Qualidade de Vida

19/02/2016 12:00 - Atualizado em 25/10/2016 12:12

Veja como viajar com animais sem transtornos

Cachorros de grande porte devem utilizar focinheira ou ser sedados.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Se você vai viajar e não quer deixar o seu melhor amigo em casa, deve prestar atenção a algumas exigências. As companhias aéreas, por exemplo, solicitam diversos cuidados para que os animais sejam transportados de maneira segura - tanto para eles quanto para os demais passageiros.

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) exige a apresentação de carteira de vacinação atualizada e assinada por um médico veterinário. Em viagens para fora do país, é preciso ter também o Certificado Zoossanitário Internacional (CZI), obtido com o Ministério da Agricultura.

É importante, ainda, ficar de olho nas exigências do destino escolhido. Alguns documentos podem ser necessários para a liberação dos bichinhos. O Certificado Sanitário, exigido pelas companhias aéreas, tem validade de 72 horas. Em outras situações, o animal pode ser sedado durante o transporte. Vale tirar as dúvidas previamente para não tomar sustos.

viajando com animais no avião

Exigências para animais em voos

Você deve avisar à companhia aérea com antecedência sobre a presença do animal no voo. Há um valor adicional para o transporte, que depende de cada empresa, mas costuma ser calculado pelo peso do bichinho e da caixa de transporte.

Sim, todos os animaizinhos devem ser levados na caixa. É recomendado que eles estejam identificados com uma coleira contendo os dados de contato do dono.

A caixa deve ser de tamanho suficiente para que o cachorro ou o gato consiga ficar de pé e dar uma volta completa. As trancas devem ser reforçadas para evitar que o animal fuja durante a viagem. Ainda, o material deve ser rígido, contar com aberturas para ventilação e com piso de tecido que absorva fezes e urina.

Cachorros de grande porte e conhecidos por seu temperamento violento devem usar focinheira. Já alguns pets menores podem ser levados na cabine, junto com os passageiros. Caso não seja possível, não precisa se preocupar. O compartimento de carga tem temperatura adequada e confortável para a viagem da maioria dos bichinhos.

Algumas companhias aéreas não costumam transportar animais com focinho curto, chamados de braquicefálicos, como cães pug ou pitbull e gatos como o persa ou o himalaio. Essas raças não costumam se adequar com mudanças de temperatura repentinas, podendo passal mal.

O jejum de aproximadamente oito horas pode evitar que o animal tenha algum desconforto. Pode-se dar água até três horas antes da viagem.

Vale a pena viajar com animais?

Sim, desde que você tenha consciência da saúde do bichinho. É perigoso transportar um cachorro ou gato que esteja em idade avançada ou apresente doenças com frequência. Atrasos e variações da pressão atmosférica e da temperatura durante o trajeto podem prejudicar a integridade física dos animais, causando estresse e outros problemas.

Opte sempre por viagens noturnas e trechos mais curtos. Lembre-se também de jamais ignorar os sinais do animal. Caso ele apresente enjoo, ânsia de vômito, diarreia e outros sintomas, leve-o ao veterinário. Em alguns casos, é preferível deixar o bichinho com um familiar ou num hotel de pets para que ele se sinta mais confortável e você possa aproveitar o seu passeio sem preocupações.

Tirou suas dúvidas? Conte para nós! E aproveite para conferir outras dicas de saúde e bem-estar aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
viagem
bicho de estimação
saúde animal
segurança

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ