{ang{ nome }ang}

10/07/2014 10:02 - Atualizado em 22/07/2014 19:05

Ejaculação precoce


POR

A.D.A.M.

  • +A
  • -A

Definição

A ejaculação precoce ocorre quando um homem tem um orgasmo mais cedo do que ele ou a parceira desejariam durante a relação sexual.

Causas, incidência e fatores de risco

A ejaculação precoce é uma queixa comum. Raramente, é causada por um problema físico.

A ejaculação precoce no começo de um relacionamento normalmente é causada por ansiedade e excesso de estímulo. Culpa e outros fatores psicológicos também podem estar envolvidos. O problema normalmente melhora sem tratamento.

Sintomas

O homem ejacula mais cedo do que ele ou sua parceira desejariam (prematuramente). Isso pode ocorrer desde antes da penetração até logo após a penetração. Essa rapidez pode deixar o casal insatisfeito.

Sinais e exames

Normalmente, não há descobertas anormais com o problema. O médico pode obter informações mais úteis entrevistando a pessoa ou o casal.

Tratamento

Prática e relaxamento devem ajudá-lo a lidar com o problema. Alguns homens tentam se distrair com pensamentos não sexuais (como nomes de jogadores de futebol e recordes) para evitar que a excitação ocorra muito rápido.

Há muitas técnicas úteis que você pode tentar.

O método "parar e começar":

  • Essa técnica consiste em estimular sexualmente o homem até que ele sinta que está quase atingindo o orgasmo. Pare a estimulação por cerca de 30 segundos e comece novamente. Repita esse padrão até que o homem queira ejacular. Na última vez, continue a estimulação até que o homem atinja o orgasmo.

O método do "aperto":

  • A técnica consiste em estimular sexualmente o homem até que ele reconheça que está quase ejaculando. Nesse momento, o homem ou sua parceira aperta suavemente a parte final do pênis (onde a glande se encontra com o eixo) por vários segundos. Pare a estimulação sexual por cerca de 30 segundos e comece novamente. A pessoa ou o casal pode repetir esse padrão até que o homem queira ejacular. Na última vez, continue a estimulação até que o homem atinja o orgasmo.

Antidepressivos, como o Prozac e outros inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRSs), podem ser úteis porque um de seus efeitos colaterais é prolongar o tempo necessário para chegar à ejaculação.

Você pode aplicar uma pomada anestésica local no pênis para reduzir o estímulo. A diminuição da sensibilidade no pênis pode retardar a ejaculação. Usar preservativos também pode ter esse efeito em alguns homens.

Se essas técnicas de distração causarem dificuldades para manter a ereção, os medicamentos usados para a disfunção erétil podem ajudar.

A avaliação feita por um terapeuta sexual, psicólogo ou psiquiatra pode ajudar alguns casais.

Grupos de apoio

Expectativas (prognóstico)

Na maioria dos casos, o homem consegue aprender a controlar a ejaculação através de instrução e praticando as técnicas simples aqui descritas. A ejaculação precoce crônica pode ser um sinal de ansiedade ou depressão. Um psiquiatra ou psicólogo pode ajudar a tratar esses problemas.

Complicações

  • A ejaculação muito precoce, antes que o homem consiga penetrar na vagina, pode impedir um casal de ter filhos.
  • A falta de controle contínua da ejaculação pode fazer com que um dos parceiros ou ambos se sintam sexualmente insatisfeitos. Pode levar a uma tensão sexual ou conflito no relacionamento.

Ligando para o médico

Marque uma consulta com seu médico se estiver tendo problemas com a ejaculação precoce e se técnicas como as descritas acima não funcionarem.

Prevenção

Não existe nenhuma maneira de prevenir esse distúrbio. No entanto, relaxar pode diminuir a probabilidade de ocorrência.

Sistema reprodutor masculino

Referências

Lue TF, Broderick GA. Evaluation and nonsurgical management of erectile dysfunction and premature ejaculation. In: Wein AJ, ed. Campbell-Walsh Urology. 9th ed. Philadelphia, Pa: Saunders Elsevier; 2007:chap 22.

Shafer LC. Sexual disorders and sexual dysfunction. In: Stern TA, Rosenbaum JF, Fava M, Biederman J, Rauch SL, eds. Massachusetts General Hospital Comprehensive Clinical Psychiatry. 1st ed. Philadelphia, Pa: Mosby Elsevier; 2008:chap 36.

comentários

{ang{ nome }ang}