço nas pálpebras; coceira nos olhos; dor ao olhar para a luz (fotofobia); visão borrada; pálpebras grudadas ao acordar, secreção purulenta (sintoma de conjuntivite bacteriana); e secreção esbranquiçada (sintoma de conjuntivite viral).

Prevenção da conjuntivite

As recomendações para prevenir a ocorrência de conjuntivite são lavar as mãos e o rosto com frequência (são veículos importantes para a transmissão de micro-organismos patogênicos); não coçar os olhos; usar toalhas de papel descartáveis para enxugar o rosto, ou então lavar as de tecido diariamente; trocar com frequência as fronhas dos travesseiros; evitar aglomerações ou piscinas compartilhadas de academias ou clubes; e não compartilhar o uso de esponjas, rímel, delineadores ou outros produtos utilizados nos olhos.

Tratamento da conjuntivite

Em primeiro lugar, se você suspeita ter conjuntivite, não se automedique - procure um médico. O tratamento varia de acordo com o agente causador da doença. O tratamento para a conjuntivite bacteriana, por exemplo, inclui colírios antibióticos, que devem ser prescritos por um médico, apenas para esse caso específico – caso contrário podem haver complicações no quadro.

Cuidados especiais de higiene também devem ser tomados, em todos os casos, com o intuito de controlar a evolução da doença. Por exemplo: lavar os olhos e aplicar compressas de água gelada (que deve ser, antes, filtrada e fervida) ou soro fisiológico – que pode ser comprado em farmácias ou distribuído em postos de saúde.

Se você já teve conjuntivite, e possui alguma outra dica ou quer falar um pouco sobre a sua experiência, deixe o seu comentário.

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ