Terapias

03/06/2016 03:00 - Atualizado em 26/06/2017 12:51

Dor crônica pode ser amenizada com os tratamentos certos

Problema, que ultrapassa os 6 meses de duração, atinge mais de 30% da população mundial.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Você sofre com enxaquecas? Suas costas vivem latejando? Os incômodos nas suas pernas não lhe deixam em paz? Cuidado: esses sintomas podem ser sinal de dor crônica, mal muito comum em pessoas de qualquer faixa etária, gênero ou nacionalidade.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 30% da população sofre com essa doença. Os dados indicam que uma a cada cinco pessoas do planeta sentem dores de moderadas a intensas. Desse total, mais um terço necessita de ajuda para executar atividades cotidianas, como tomar banho, fazer a higiene diária ou se locomover.

homem desesperado com dor crônica agarra a própria cabeça

Entenda o que é a dor crônica

Mas como distinguir uma dor corriqueira de um problema que se torna crônico? O neurocirurgião do Hospital Santa Luzia, em Brasília,  Luiz Claudio Modesto explica como esse mecanismo de defesa do organismo se transforma em doença.

Segundo ele, o segredo está em quando a dor persiste muito tempo após o período natural de cicatrização e recuperação do organismo. “Por exemplo, uma pessoa que quebrou o braço há oito meses e ainda sente incômodo naquela região precisa procurar ajuda médica”, ilustra o especialista.

“Assim, sempre alertamos que qualquer desconforto doloroso que incomode por 180 dias ou mais deve ser investigado”, aconselha. Outra distinção de uma dor crônica para uma aguda é que a primeira ocorre de forma inusitada, sem uma causa aparente. Já a segunda, normalmente, acontece em virtude de mecanismos usuais.

Maneiras de tratar a dor crônica

O tratamento convencional usado por pacientes com dor crônica é recorrer a médicos especialistas nessa área. Segundo Modesto, esses profissionais são os mais indicados para resolver casos dessa natureza.

“Além do incômodo constante, a dor crônica pode limitar as capacidade de trabalhar ou mesmo de executar as atividades simples do dia a dia. Por isso, um médico especialista em dor deve ser procurado assim que possível”, indica o neurocirurgião.

No entanto, ir atrás de métodos alternativos para tratar esses problemas também é uma opção. Atividades físicas como caminhadas, por exemplo, podem ser uma ótima terapia, de acordo com a fisioterapeuta Mariana Schamas. Para ela,  o melhor exercício é aquele que faz bem ao paciente e que melhora os sintomas de dor.

Adesivos à base de buprenorfina também têm eficácia comprovada. Continuamente absorvida pela pele, a substância atinge a corrente sanguínea, agindo em receptores para bloquear as mensagens de dor que são enviadas ao cérebro.

Em casos mais específicos, como a síndrome dolorosa regional complexa e dores provenientes de doenças vasculares periféricas, implantes de chip medular têm sido usados com relativo sucesso.

Tirou suas dúvidas? Então aproveite para compartilhar o artigo com seus amigos e familiares! E não deixe de conferir as dicas de saúde e bem-estar do Vivo Mais Saudável.

TAGS
dor aguda
causas da dor
saúde
medicina

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ