{ang{ nome }ang}

10/07/2014 10:02 - Atualizado em 22/07/2014 19:05

Gravidez em idade avançada


POR

A.D.A.M.

  • +A
  • -A

Não é mais incomum esperar até o final dos 30 anos ou início dos 40 para ter o primeiro filho. Muitas mulheres têm gestações bem-sucedidas no início dos 40 anos, mas há maiores riscos associados às gestações em idade avançada.

Como posso me preparar?

Aqui vão algumas medidas que podem ajudar a diminuir a probabilidade de complicações:

  • Informe-se sobre o maior risco de distúrbios genéticos (anomalias cromossômicas) e os testes que podem ser feitos durante a gravidez para detectar esses problemas. Marque uma consulta com seu orientador para ajudar a saber quais testes devem ser realizados.
  • Certifique-se se qualquer condição médica existente (por ex.: pressão alta, diabetes, doença da tireoide, obesidade) está em estado estável e controlado antes de pensar em engravidar. Discuta a gravidez com seu médico e como ela pode afetar sua condição médica atual.
  • Certifique-se de tomar vitaminas pré-natal com ácido fólico antes de engravidar para ajudar a prevenir defeitos do tubo neural, especialmente a spina bifida.

Quais são os riscos?

Infertilidade: A chance de engravidar em um determinado mês diminui à medida que você fica mais velha, e o risco de aborto espontâneo aumenta. Se você tiver mais de 35 anos de idade e estiver tentando engravidar por mais de seis meses, converse com seu médico sobre tratamentos para fertilidade. Condições que podem contribuir para a infertilidade podem incluir endometriose, fibrose uterina (crescimentos benignos no útero) e trompas de Falópio bloqueadas.

Maior risco de anomalias genéticas: À medida que a mulher envelhece, seus óvulos não se dividem também e podem ocorrer problemas genéticos. O transtorno genético mais comum é a síndrome de Down. A síndrome de Down é causada pela presença de um cromossomo adicional que provoca incapacidade intelectual e defeitos do coração e outros órgãos. O risco é relativamente baixo, mas aumenta significativamente acima dos 35 anos de idade. Se 1.000 mulheres de 33 anos de idade forem testadas, 5 delas terão um bebê com cromossomos anormais. Se 1.000 mulheres de 40 anos de idade forem testadas, 25 delas terão um bebê com problemas cromossômicos. O risco continua a aumentar à medida que a mulher fica mais velha.

Existem dois testes atualmente disponíveis para detectar anomalias cromossômicas relativamente no início da gestação: amniocentese e amostragem vilo-coriônica. Esses testes criam um leve risco de aborto. Existem também testes não-invasivos que observam os níveis de marcadores bioquímicos no seu sangue e medições por ultrassom. Resultados anormais indicam maior risco de síndrome de Down, sendo que testes diagnósticos (amniocentese ou amostragem vilo-coriônica) são geralmente recomendados. Se decidir fazer os testes e houver alguma anormalidade, você terá que decidir se quer continuar ou terminar a gestação.

Perda da gestação: Uma mulher com mais de 35 anos de idade tem um risco maior de aborto espontâneo do que mulheres mais jovens. Para uma mulher de 40 anos, o risco mais que dobra em comparação a uma mulher de 20 ou 30 anos. A maioria das vezes, esses abortos resultam de anomalias cromossômicas, sendo que elas são mais prováveis em mulheres com mais de 35 anos de idade.

Problemas de saúde durante a gravidez: Condições médicas comuns em mulheres com mais de 40 anos incluem diabetes e pressão alta. Se tiver alguma dessas condições, você será mais suscetível a problemas enquanto estiver grávida. Mesmo se não apresentarem essas condições, mulheres mais velhas têm maior probabilidade de desenvolver diabetes gestacional e pressão alta associada à gestação. Adicionalmente, há maior risco de problemas na placenta e de sangramento durante a gravidez.

Pré-eclâmpsia: O risco de pré-eclâmpsia e eclâmpsia é maior em mulheres que vão ter o primeiro filho em uma idade mais avançada. Os motivos para isso não são bem compreendidos. Em alguns casos, acontece como resultado de diabetes ou pressão alta antes de engravidar. A pré-eclâmpsia é uma complicação séria que pode ocorrer durante a gravidez. Pode causar pressão alta, inchaço do rosto e das mãos e proteína na urina. Subsequentemente, pode danificar o sistema nervoso e provocar convulsões, derrame ou outras complicações sérias.

Problemas durante o trabalho de parto: O risco de ter problemas durante o trabalho de parto aumenta para mulheres com mais de 35 anos e ainda mais para mulheres com mais de 40 que vão ter o primeiro filho. Estudos mostram que mulheres mais velhas têm maior chance de trabalho de parto em segundo estágio mais prolongado e sofrimento fetal. Isso aumenta a probabilidade de parto à fórceps ou parto vaginal assistido por vácuo ou cesariana. Mulheres mais velhas também têm maior risco de parirem um natimorto.

Nascimentos Múltiplos: A incidência de gêmeos e trigêmeos é aumentada na gestação em idade mais avançada, mesmo sem drogas para infertilidade. Gestações de múltiplos são consideradas de alto risco.

Medidas a serem tomadas para promover uma gravidez saudável

Embora ter um bebê em idade mais avançada possa aumentar o risco de complicações, a maioria das mulheres mais velhas têm bebês saudáveis. Uma vez informada sobre os riscos em potencial, você pode enfocar todas as coisas que promovem uma gravidez saudável em qualquer idade. Isso inclui nutrição e dieta apropriadas, bons cuidados no pré-natal, preparo emocional e financeiro para o bebê e os cuidados que serão necessários.

Pode haver vantagens em esperar até ser mais velha para ter um filho. Mulheres e homens mais velhos podem ser mais pacientes e realistas ao lidar com os desafios de um novo bebê do que seriam quando eram mais jovens. Da mesma maneira, eles podem apreciar mais as alegrias de serem pais. Com suas carreiras já estabelecidas, eles podem ter mais tempo para dedicar ao bebê.

comentários

{ang{ nome }ang}