MEDICINA ALTERNATIVA

10/07/2014 10:02 - Atualizado em 22/07/2014 19:05

Hipnoterapia

Hipnose praticada por médicos na investigação de problemas de saúde em outros estados de consciência.

POR

A.D.A.M.

  • +A
  • -A

O que é hipnoterapia?

O termo "hipnose" vem da palavra grega hypnos, que significa "dormir". Hipnoterapeutas usam exercícios que trazem relaxamento profundo e um estado alterado de consciência, também conhecido como transe. Uma pessoa em um estado de foco profundo é extraordinariamente sensível a ideias ou imagens, mas isso não significa que o hipnotizador possa controlar a mente e o livre arbítrio da pessoa. Ao contrário, a hipnose pode de fato ensinar a pessoa a controlar seu próprio estado de consciência. Ao fazê-lo, elas podem afetar suas próprias funções corporais e respostas psicológicas.

Qual é a história da hipnose?

Através da história, os estados de transe foram usados pelos xamãs e povos antigos em rituais e cerimônias religiosas. Mas a hipnose como a conhecemos hoje foi primeiro associada ao trabalho de um médico Austríaco chamado Franz Anton Mesmer. Nos anos de 1700, Mesmer acreditava que as doenças eram causadas pelo desequilíbrio de fluidos magnéticos no corpo. Ele usava ímãs e outras técnicas hipnóticas (a palavra "mesmerizar" vem do seu nome) para tratar as pessoas. Mas a comunidade médica não estava convencida. Mesmer foi acusado de fraude, e suas técnicas foram chamadas de anticientíficas.

A hipnoterapia ganhou novamente popularidade em meados dos anos de 1900, devido a Milton H. Erickson (1901 - 1980), um psiquiatra bem-sucedido que usava hipnose em suas práticas. Em 1958, tanto a Associação Médica Americana quanto a Associação Psicológica Americana reconheceram a hipnoterapia como um procedimento médico válido. Desde 1995, o Instituto Nacional de Saúde (NIH) tem recomendado a hipnoterapia como tratamento para doença crônica.

Outras condições para a qual a hipnoterapia é usada com frequência são ansiedade e vício. (Ver "Quais doenças ou condições respondem bem à hipnoterapia?")

Você sofre de Estresse e Ansiedade? Faça o teste e veja em que nível está. 

Como a hipnose funciona?

Quando algo acontece conosco, nós lembramos disso e aprendemos algum comportamento em particular em resposta ao que aconteceu. Toda vez que algo similar acontece, nossas reações físicas e emocionais ligadas à memória se repetem. Em alguns casos, essas reações não são saudáveis. Em algumas formas de hipnoterapia, um terapeuta treinado o guia a se lembrar do evento que causou a primeira reação, separado da memória do comportamento aprendido, e substitui comportamentos insalubres com novos comportamentos saudáveis.

Durante a hipnose, o seu corpo relaxa e seus pensamentos se tornam mais focados. Como outras técnicas de relaxamento, a hipnose diminui a pressão arterial, a frequência cardíaca e altera alguns tipos de atividades cerebrais. Nesse estado de relaxamento, você sente-se à vontade fisicamente, mas ainda está completamente desperto mentalmente, e pode ficar altamente sensível a sugestões. Sua mente consciente torna-se menos alerta e sua mente inconsciente, mais focada. Algumas pessoas respondem melhor a sugestões hipnóticas que outras.

Há vários estágios de hipnose:

  • Reformulando o problema
  • Tornando-se mais relaxado (profundamente engajado nas imagens e palavras apresentadas pelo hipnoterapeuta)
  • Dissociando (deixando de lado os pensamentos críticos)
  • Respondendo (obedecendo às sugestões do hipnoterapeuta)
  • Voltando à consciência normal
  • Refletindo sobre a experiência

O que acontece em uma visita ao hipnoterapeuta?

Durante sua primeira visita, você será perguntado sobre seu histórico médico e o que o levou até ali, de qual condição você gostaria de tratar. O hipnoterapeuta pode lhe explicar o que é a hipnose e como funciona. Você então será guiado através de técnicas de relaxamento, usando uma série de imagens mentais e sugestões destinadas a mudar comportamentos e aliviar sintomas. Por exemplo, pode-se sugerir a pessoas que têm ataques de pânico que, no futuro, elas serão capazes de relaxar sempre que quiserem. O hipnoterapeuta também lhe ensinará o básico sobre a auto-hipnose e lhe dará uma fita de áudio para usar em casa, de forma que você possa reforçar o que aprendeu durante a sessão.

De quantos tratamentos eu vou precisar?

Cada sessão dura em torno de uma hora, e a maioria das pessoas começam a notar os resultados dentro de 4 a 10 sessões. Você e seu hipnoterapeuta irão monitorar e avaliar seu progresso ao longo do tempo. Crianças (entre 9 e 12 anos) são facilmente hipnotizáveis e podem responder após apenas 1 ou 2 visitas.

Quais doenças ou condições respondem bem à hipnose?

A hipnose é usada em uma variedade de locais de salas de emergência, consultórios odontológicos a clínicas ambulatoriais. Estudos clínicos sugerem que a hipnose pode melhorar a função imunológica, aumentar o relaxamento, diminuir o estresse e aliviar a dor e sentimentos de ansiedade.

A hipnoterapia pode reduzir o medo e a ansiedade que algumas pessoas sentem antes de procedimentos médicos ou odontológicos. Por exemplo, estudos mostram que os pacientes odontológicos que passaram por hipnose desenvolveram uma tolerância significativamente maior à dor que aqueles que não foram hipnotizados. A hipnose também pode melhorar o tempo de recuperação e reduzir a ansiedade e dor após uma cirurgia. Testes clínicos em pacientes com queimaduras sugerem que a hipnose diminui a dor (o suficiente para substituir a medicação contra a dor) e acelera a cura. Em geral, os estudos clínicos mostram que o uso da hipnose pode reduzir a necessidade por medicação, melhorar suas condições mentais e físicas antes de uma operação, e reduzir o tempo para a recuperação. Os dentistas também usam a hipnoterapia para controlar engasgos e sangramentos.

Um hipnoterapeuta pode lhe ensinar habilidades de autorregulação. Por exemplo, alguém com artrite pode aprender a diminuir sua dor como se estivesse diminuindo o volume do rádio. A hipnoterapia também pode ser usada para ajudar a aliviar doenças crônicas. A auto-hipnose pode melhorar o sentido de controle, que geralmente falta a alguém com doença crônica.

Estudos clínicos com crianças em centros de tratamento de emergência mostram que a hipnoterapia reduz o medo, ansiedade e desconforto.

Outros problemas ou condições que podem responder à hipnoterapia incluem:

  • Síndrome do intestino irritável
  • Dores de cabeça tensionais
  • Alopecia areata
  • Asma
  • Fobias
  • Insônia
  • Vícios
  • Incontinência urinária
  • Fibromialgia
  • Fobias
  • Trabalho de parto
  • Doenças da pele [como acne, psoríase, e eczema (dermatite atópica)]
  • Estresse
  • Zumbido nos ouvidos
  • Dor relacionada a câncer
  • Perda de peso
  • Transtornos alimentares
  • Verrugas
  • Indigestão (dispepsia)

Existem riscos associados à hipnoterapia?

Antes de considerar a hipnoterapia, você precisa de um diagnóstico de seu médico para saber o que precisa ser tratado. Isso é válido especialmente se a sua condição for psicológica (por exemplo, uma fobia ou ansiedade), e você deve ser avaliado por um psiquiatra. Sem um diagnóstico preciso, a hipnoterapia pode tornar seus sintomas piores. Muito raramente, a hipnoterapia leva ao desenvolvimento de "memórias falsas" feitas pela mente inconsciente; estas são chamadas de confabulações.

Você conhece o Vivo Bem-estar? O serviço que ajuda a melhorar sua vida cotidiana com ferramentas e conselhos práticos.

Accardi MC, Milling LS. The effectiveness of hypnosis for reducing procedure-related pain in children and adolescents: a comprehensive methodological review. J Behav Med. 2009 Aug;32(4):328-39.

Alladin A, Alibhai A. Cognitive hypnotherapy for depression: an empirical investigation. IntJ Clin Exp Hypn. 2007;55(2):147-66.

Araoz D. Hypnosis in human sexuality problems. Am J Clin Hypn. 2005;47(4):229-42.

Bisson J, Andrew M. Psychological treatment of post-traumatic stress disorder (PTSD). Cochrane Database Syst Rev. 2007;(3):CD003388.

Brown D. Evidence-based hypnotherapy for asthma: a critical review. Int J Clin Exp Hypn. 2007;55(2):220-49.

Brown DC, Hammond DC. Evidence-based clinical hypnosis for obstetrics, labor and delivery, and preterm labor. Int J Clin Exp Hypn. 2007;55(3):355-71.

Casiglia E, Schiavon L, Tikhonoff V, et al. Hypnosis prevents the cardiovascular response to cold pressor test. Am J Clin Hypn. 2007;49(4):255-66.

Derbyshire SW, Whalley MG, Oakley DA. Fibromyalgia pain and its modulation by hypnotic and non-hypnotic suggestion: an fMRI analysis. Eur J Pain. 2009 May;13(5):542-50.

Emami MH, Gholamrezaei A, Daneshgar H. Hypnotherapy as an adjuvant for the management of inflammatory bowel disease: a case report. Am J Clin Hypn. 2009 Jan;51(3):255-62.

Facco E, Casiglia E, Masiero S, Tikhonoff V, Giacomello M, Zanette G. Effects of hypnotic focused analgesia on dental pain threshold. Int J Clin Exp Hypn. 2011;59(4):454-68.

Flammer E, Alladin A. The efficacy of hypnotherapy in the treatment of psychosomatic disorders: meta-analytical evidence. Int J Clin Exp Hypn. 2007;55(3):251-74.

Graci GM, Hardie JC. Evidenced-based hypnotherapy for the management of sleep disorders. Int J Clin Exp Hypn. 2007;55(3):288-302.

Jensen M, Patterson DR. Hypnotic treatment of chronic pain. J Behav Med. 2006;29(1):95-124.

Kohen DP, Zajac R. Self-hypnosis training for headaches in children and adolescents. J Pediatr. 2007;150(6):635-9.

Lew MW, Kravits K, Garberoglio C, Williams AC. Use of preoperative hypnosis to reduce postoperative pain and aneshesia-related side effects. Int J Clin Exp Hypn. 2011;59(4):406-23.

Lynn SJ, Cardena E. Hypnosis and the treatment of posttraumatic conditions: an evidence-based approach. Int J Clin Exp Hypn. 2007;55(2):167-88.

Miller V, Whorwell PJ. Hypnotherapy for functional gastrointestinal disorders: a review. Int J Clin Exp Hypn. 2009 Jul;57(3):279-92.

Nash MR. Salient findings: A potentially groundbreaking study on the neuroscience of hypnotizability, a critical review of hypnosis'''' efficacy, and the neurophysiology of conversion disorder. Int J Clin Exp Hypn. 2005;53(1):87-93.

Neron S, Stephenson R. Effectiveness of hypnotherapy with cancer patients'''' trajectory: emesis, acute pain, and analgesia and anxiolysis in procedures. Int J Clin Exp Hypn. 2007;55(3):336-54.

Page RA, Green JP. An update on age, hypnotic suggestibility, and gender: a brief report. Am J Clin Hypn. 2007;49(4):283-7.

Patterson DR, Wiechman SA, Jensen M, Sharar SR. Hypnosis delivered through immersive virtual reality for burn pain: A clinical case series. Int J Clin Exp Hypn. 2006;54(2):130-42.

Porter LS, Keefe FJ. Pyschosocial issues in cancer pain. Curr Pain Headache Rep. 2011;15(4):263-70.

Saadat H, Kain ZN. Hypnosis as a therapeutic tool in pediatrics. Pediatrics. 2007;120(1):179-81.

Shen YH, Nahas R. Complementary and alternative medicine for treatment of irritable bowel syndrome. Can Fam Physician. 2009 Feb;55(2):143-8. Review.

Stern. Stern: Massachusetts General Hospital Comprehensive Clinical Psychiatry, 1st ed. Philadelphi, PA: Mosby, An Imprint of Elsevier. 2008.

Stewart JH. Hypnosis in contemporary medicine. Mayo Clin Proc. 2005;80(4):511-24.

Thornberry T, Schaeffer J, Wright PD, Haley MC, Kirsh KL. An exploration of the utility of hypnosis in pain management among rural pain patients. Palliat Support Care. 2007;5(2):147-52.

Valente SM. Hypnosis for pain management. J PsychosocNurs Ment Health Serv. 2006;44(2):22-30.

Whitehead WE. Hypnosis for irritable bowel syndrome: the empirical evidence of therapeutic effects. Int J Clin Exp Hypn. 2006;54(1):7-20.

Wobst AH. Hypnosis and surgery: past, present, and future. Anesth Analg. 2007;104(5):1199-208.

comentários

  • Naturopatia

    Especialidade de saúde com terapias e métodos naturais para o bom funcionamento do organismo e prevenção.

  • Osteopatia

    Técnicas manuais que estimulam as articulações e a capacidade de recuperação do corpo sem medicamentos e cirurgias.

  • Técnicas de Relaxamento

    Métodos que auxiliam o relaxamento muscular, nervoso e mental para equilíbrio e tranquilidade.