Clínica Geral

26/08/2014 12:17 - Atualizado em 04/12/2016 01:16

Hormônio irisina pode ser o futuro do tratamento de diabetes

Irisina é uma substância natural que ajuda na perda de peso.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Você já ouviu falar em irisina? Esse pode ser o nome do futuro tratamento e cura para doenças como diabetes, obesidade e mal de Parkinson.

O que é a irisina

A irisina é um hormônio produzido pelos músculos em resposta a exercícios físicos. A descoberta dessa substância, em 2012, foi realizada em pesquisa do Dr. Bruce Spiegelman, do Dana-Farber Cancer Institute, em Boston. No estudo, foram utilizados ratos de laboratório, nos quais se comprovou que a irisina ajuda no emagrecimento e regula o metabolismo glicídico.

Os pesquisadores observaram que a irisina tem a capacidade de induzir a mudança da gordura branca para a gordura marrom. A gordura branca é pouco ativa no metabolismo, mas quando transformada em gordura marrom, acaba desenvolvendo grande atividade termogênica, o que prova a queima de calorias.

Desse modo, mesmo sem exercícios físicos e sem dieta, o individuo perde gordura. O efeito da irisina parece um sonho para quem deseja emagrecer

Irisina não deve substituir exercício

Neste ano, em maio, o desenvolvimento sintético da irisina se tornou realidade através de pesquisa da Universidade da Flórida. "Nós descobrimos que se você der proteína de irisina para um rato obeso, ele vai perder peso sem exercício. O estudo pode ter resultados positivos para a terapia de obesidade e diabetes do tipo 2", afirma o pesquisador Li-Jun Yang.

irisina

Yang acrescenta que, no futuro, ingerir irisina em combinação com exercícios físicos pode ser uma parte do tratamento para diabetes. "Não dá para dizer para as pessoas não se exercitarem, mas se você pudesse ter pessoas se exercitando e usando irisina, seria um excelente tratamento para diabetes do tipo 2, obesidade e qualquer desordem metabólica", acrescenta o coautor da pesquisa William Donelan. 

Mesmo assim, já há quem discuta a possibilidade de abandonar o suor em prol de cápsulas com essa substância. Mas o Dr. Adolfo Duarte, clínico geral com prática molecular e integrativa, discorda da visão de quem busca substituir a atividade física por pílulas.

“Um medicamento que venha a gerar resultados similares aos de um exercício físico será fantástico para tratar doenças e auxiliar pacientes em processo de reabilitação", pondera o médico. "No caso de um indivíduo que não tenha a necessidade específica, esse recurso vai se tornar, no mínimo, moralmente lesivo, pois tira dele a oportunidade de lutar pelo seu resultado e de passar por todas as ricas vivências que o levariam ao sucesso".

Assim, a opinião do médico é que pessoas que tenham alguma doença como diabetes ou obesidade ou que estejam em processos de reabilitação são os indivíduos que podem utilizar, no futuro, essa substância. Para eles, a irisina pode ser uma ferramenta essencial, auxiliando a terem mais saúde e qualidade de vida. Pessoas saudáveis, por outro lado, que não possuem restrições de alimentação, não deveriam substituir exercício físico por cápsulas.

Receita para entrar em forma

Por enquanto, a receita para manter a boa forma não mudou: exercícios físicos aliados à nutrição adequada. Experimente se exercitar regularmente, com práticas cardiorrespiratórias, e se alimentar de forma balanceada, com comidas de diferentes grupos. Você vai perceber resultados bem mais rapidamente do que imagina. Basta largar as fórmulas mágicas e partir para o esforço necessário para a obtenção dos seus objetivos.

E para quem tem diabetes e outras doenças que podem ser influenciadas pela irisina, a perspectiva para o futuro é positiva. Diversas pesquisas em todo o mundo estão sendo feitas a partir das descobertas sobre essa substância. 

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ