Clínica Geral

21/01/2016 03:29 - Atualizado em 30/11/2016 08:05

Beber socialmente faz mal? Descubra 5 verdades

Uma taça de vinho ou uma lata de cerveja trazem benefícios, mas sem exageros.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Uma cervejinha no happy hour com os amigos ou uma caipirinha antes do almoço de fim de semana são hábitos bastante comuns entre os brasileiros. Porém, beber socialmente pode trazer tanto benefícios quanto malefícios, pelo menos de acordo com a ciência.

No Reino Unido, uma campanha está chamando a atenção da população. A proposta, chamada de Dry January ("Janeiro Seco", em português), convida os participantes a passarem 31 dias sem consumir álcool. A iniciativa defende os benefícios que a prática pode trazer à saúde.

amigos dançam após beber

O que é beber socialmente?

Quem nunca ouviu alguém dizer que bebe "socialmente"? Segundo a definição de especialistas, o hábito é classificado como risco moderado de alcoolismo e corresponde a pessoas que consomem até três doses diárias de bebida alcoólica. Uma dose equivale a uma lata de cerveja, uma taça de vinho ou 25 mililitros de destilado.

Já para quem costuma consumir quatro doses diárias, o risco passa a ser definido como em crescimento. Entretanto, vale lembrar que a dependência alcoólica é diagnosticada por meio de uma série de critérios, e não apenas diante da quantidade de álcool consumida.

A relação da pessoa com a bebida, como o consumo está ligado à sua rotina e como o álcool é inserido no dia a dia também devem ser levados em conta.

jovens brindam para beber socialmente

5 verdades sobre o álcool

1. Poder antioxidante

Os polifenóis estão presentes não só nas bebidas alcoólicas, mas também em frutas, cereais e chás. Considerados potentes antioxidantes, eles controlam a ação dos radicais livres, que causam o envelhecimento das células e outros danos ao organismo. Também têm ação antibiótica, antialérgica e anti-inflamatória.

2. Consumo frequente

Por outro lado, um estudo realizado pelo Scripp's Research Institute, da Califórnia, nos Estados Unidos, revelou que a ingestão de quantidades maiores de álcool de uma só vez pode afetar o cérebro da mesma forma que doses menores, porém mais frequentes. Ou seja, mesmo que o consumo ocorra apenas durante o fim de semana, é preciso ter cautela.

Saiba Mais
Cerveja ajuda coração e não dá barriga, dizem cientistas
Conheça os principais tipos de vinho e seus benefícios
Risco de câncer digestivo aumenta com consumo de álcool

3. Coração fortalecido

Beber de forma controlada - uma dose por dia - pode reduzir a carga aterosclerósica na aorta, minimizando os riscos de acidente vascular cerebral. É o que aponta um estudo da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos.

Além disso, o hábito ajuda a controlar os níveis de colesterol, aumentando o tipo bom, e melhora a vasodilatação, o que protege o coração e o cérebro. No entanto, quem passa da dose moderada não só perde os benefícios, como coloca o corpo em risco de outras complicações.

4. Mais memória

Uma pesquisa realizada por cientistas das universidades de Kentucky e Maryland, nos Estados Unidos, revelou que uma taça de vinho pode melhorar as funções cognitivas daqueles que já passaram dos 70 anos. Das 619 pessoas que participaram do estudo, 80% melhoraram o estado de saúde após o consumo moderado da bebida.

5. Riscos e restrições

O teor alcoólico das bebidas podem causar diversos danos à saúde de quem bebe exageradamente. Além da desidratação, ocasiona a elevação na ação pancreática, fazendo com que a insulina crie mais gordura. O consumo de álcool, ainda, é contraindicado para pacientes que possuam diabetes, hipertensão e problemas hepáticos ou pancreáticos.

Você costuma beber socialmente? Qual a sua opinião sobre o consumo de bebidas alcoólicas? Deixe um comentário! E continue acompanhando as dicas de saúde do Vivo Mais Saudável.

TAGS
álcool
alcoolismo
coração
cérebro

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ