Clínica Geral

05/08/2014 09:00 - Atualizado em 09/11/2016 12:17

Biofeedback é eficaz no tratamento de várias doenças

Novo procedimento de diagnóstico, biofeedback ajuda a compreender o próprio corpo.

POR

Redação

  • +A
  • -A

O biofeedback é a oportunidade de conhecer o seu corpo e ter controle dele em sua plenitude. Com a técnica, que permite o autoconhecimento, a pessoa pode entender o funcionamento da sua musculatura, atividade cerebral e até da temperatura corporal.

E aquilo que um dia já foi ficção científica se torna realidade. Já imaginou encher o corpo de sensores que permitem a sua leitura? E melhor, tê-lo mapeado em uma tela de computador, com imagens e sons de todo o funcionamento dos seus músculos e a sua atividade cerebral?

biofeedback
Técnica do biofeedback ajuda no autoconhecimento do organismo. Foto: Shutterstock

Parece coisa de outro mundo, mas não é. A técnica do biofeedback já é uma realidade e vem auxiliando as pessoas na compreensão do funcionamento do próprio corpo. Com a análise das funções fisiológicas, há vários benefícios.

Confira o que esse conhecimento do organismo pode proporcionar:

- Diminui a gravidade do déficit de atenção.

Reduz as dores crônicas.

- Suaviza os sintomas de distúrbios alimentares (como a anorexia, bulimia e a obesidade).

- Reduz dores de cabeça.

- Aprimora o raciocínio e a atenção.

- Provoca um relaxamento, o que deixa em índices controláveis situações como as fobias.

- Suaviza os distúrbios do sono.

- Monitora a hipertensão.

- Controla o bruxismo.

O procedimento do biofeedback dura cerca de 40 minutos, e o ideal é que ele seja feito pelo menos duas vezes ao longo da semana. O objetivo das sessões é ensinar o paciente a controlar e entender o seu corpo a tal ponto que ele não necessite mais do seu uso.

Técnicas de biofeedback

Conheça abaixo:

Eletromiográfico: essa técnica mapeia toda a atividade elétrica nos músculos e identifica os locais onde ocorrem as maiores tensões. Com o auxilio do biofeedback, pode-se aprender técnicas de relaxamento para essas regiões, que amenizarão o incômodo.

Térmico: medindo a temperatura da pele, encontra-se os principais pontos de estresse do corpo. 

Eletrodérmico: eletrodos são colocados nas mãos e nos pés e permitem que um mapa da tensão emocional da pessoa seja montado. A eletricidade do copo contribui na montagem deste mapa, que também é útil para identificar o perfil psicofisiológico da pessoa e, assim, aprimorar sua qualidade de vida.

Cardíaco: controla a pressão e a frequência arterial, contribuindo no diagnóstico e prevenção de problemas cardíacos.

Neurofeedback: usado para visualizar as ondas cerebrais do paciente. Um exemplo prático do uso do neurofeedback é no tratamento do deficit de atenção. Os pacientes com este problema apresentam ondas cerebrais muito lentas, então são treinados para acelerarem a frequência cerebral.

Contraindicações do biofeedback

Mesmo com tantas vantagens, o biofeedback tem suas contraindicações. Pessoas que não conseguem realizar contrações musculares sozinhos e portadores de graves doenças mentais ou visuais não devem fazer uso da técnica, por exemplo.

O biofeedback já é realidade e vem ajudando cada vez mais as pessoas no tratamento de doenças e no auxilio do conhecimento do próprio corpo. Quer saber mais? Conheça a Associação Brasileira de Biofeedback.

Leia também:

Anel intravaginal pode combater a Aids

Famosos adotam o cigarro eletrônico. Será que funciona?

Mosquito transgênico é nova arma contra a dengue

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ