{ang{ nome }ang}

10/07/2014 10:02 - Atualizado em 22/07/2014 19:05

Nutrição


POR

A.D.A.M.

  • +A
  • -A

Visão geral

O que é nutrição clínica?

A nutrição clínica é o estudo da relação entre a alimentação e um corpo saudável. Mais especificamente, é a ciência dos nutrientes e como são digeridos, absorvidos, transportados, metabolizados, armazenados e eliminados pelo corpo. Além de estudar como os alimentos funcionam no corpo, os nutricionistas estão interessados em saber como o ambiente afeta a qualidade e a segurança dos alimentos, e qual a influência que esses fatores tem sobre a saúde e sobre doenças.

O que são nutrientes?

Os nutrientes são substâncias de que o corpo precisa para viver e crescer. O corpo necessita de mais de 45 nutrientes, e a maneira como são usados são tão diferentes quanto as moléculas, células e tecidos que ajudam a criar. Carboidratos, proteínas e gordura, chamados de macronutrientes, são quebrados (metabolizados) para fornecer energia. Vitaminas e minerais, chamados micronutrientes, não são utilizados propriamente para gerar energia, mas são necessários para ajudar os macronutrientes a serem usados para energia.

Qual a história da nutrição clínica?

O estudo da nutrição data do século XVIII, quando o químico francês Lavoisier descobriu a relação entre o nosso metabolismo dos alimentos e o processo respiratório. No início do século XX, cientistas descobriram que as doenças, como a beri beri, raquitismo, escorbuto e pelagra, eram associadas a certas dietas. Em 1912, o químico polonês Casimir Funk descobriu que uma substância (vitamina B1) de fato evitava a beri beri, e a chamou de "vitamina". Mais tarde, descobriu-se que essas doenças eram causadas pela falta de nutrientes específicos, vitamina B1 (tiamina), vitamina D, vitamina C e vitamina B3 (niacina) respectivamente.

No início dos anos 1940, o Conselho de Pesquisa Nacional definiu a Recomendação Nutricional (RDA).

Pesquisadores e cientistas continuam a descobrir mais sobre como nutrientes individuais podem ajudar na prevenção e tratamento de doenças. Mas também estão aprendendo como alimentos inteiros permitem que os nutrientes trabalhem juntos. Por exemplo, antioxidantes como betacaroteno, selênio, vitamina E e vitamina C, quando consumidos em alimentos, parecem proteger contra o desenvolvimento de doenças cardíacas, câncer e outras doenças degenerativas crônicas.

As antigas RDAs foram substituídas pela Ingestão Diária Recomenda (IDR), que mostra a quantidade de nutrientes que precisamos todos os dias para maximizar a saúde e diminuir o risco de doenças crônicas (em contraste as RDAs, que listavam a quantidade mínima necessária para evitar deficiências). O campo da nutrição clínica está sendo cada vez mais incorporado à corrente principal de tratamentos médicos.

O que são os suplementos nutricionais?

O termo "suplementos nutricionais" se refere a vitaminas, minerais e outros nutrientes que são usados para manutenção de uma boa saúde e no tratamento de doenças. Por exemplo, compostos de plantas conhecidos como fitoquímicos (encontrados em tomates e soja) possuem propriedades poderosas no combate a doenças. Embora seja melhor obter nutrientes através dos alimentos que você ingere, às vezes os suplementos podem ajudar. Por exemplo, tem sido relatado que a ingestão de suplementos de zinco reduz a duração do resfriado comum e a incidência de diarreia aguda em crianças.

Como as vitaminas e os minerais funcionam?

Vitaminas e minerais desempenham um papel essencial no metabolismo, crescimento e desenvolvimento do corpo. Por exemplo, ainda que uma vitamina não seja fonte de energia, ela pode fornecer a chave que o corpo precisa para liberar a energia armazenada nos alimentos. Algumas vitaminas e minerais trabalham juntos, como o zinco, mineral e a vitamina A. O zinco permite que o corpo use a vitamina A para promover uma boa visão. A falta de vitamina A pode levar a cegueira noturna, uma doença na qual os olhos têm problema em se ajustar á escuridão. Os suplementos de zinco podem auxiliar na prevenção dessa doença ao ajudar o corpo a usar vitamina A. Um outro exemplo é o cálcio e a vitamina D. O cálcio, muito importante para a integridade dos ossos e do coração, é absorvido mais rapidamente se a vitamina D estiver presente.

Contudo, a ingestão de suplementos não é a solução para uma saúde a longo prazo. Em vez disso, a melhor aposta para um estilo de vida saudável é combinar uma dieta saudável com exercícios regulares e uma atitude mental positiva.

Em que constitui uma dieta saudável?

O prato de comida do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) sugere que usemos gordura "com moderação", e que nossa dieta inclua de 2 a 3 porções de produtos lácteos, 2 a 3 porções de carne, aves, peixes, ovos, leguminosas ou nozes; 3 a 5 porções de verduras; 2 a 4 porções de frutas; e 6 a 11 porções de pães, cereais, arroz e massa. Mas apenas os números não contam a história completa. Nossas necessidades alimentícias são influenciadas por muitos fatores, incluindo idade, sexo, tamanho corporal, gravidez e saúde. Um nutricionista clínico ou nutrólogo pode ajudá-lo a determinar que tipo de dieta é melhor para você. Não importa o motivo, você pode melhorar sua dieta adicionando frutas e verduras e diminuindo os alimentos industrializados e açúcar.

O que acontece durante uma visita a um nutricionista clínico?

Primeiro, o nutricionista irá lhe perguntar sobre seu histórico médico, histórico familiar e estilo de vida. O histórico médico pode incluir perguntas sobre sua dieta, digestão, histórico de perda e ganho de peso, padrões de sono, exercícios e hábitos de relaxamento. Alguns nutricionistas irão lhe pedir que traga um diário alimentar de 3 dias e uma lista de ervas, suplementos ou remédios que você tome regularmente. Testes laboratoriais podem ser usados para descobrir se você possui deficiência em algum nutriente e para testar a função do seu órgão. Dessa forma, um nutricionista irá obter uma imagem completa de seu estilo de vida nutricional.

Durante a segunda parte da visita, o nutricionista irá sugerir maneiras com as quais você pode preencher deficiências e reduzir a "sobrecarga" nutricional em sua dieta. Por exemplo, seu nutricionista pode sugerir que você ingira refeições em horas diferentes ou reduza a quantidade de carboidratos que você come. O nutricionista também irá aconselhar sobre suplementos nutricionais específicos, se necessário (ver abaixo). Então, o nutricionista irá agendar visitas de acompanhamento para monitorar sua saúde.

Qual o benefício da nutrição clínica?

Estudos mostram que os hábitos alimentares desempenham um papel fundamental no desenvolvimento de certas doenças crônicas, incluindo doenças cardíacas, obesidade, câncer e diabetes. Mudanças em sua dieta podem ajudar na prevenção e tratamento dessas doenças. Por exemplo, reduzir certas gorduras e o colesterol e a adição de grãos integrais a sua dieta pode ajudar na prevenção de aterosclerose (acúmulo de placas nas artérias), o que pode levar a doenças cardíacas e derrame. Comer menos calorias irá lhe ajudar a perder peso. Reduzir açúcares simples (glicose, sacarose, frutose e lactose) pode ajudar na prevenção de diabetes e dietas ricas em fibra (especialmente fibras solúveis) pode ajudar no controle da diabetes.

Cientistas descobriram muitas outras conexões entre a dieta e doenças. Em um estudo clínico com 20.000 homens, por exemplo, a ingestão de uma refeição de peixes por semana foi ligada a uma redução de 52% do risco de morte súbita por ataque cardíaco. Peixes são ricos em ácidos graxos ômega 3, que protegem o coração contra arritmia fatal (ritmos cardíacos anormais).

Em outro estudo clínico com mais de 42.000 mulheres, aquelas que comiam bastante frutas, grãos integrais, leite desnatado e apenas carne magra viveram por mais tempo. A alta ingestão de frutas, verduras e legumes está associada a um risco menor de desenvolvimento de doença cardíaca.

Existem muitos estudos em andamento relacionado á nutrição clínica. Alguns resultados interessantes mostram que

  • Dietas ricas em folato (encontrado em folhas verdes, grãos secos e ervilhas, cereais fortificados e produtos de grãos, e algumas frutas e vegetais) podem reduzir o risco de derrame e doenças cardíacas.
  • Comer pequenas quantidades de peixe durante a gravidez pode proteger contra um parto prematuro e bebês com peso baixo. Alguns peixes podem conter grandes quantidades de mercúrio, e só devem ser consumidos moderadamente. Pergunte a um obstetra quais tipos de peixes são melhores para você quando está grávida. A ingestão de suplementos de ferro melhora a habilidade no treinamento aeróbico em mulheres com deficiência de ferro.
  • A presença de luteína zeaxantina (carotenoides) na dieta pode reduzir o risco de cataratas.
  • A luteína de fontes dietéticas (como couve e espinafre) pode proteger contra câncer do colo.
  • Flavonoides (encontrados em maçãs, mirtilos, brócolis, repolho, cenouras, frutas cítricas, cebolas e chás) podem proteger contra o câncer.
  • Ácidos graxos ômega 3 encontrados em peixes de água fria (como arenque, atum e salmão) ajudam a reduzir inflamações e a evitar certas doenças crônicas, como doenças cardíacas, câncer e artrite.
  • Vitamina E (em dietas com frutas e verduras) pode reduzir o risco de angina (dores no peito) e ataque cardíaco em pessoas com aterosclerose.
  • Uma taxa mais alta de sódio para potássio é associada a um risco maior de doença cardíaca.

Em hospitais, a nutrição é usada para melhorar a saúde geral de pacientes com uma grande variedade de doenças. Exemplo dessas doenças são AIDS, câncer, osteoporose, doença pulmonar, obesidade, queimaduras, transtornos metabólicos e transtornos renais, hepáticos e pancreáticos. Pacientes que precisam de cirurgia também são auxiliados pela nutrição clínica.

Existe alguma coisa com a qual devo estar atento?

Alguns suplementos nutricionais podem interagir com medicações. É muito importante relatar ao seu médico sobre qualquer suplementos nutricional que você considere tomar. Sempre tome suplementos de acordo com as orientações da bula, salvo recomendado em contrário por um profissional da saúde qualificado.

Apesar de sua crescente popularidade no mercado, existem poucas informações científicas sobre o efeito dos alimentos funcionais, alimentos aos quais são adicionados vitaminas, minerais, ervas ou outras substâncias dietéticas. Exemplos incluem suco de laranja fortificado com cálcio ou lanches contendo echinacea.

Alguns alimentos comuns, incluindo nozes, glúten de trigo, produtos lácteos, peixe, camarão, soja, bananas e ovos podem causar reações alérgicas. Seu médico pode realizar exames para possíveis alergias caso suspeite que você possua alguma.

Especialistas em muitos sistemas de saúde alternativos (incluindo Medicina Tradicional Chinesa, Ayurveda e naturopatia) também consideram a alimentação uma parte vital na prevenção e tratamento de doença.

Referências

Albert CM, Hennekens CH, O''''Donnell CJ, et al. Fish consumption and risk of sudden cardiac death. JAMA. 1998;279(1):23-28.

Bazzano LA, He J, Ogden LG, et al. Dietary intake of folate and risk of stroke in US men and women: NHANES I Epidemiologic Follow-up Study. National Health and Nutrition Examination Survey. Stroke. 2002;33:1183-1189.

Bazzano LA, He J, Ogden LG, et al. Fruit and vegetable intake and risk of cardiovascular disease in US adults: the first National Health and Nutrition Examination Survey Epidemiologic Follow-up Study. Am J Clin Nutr. 2002;76(1):93-99.

Bosetti C, Pelucchi C, La Vecchia C. Diet and cancer in Mediterranean countries: carbohydrates and fats. Public Health Nutr. 2009 Sep;12(9A):1595-600.

Bogers RP, Dagnelie PC, Bast A, van Leeuwen M, van Klaveren JD, van den Brandt PA. Effect of increased vegetable and fruit consumption on plasma folate and homocysteine concentrations. Nutrition. 2007;23(2):97-102.

Burke V, Beilin LJ, Cutt HE, Mansour J, Williams A, Mori TA. A lifestyle program for treated hypertensives improved health-related behaviors and cardiovascular risk factors, a randomized controlled trial. J Clin Epidemiol. 2007;60(2):133-41.

Cook RF, Billings DW, Hersch RK, Back AS, Hendrickson A. A field test of a web-based workplace health promotion program to improve dietary practices, reduce stress, and increase physical activity: randomized controlled trial. J Med Internet Res. 2007;9(2):e17.

Dauncey MJ. New insights into nutrition and cognitive neuroscience. Proc Nutr Soc. 2009 Aug 24:1-8.

De Lorgeril M. Essential polyunsaturated fatty acids, inflammation, atherosclerosis and cardiovascular diseases. Subcell Biochem. 2007;42:283-97.

Demark-Wahnefried W, Clipp EC, Lipkus IM, et al. Main outcomes of the FRESH START trial: a sequentially tailored, diet and exercise mailed print intervention among breast and prostate cancer survivors. J Clin Oncol. 2007;25(19):2709-18.

Greenwald P, Anderson D, Nelson SA, Taylor PR. Clinical trials of vitamin and mineral supplements for cancer prevention. Am J Clin Nutr. 2007;85(1):314S-317S.

Hill AM, Fleming JA, Kris-Etherton PM. The role of diet and nutritional supplements in preventing and treating cardiovascular disease. Curr Opin Cardiol. 2009 Sep;24(5):433-41.

Kant AK , Schatzkin A, Graubard BI, Schairer C. A prospective study of diet quality and mortality in women. JAMA. 2000;283(16):2109-2115.

Kiefer I, Prock P, Lawrence C, Wise J, Bieger W, Bayer P, Rathmanner T, Kunze M, Rieder A. Supplementation with mixed fruit and vegetable juice concentrates increased serum antioxidants and folate in healthy adults. J Am Coll Nutr. 2004 Jun;23(3):205-11.

Kilbourne AM, Rofey DL, McCarthy JF, et al. Nutrition and exercise behavior among patients with bipolar disorder.Bipolar Disord. 2007;9(5):443-52.

King JC; Dietary Guidelines Advisory Committee. An evidence-based approach for establishing dietary guidelines. J Nutr. 2007;137(2):480-3.

Kuller LH, Kinzel LS, Pettee KK, Kriska AM, Simkin-Silverman LR, Conroy MB, Averbach F, Pappert WS, Johnson BD. Lifestyle intervention and coronary heart disease risk factor changes over 18 months in postmenopausal women: the Women On the Move through Activity and Nutrition (WOMAN study) clinical trial. J Womens Health (Larchmt). 2006;15(8):962-74.

Ledikwe JH, Rolls BJ, Smiciklas-Wright H, et al. Reductions in dietary energy density are associated with weight loss in overweight and obese participants in the PREMIER trial. Am J Clin Nutr. 2007;85(5):1212-21.

Mann J, McAuley K. Carbohydrates: is the advice to eat less justified for diabetes and cardiovascular health? Curr Opin Lipidol. 2007;18(1):9-12.

McCarthy WJ, Yancey AK, Harrison GG, Leslie J, Siegel JM. Fighting cancer with fitness: dietary outcomes of a randomized, controlled lifestyle change intervention in healthy African-American women. Prev Med. 2007;44(3):246-53.

Mead A, Atkinson G, Albin D, et al. UK Heart Health Group; Thoracic Dietitians Interest Group (Specialist group of the British Dietetic Association). Dietetic guidelines on food and nutrition in the secondary prevention of cardiovascular disease - evidence from systematic reviews of randomized controlled trials (second update, January 2006).? J Hum Nutr Diet. 2006;19(6):401-19.

Mozaffarian D, Rimm EB. Fish intake, contaminants, and human health: evaluating the risks and the benefits. JAMA. 2006;296(15):1885-99.

Munoz Garcia M, Perez Menendez-Conde C, Bermejo Viecedo T. Advances in the knowledge of the use of micronutrients in artificial nutrition. Nutr Hosp. 2011;26(1):37-47.

Pérez-López FR, Chedraui P, Haya J, Cuadros JL. Effects of the Mediterranean diet on longevity and age-related morbid conditions. Maturitas. 2009 Aug 31. [Epub ahead of print]

Piirainen T, Isolauri E, Lagstrom H, Laitinen K. Impact of dietary counseling on nutrient intake during pregnancy: a prospective cohort study. Br J Nutr. 2006;96(6):1095-104.

Raviv S, Smith LJ. Diet and asthma. Curr Opin Pulm Med. 2009 Sep 4. [Epub ahead of print]

Razquin C, Martinez JA, Martinez-Gonzalez MA, Mitjavila MT, Estruch R, Marti A. A 3 years follow-up of a Mediterranean diet rich in virgin olive oil is associated with high plasma antioxidant capacity and reduced body weight gain. Eur J Clin Nutr. 2009 Aug 26. [Epub ahead of print]

Sazawal S, Dhingra U, Deb S, Bhan MK, Menon VP, Black RE. Effect of zinc added to multi-vitamin supplementation containing low-dose vitamin A on plasma retinol level in children -- a double-blind randomized, controlled trial. J Health Popul Nutr. 2007;25(1):62-6.

Song Y, Sesso HD, Manson JE, Cook NR, Buring JE, Liu S. Dietary magnesium intake and risk of incident hypertension among middle-aged and older US women in a 10-year follow-up study. Am J Cardiol. 2006;98(12):1616-21.

Soriguer F, Almaraz MC, García-Almeida JM, et al. Intake and home use of olive oil or mixed oils in relation to healthy lifestyles in a Mediterranean population. Findings from the prospective Pizarra study. Br J Nutr. 2009 Sep 14:1-9. [Epub ahead of print]

Swanenburg J, de Bruin ED, Stauffacher M, Mulder T, Uebelhart D. Effects of exercise and nutrition on postural balance and risk of falling in elderly people with decreased bone mineral density: randomized controlled trial pilot study. Clin Rehabil. 2007;21(6):523-34.

Timms L. Effect of nutrition on wound healing in older people: a case study. Br J Nurs. 2011;20(11):S4-10.

Villareal DT, Miller BV 3rd, Banks M, Fontana L, Sinacore DR, Klein S. Effect of lifestyle intervention on metabolic coronary heart disease risk factors in obese older adults. Am J Clin Nutr. 2006;84(6):1317-23.

Wolf AM, Siadaty M, Yaeger B, Conaway MR, et al. Effects of Lifestyle Intervention on Health Care Costs: Improving Control with Activity and Nutrition (ICAN). J Am Diet Assoc. 2007;107(8):1365-73.

Yang Q, Liu T, Kiklina EV, et al. Sodium and potassium intake and mortality among US adults: prospective data from the Third National Health and Nutrition Examination Survey. Arch Intern Med. 2011;171(13):1183-91.

Yates AA, Schlicker SA, Suitor CW. Dietary Reference Intakes: the new basis for recommendations for calcium and related nutrients, B vitamins, and choline. J Am Diet Assoc. 1998:98(6):699-706.

Yoon SS, Carroll MD, Johnson CL, Gu Q. Cholesterol management in the United States: the national health and nutrition examination survey, 1999 - 2006. Ann Epidemiol. 2011;21(5):318-26.

comentários

{ang{ nome }ang}