Terapias

06/03/2016 07:00 - Atualizado em 02/12/2016 01:27

Ozonioterapia trata doenças da boca

No entanto, método ainda não está validado pelo CFM.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Métodos alternativos de tratamento de saúde são tendência em todo o mundo, e o Brasil não foge à regra. A ozonioterapia, por exemplo, é uma técnica utilizada para tratar diversos males relacionados sobretudo a problemas circulatórios, ferimentos e queimadoras, além de ser terapia complementar para vários tipos de câncer.

No entanto, o método não está validado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Segundo a assessoria da entidade, a técnica só pode ser usada de maneira experimental no país.

dentista mostra injeção para ozonioterapia

Conheça a ozonioterapia

Segundo a Associação Brasileira de Ozonioterapia (Aboz), a técnica consiste em aplicar uma mistura dos gases oxigênio e ozônio, por diversas vias de administração, com finalidade terapêutica. De acordo com a indicação e o tipo de aplicação, a concentração pode variar entre 1 e 100 miligramas por litro.

Quem determina a dose adequada, bem como a sua via de aplicação, deve ser um profissional habilitado, que precisa observar as condições do paciente. É importante saber que doses excessivas de ozônio podem causar danos aos pacientes e doses baixas podem ser ineficientes.

A técnica de ozonioterapia não apresenta garantia de sucesso terapêutico em 100% dos casos tratados. A eficácia depende, entre outros fatores, do estado de saúde do paciente, da frequência do tratamento do ozônio, das doses e das concentrações aplicadas.

Ozonioterapia no tratamento dentário

Se o CFM ainda não validou o método no país, o mesmo não se pode dizer do Conselho Federal de Odontologia (CFO). Em dezembro do ano passado, por meio de resolução publicada no Diário Oficial, ficou reconhecido e regulamentado o uso da prática pelo cirurgião-dentista.

O texto admite o uso da ozonioterapia nas seguintes áreas de atuação da odontologia:

- Dentística: tratamento da cárie dental e ação antimicrobiana

- Periodontia: prevenção e tratamento dos quadros inflamatórios e infecciosos

- Endodontia: potencialização da fase de sanificação do sistema de canais radiculares

- Cirurgia: auxílio no processo de reparação tecidual

- Dor e disfunção da mandíbula: atividade antialérgica e antiinflamatória

- Necroses dos maxilares: ajuda no tratamento de osteomielite, osteorradionecrose e necroses induzidas por medicamentos.

O cirurgião-dentista que deseje aplicar a técnica precisa, além do certificado expedido pela instituição de Ensino Superior devidamente registrada no Ministério da Educação (MEC), ter em seu conteúdo programático da habilitação atuação com o método referido aplicado à odontologia.

Desde 2006, a Aboz vem tentando regulamentar a ozonioterapia no Brasil em diversos campos da saúde. O Conselho Federal de Odontologia foi a primeira instituição profissional a aceitar e fazer a regulamentação.

Alguns países, como Alemanha, Itália, Cuba, Rússia e Austrália, além de 13 estados dos Estados Unidos, aplicam a técnica em seus sistemas de saúde.

Gostou do artigo? Então compartilhe com seus amigos nas redes sociais! Se restou alguma dúvida, é só deixar um comentário abaixo. E aproveite, ainda, para conferir outras dicas de saúde e bem-estar aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
odontologia
medicina
ozônio
tratamento

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ