Clínica Geral

07/02/2016 04:00 - Atualizado em 29/11/2016 05:10

Aprenda a reconhecer 9 sinais de Alzheimer

O uso de alguns medicamentos pode levar a um diagnóstico impreciso.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Quando a idade vem chegando e os primeiros esquecimentos aparecem, muitas pessoas já se preocupam que esses sejam sinais de Alzheimer. Afinal, a perda de memória é um dos sintomas mais característicos da doença.

Porém, existem outras maneiras de identificar o quadro. Além disso, os esquecimentos relacionados à idade nem sempre são indício de que o paciente tenha Alzheimer. Saiba mais a seguir.

idosos com sinais de alzheimer

Reconheça 9 sinais de Alzheimer

Pode não ser fácil reconhecer os primeiros sinais de Alzheimer, pois cada pessoa tem suas próprias características. O paciente pode ser naturalmente desatento, por exemplo, o que confunde o diagnóstico. No entanto, é sempre importante estar alerta, especialmente quando a idade chega.

Conforme o geriatra e conselheiro da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia Rubens de Fraga Junior, o Alzheimer, embora possa aparecer em pessoas mais jovens, é mais frequente a partir dos 60 anos. “Antes disso, pode ocorrer, mas também podem ser outras coisas, como efeito colateral de medicamentos, hipotireoidismo, entre outros”, explica.

A observação é importante para garantir um diagnóstico precoce e uma qualidade de vida melhor tanto para o paciente quanto para a família. A doença exige paciência e preparo dos envolvidos. “Em geral, a família leva de três a cinco anos para perceber os sinais”, relata o médico.

Confira uma lista com 9 sinais de Alzheimer:

1. Perda de memória que comprometa atividades da vida diária

2. Modificação na resolução de problemas e no planejamento de funções executivas

3. Dificuldade em completar tarefas de trabalho, do cuidado com a casa ou mesmo de lazer

4. Confusão em relação ao tempo e ao espaço

5. Problemas na fala, na escrita e na compreensão de imagens visuais e relações espaciais

6. Perda de objetos, especialmente quando a pessoa guarda seus pertences em locais que não costumava guardar

7. Alteração ou diminuição de julgamento (função executiva), o que também vale para questões relacionadas a dinheiro

8. Isolamento do trabalho e do relacionamento social

9. Alterações de humor e personalidade.

Como saber se é Alzheimer?

De acordo com o geriatra, e levando em consideração todos esses sinais, o que difere o envelhecimento natural da demência é a incapacidade mental que a pessoa passa a ter para realizar atividades da vida diária.

O Alzheimer é uma doença degenerativa e progressiva. O indivíduo passa pelas fases de esquecimento e de confusão mental até chegar à total dependência. Porém, com o diagnóstico precoce, é possível ganhar tempo para preparar o ambiente da casa ou mesmo para buscar medicamentos que possam melhorar o quadro do paciente.

Em alguns casos, há medicamentos que, segundo o geriatra, melhoram o tempo da pessoa. “Eles deixam o paciente mais ligado”, explica. Dr. Rubens também fala a respeito do cuidado com quem tem a doença. “Há ótimas clínicas e maneiras de avaliar para encontrar uma adequada. Não adianta ficar asilado em casa, vai depender de cada um”, pondera.

Existem casos raros de famílias com Alzheimer precoce de origem genética sendo estudados. Além disso, entre os fatores de risco, estariam casos ligados a lesões na cabeça. “Há relatos de jogadores de futebol que passaram por esses traumas e que, em fases mais avançadas da vida, apresentaram a doença”, conta o médico.

Tirou suas dúvidas sobre o Alzheimer? Deixe um comentário! E aproveite para conferir outras dicas de saúde aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
envelhecimento
terceira idade
doença degenerativa
perda de memória

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ