MEDICINA ALTERNATIVA

10/07/2014 10:02 - Atualizado em 22/07/2014 19:05

Quiropraxia

Tratamento da coluna e do sistema neuro-músculo-esquelético sem uso de medicamentos e cirurgias.

POR

A.D.A.M.

  • +A
  • -A

O que é a quiropraxia?

A quiropraxia (que vem da palavra grega que significa "feito com as mãos") concentra-se na manipulação da espinha e outras articulações para tratar doenças. Baseia-se na crença de que, uma vez que o sistema nervoso controla o corpo, corrigindo a espinha pode-se tratar uma variedade de doenças. Daniel David Palmer fundou a quiropraxia em 1895. Palmer era um curandeiro autodidata que estava estudando a estrutura espinhal e técnicas de manipulação quando supostamente restaurou a audição de um homem surdo ao realinhar uma vértebra deslocada em suas costas. Palmer acreditava que a maioria das doenças era um resultado de sinais nervosos anormais, causados por "subluxação vertebral" (desalinhamento da espinha). Embora hoje a maioria dos quiropratas também utilize outras terapias, a manipulação da espinha permanece central na quiropraxia. Há mais de 60.000 licenças ativas para quiropraxia nos Estados Unidos. De acordo com um estudo de 2010, o número total de adultos americanos que consultaram um quiroprata aumentou 57%, de 7,7 milhões em 2000 para 12,1 milhões em 2003. Esta é uma porcentagem maior que a yoga, massagem, acupuntura ou outras terapias baseadas em dietas.

O que acontece durante uma consulta com um quiroprata?

A primeira consulta normalmente dura uma hora. O quiroprata solicita um histórico médico completo, incluindo informações sobre ferimentos ou doenças anteriores, condições e medicamentos atuais, estilo de vida, dieta, hábitos de sono, exercícios, estresse mental e uso de álcool, drogas e tabaco. Durante um exame físico, o quiroprata avalia a sua espinha e articulações e pode realizar exames de diagnóstico, como testes de pressão sanguínea, raios-x, ressonâncias magnéticas e outros testes para fazer um diagnóstico. O tratamento normalmente é iniciado na primeira ou segunda sessão. Tipicamente, solicita-se aos pacientes que deitem em macas especialmente desenvolvidas, nas quais o quiroprata realiza a manipulação da espinha. A mais frequente é a manipulação manual, na qual o quiroprata move uma articulação até o fim de sua extensão e, então, aplica um impulso com pouca força. O quiroprata também pode utilizar outros tratamentos, incluindo massagem e terapias de calor e gelo. Você não deve sentir dores com a manipulação. Algumas pessoas têm dores leves, rigidez e cansaço por alguns dias após a manipulação, enquanto seus corpos ajustam-se ao novo alinhamento.

Quantos tratamentos serão necessários?

Um curso típico de tratamento dura diversas semanas. O quiroprata pode sugerir de 2 a 3 sessões por semana (durando de 10 a 20 minutos) e, então, sessões semanais após a sua melhora. Juntos, você e o quiroprata estabelecerão metas para o seu tratamento e avaliarão a eficiência do tratamento conforme progride.

Quais condições são eficientemente tratadas com a quiropraxia?

A quiropraxia tem mostrado ser efetiva para dores agudas e crônicas nas costas, dores no pescoço e dores de cabeça. Evidências preliminares sugerem que também pode ajudar no tratamento de ombro congelado, cotovelo de tenista e outros ferimentos esportivos, síndrome do túnel carpal, otite média (infecção no ouvido), problemas digestivos, dores menstruais e pré-menstruais, distúrbio de hiperatividade e déficit de atenção (TDAH) e asma. Muitas pessoas também usam a quiropraxia para tratar dores de cabeça, fadiga e outros problemas de saúde.

Há condições que não devem ser tratadas com a quiropraxia?

Se você tiver um osso quebrado, tumores, uma crise de artrite, infecções em ossos ou articulações ou osteoporose avançada, você não deve ter a área afetada manipulada. Certifique-se de informar ao seu quiroprata sobre qualquer incapacidades físicas que você tenha ou se você sentir entorpecimento, formigamento, fraqueza ou outros problemas neurológicos. Em casos extremamente raros, a manipulação do pescoço danificou os vasos sanguíneos ou causou acidentes vasculares cerebrais. O processo de triagem, entretanto, é destinado a detectar pessoas com alto risco.

Glossário

  • Manipulação do tecido duro: manipulação de ossos e cartilagens, incluindo articulações.
  • Impulso de alta velocidade: manipulação manual que envolve a movimentação de articulações selecionadas até o fim de suas extensões de movimento voluntário seguida de um rápido impulso manual.
  • Terapia interferencial: uma forma de estímulo eletrônico.
  • Compressão isquêmica (terapia de ponto de disparo de Travell-Simons): uma técnica na qual uma pressão progressivamente maior é aplicada a um ponto de pressão, ponto de disparo ou músculo tensionado.
  • Mobilização de articulação: técnicas manuais gentis ou mais lentas nas quais a articulação permanece dentro do intervalo passivo de movimento.
  • Impulso de baixa amplitude: amplitude refere-se à profundidade ou distância efetiva do impulso do quiroprata. A maior parte da manipulação/ajuste é de baixa amplitude, minimizando a força total aplicada ao paciente.
  • Manipulações: técnicas manuais que movem uma articulação além do ponto final de seu intervalo passivo de movimento.
  • Manipulação do tecido mole: manipulação manual de músculos, tendões e ligamentos.
  • Manipulação da espinha: manipulação de vértebras.
  • Subluxação: quando o alinhamento, a integridade dos movimentos e a função fisiológica estão alterados, embora o contato entre as superfícies das articulações permaneça intacto.
  • Impulso: a manobra terapêutica realizada por um profissional durante ajuste ou manipulação de alta velocidade.

Alcantara J, Davis J. The chiropractic care of children with attention-deficit/hyperactivity disorder: a retrospective case series. Explore (NY). 2010;6(3):173-82.

Alcantara J, Cossette M. Intractable migraine headaches during pregnancy under chiropractic care. Complement Ther Clin Pract. 2009;15(4):192-7.

Bakris G, Dickholtz M Sr, Meyer PM, et al., Atlas vertebra realignment and achievement of arterial pressure goal in hypertensive patients: a pilot study. J Hum Hypertens. 2007;21(5):347-52.

Balon JW, Mior SA. Chiropractic care in asthma and allergy. Ann Allergy Asthma Immunol. 2004;93(2 Suppl 1):S55-60.

Beyerman KL, Palmerino MB, Zohn LE, Kane GM, Foster KA. Efficacy of treating low back pain and dysfunction secondary to osteoarthritis: chiropractic care compared with moist heat alone. J Manipulative Physiol Ther. 2006;29(2):107-14.

Davis MA, Sirovich BE, Weeks WB. Utilization and expenditures on chiropractice care in the United States from 1997 to 2006. Health Serv Res. 2010;45(3):748-61.

DeVocht JW. History and overview of theories and methods of chiropractic: a counterpoint. Clin Orthop Relat Res. 2006;444:243-9.

Erfanian P, Tenzif S, Guerriero RC. Assessing effects of a semi-customized experimental cervical pillow on symptomatic adults with chronic neck pain with and without headache. JCCA J Can Chiropr Assoc. 2004;48(1):20-8.

Ernst E. Chiropractic manipulation for non-spinal pain--a systematic review. N Z Med J. 2003;116(1179):U539.

Ernst E. Chiropractic spinal manipulation for infant colic: a systematic review of randomised clinical trials. Int J Clin Pract. 2009 Sep;63(9):1351-3.

Ernst E. Chiropractic treatment for fibromyalgia: a systematic review. Clin Rheumatol. 2009 Oct;28(10):1175-8.

Fernandez-de-las-Penas C, Alonso-Blanco C, San-Roman J, Miangolarra-Page JC. Methodological quality of randomized controlled trials of spinal manipulation and mobilization in tension-type headache, migraine, and cervicogenic headache. J Orthop Sports Phys Ther. 2006;36(3):160-9.

Haavik-Taylor H, Murphy B. Cervical spine manipulation alters sensorimotor integration: a somatosensory evoked potential study. Clin Neurophysiol. 2007;118(2):391-402.

Haneline MT. Chiropractic manipulation and acute neck pain: a review of the evidence. J Manipulative Physiol Ther. 2005;28(7):520-5.

Hawk C, Cambron J. Chiropractic care for older adults: effects on balance, dizziness, and chronic pain. J Manipulative Physiol Ther. 2009 Jul-Aug;32(6):431-7.

Hawk C, Khorsan R, Lisi AJ, Ferrance RJ, Evans MW. Chiropractic care for nonmusculoskeletal conditions: a systematic review with implications for whole systems research. J Altern Complement Med. 2007;13(5):491-512.

Hawk C, Rupert RL, Colonvega M, Boyd J, Hall S. Comparison of bioenergetic synchronization technique and customary chiropractic care for older adults with chronic musculoskeletal pain. J Manipulative PhysiolTher. 2006;29(7):540-9.

Hertzman-Miller RP, Morgenstern H, Hurwitz EL, et al. Comparing the satisfaction of low back pain patients randomized to receive medical or chiropractic care: results from the UCLA low back pain study. Am J Public Health. 2002;92(10):1628-1633.

Hoskins W, McHardy A, Pollard H, Windsham R, Onley R. Chiropractic treatment of lower extremity conditions: a literature review. J Manipulative Physiol Ther. 2006;29(8):658-71.

Hurwitz EL, Morgenstern H, Harber P, et al. A randomized trial of medical care with and without physical therapy and chiropractic care with and without physical modalities for patients with low back pain: 6 month follow-up outcomes from the UCLA low back pain study. Spine. 2002;27(20):2193-2204.

Hurwitz EL, Morgenstern H, Harber P, Kominski GF, Yu F, Adams AH. A randomized trial of chiropractic manipulation and mobilization for patients with neck pain: clinical outcomes from the UCLA neck-pain study. Am J Public Health. 2002;92(10):1634-1641.

Hurwitz EL, Morgenstern H, Kominski GF, Yu F, Chiang LM. A randomized trial of chiropractic and medical care for patients with low back pain: eighteen-month follow-up outcomes from the UCLA low back pain study.Spine. 2006;31(6):611-21; discussion 622.

Leaver AM, Refshauge KM, Maher CG, Latimer J, Herbert RD, Jull G, McAuley JH. Efficacy of manipulation for non-specific neck pain of recent onset: design of a randomised controlled trial. BMC Musculoskelet Disord. 2007;8:18.

Lenssinck ML, Damen L, Verhagen AP, et al., The effectiveness of physiotherapy and manipulation in patients with tension-type headache: a systematic review. Pain. 2004;112(3):381-8.

Meeker WC, Haldeman S. Chiropractic: a profession at the crossroads of mainstream and alternative medicine. Ann Intern Med. 2002;136(3):216-227.

Proctor ML, Hing W, Johnson TC, Murphy PA. Spinal manipulation for primary and secondary dysmenorrhoea. Cochrane Database Syst Rev. 2006;3:CD002119.

Radpasand M, Owens E. Combined multimodal therapies for chronic tennis elbow: pilot study to test protocols for a randomized clinical trial. J Manipulative Physiol Ther. 2009 Sep;32(7):571-85.

Ricotti V, Delanty N. Use of complementary and alternative medicine in epilepsy. Curr Neurol Neurosci Rep. 2006;6(4):347-53.

Rowe DE, Feise RJ, Crowther ER, et al., Chiropractic manipulation in adolescent idiopathic scoliosis: a pilot study. Chiropr Osteopat. 2006;14:15.

Santilli V, Beghi E, Finucci S. Chiropractic manipulation in the treatment of acute back pain and sciatica with disc protrusion: a randomized double-blind clinical trial of active and simulated spinal manipulations. Spine J. 2006;6(2):131-7.

Shearar KA, Colloca CJ, White HL. A randomized clinical trial of manual versus mechanical force manipulation in the treatment of sacroiliac joint syndrome. J Manipulative Physiol Ther. 2005;28(7):493-501.

Smith DL, Dainoff MJ, Smith JP. The effect of chiropractic adjustments on movement time: a pilot study using Fitts Law. J Manipulative Physiol Ther. 2006;29(4):257-66.

Stuber KJ. Specificity, sensitivity, and predictive values of clinical tests of the sacroiliac joint: a systematic review of the literature. JCCA J Can Chiropr Assoc. 2007;51(1):30-41.

Stuber K, Sajko S, Kristmanson K. Chiropractic treatment of lumbar spinal stenosis: a review of the literature. J Chiropr Med. 2009 Jun;8(2):77-85.

Tindle HA, Davis RB, Phillips RS, Eisenberg DM. Trends in use of complementary and alternative medicine by US adults: 1997-2002. Altern Ther Health Med. 2005;11(1):42-9.

Verhagen AP, Karels C, Bierma-Zeinstra SM, et al., Ergonomic and physiotherapeutic interventions for treating work-related complaints of the arm, neck or shoulder in adults. Cochrane Database Syst Rev. 2006;3:CD003471.

Vohra S, Johnston BC, Cramer K, Humphreys K. Adverse events associated with pediatric spinal manipulation: a systematic review. Pediatrics. 2007;119(1):e275-83.

comentários

  • Naturopatia

    Especialidade de saúde com terapias e métodos naturais para o bom funcionamento do organismo e prevenção.

  • Osteopatia

    Técnicas manuais que estimulam as articulações e a capacidade de recuperação do corpo sem medicamentos e cirurgias.

  • Técnicas de Relaxamento

    Métodos que auxiliam o relaxamento muscular, nervoso e mental para equilíbrio e tranquilidade.