Saúde Financeira

15/08/2015 09:07 - Atualizado em 13/07/2016 12:29

No vermelho? Veja quando procurar um consultor financeiro

Planejamento de gastos e de investimentos pessoais é uma das tarefas do profissional.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Não são apenas as empresas que devem ter um planejamento econômico. O cidadão comum também precisa organizar as suas contas. Controlar o próprio dinheiro não é uma tarefa tão simples e, às vezes, é necessário recorrer a um consultor financeiro.

Como os fatores monetários são cada vez mais complexos e voláteis, há a exigência de um bom nível de conhecimento na área. A educação financeira não é uma matéria ensinada nas escolas e a dificuldade de entender o jogo do mercado é compreensível. Além disso, nem todos são disciplinados e podem deixar de realizar bons negócios para si próprios ou para a família.

Prever os gastos e estar atento às oportunidades é fundamental para uma vida econômica segura e próspera. É aí que entra a figura do consultor financeiro. O profissional é habilitado a auxiliar na organização pessoal e na tomada de decisões, aconselhando sobre renda, orçamento, previdência, aplicações, financiamentos, seguros, gerenciamento de riscos e gestão de dívidas.

consultor financeiro ajudando outras pessoas

A decisão de contratar um consultor financeiro não deve acontecer somente nas emergências e nem ser encarada como uma inabilidade ou incompetência, e sim como um investimento.

Não há um momento exato da vida ou fase da carreira que determine a hora certa de recorrer ao profissional. Mas, como tempo é dinheiro, vale a pena iniciar cedo o planejamento. Um consultor terá sempre a receita certa para os bons e maus momentos.

Consultor financeiro nas horas boas e ruins

A falta de orientação pode levar ao acúmulo de dívidas. O crédito fácil e o consumo desenfreado comprometem a renda e dificultam o restabelecimento do saldo positivo - situação que pode piorar se a pessoa não tiver uma reserva para o momento de crise.

Alguns fatos inesperados também podem determinar a procura pela consultoria. Nos divórcios, o orçamento pessoal sofre mudanças radicais. O fim de um casamento geralmente é um processo desgastante, inclusive nas discussões e definições sobre o patrimônio das duas pessoas.

Outro impacto acontece quando a pessoa é demitida do emprego. Pouca gente pensa nessa possibilidade e guarda algum dinheiro para o momento. Os gastos mensais precisam ser revistos e alguns planos, engavetados. Despesas como a compra da casa própria ou uma troca de carro são relegadas a um segundo plano.

Entretanto, também podem surgir boas notícias, como um aumento salarial, a valorização de ações e o recebimento de uma herança. O consultor financeiro vai propor alternativas de investimento, que podem ser tanto a aquisição de bens materiais quanto uma formação acadêmica ou mesmo na viagem dos sonhos.

Confiança é a base de tudo

O consultor financeiro também desempenha papel importante no planejamento da previdência. Com a adoção de fundos como poupança ou previdência privada, o aposentado não sofrerá tanto com a queda orçamentária.

O profissional pode atuar como autônomo ou prestar serviço a grupos financeiros, escritórios de economia, seguradoras, instituições de previdência complementar e outras áreas do planejamento financeiro pessoal.

Antes de contratá-lo, porém, é importante saber suas qualificações e seu currículo. Mesmos depois de confirmadas as credenciais, o contratante deverá manter tudo registrado. Ter confiança no consultor é a garantia de um futuro financeiro com mais tranquilidade e qualidade.

Você consegue controlar as finanças? Ou será que precisa de ajuda profissional? Deixe um comentário! E aproveite para conferir mais dicas de bem-estar aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
herança
divórcio
demissão
investimentos

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ