Qualidade de Vida

24/02/2015 04:10 - Atualizado em 09/12/2016 03:32

Mulheres no mercado de trabalho ainda enfrentam obstáculos

Reconhecimento das mulheres no mercado de trabalho é menor que o dos homens.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Apesar de a luta feminina pela igualdade de gêneros já ter conquistado muitas mudanças, o posicionamento das mulheres no mercado de trabalho ainda deixa a desejar. As diferenças de salário, a baixa quantidade de mulheres em posições de liderança nas empresas e a baixa participação feminina na política preocupam estudiosos da área.

mulheres no mercado de trabalho

Mulheres no mercado de trabalho: Os obstáculos

O Fórum Econômico Mundial apresentou, no final de 2014, o seu Índice Global de Desigualdade de Gênero. O documento apontou que o Brasil perdeu nove posições em um ano, passando para o 71º lugar no ranking dos países que buscam a igualdade de gêneros. Foram analisadas 142 nações.

As variáveis analisadas para a composição do relatório envolveram questões econômicas, políticas e de condições de vida. Os salários recebidos, as oportunidades ofertadas, a ocupação de cargos de liderança, níveis de escolaridade, a representação na tomada de decisões, expectativa de vida e a vida sexual foram fatores considerados.

Os dados resultantes da pesquisa apontam questões a respeito da participação feminina na sociedade. O posicionamento das mulheres no mercado de trabalho é um dos pontos de maior disparidade. No quesito remuneração, o estudo mostra que os salários dos homens são, em média, 70% maiores que os das mulheres que ocupam os mesmos cargos.

O Brasil está na categoria de países como Japão e Emirados Árabes, que investiram na educação feminina, mas não retiraram as barreiras que impedem uma participação maior das mulheres no mercado de trabalho. A precariedade dos vínculos trabalhistas femininos é, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, um dos maiores obstáculos.

Essas dificuldades são responsáveis pela desigualdade nos índices de homens e mulheres em cargos de liderança. A Ernst & Young, empresa de serviços administrativos, pesquisa anualmente a presença de mulheres no mercado de trabalho. Em 2014, verificou-se que apenas 20% dos cargos de liderança do Brasil são ocupados por elas.

Mulheres no mercado de trabalho: A luta

A busca por melhores colocações das mulheres no mercado de trabalho tem tomado proporções cada vez maiores ao redor do mundo. Celebridades e líderes políticos se manifestam de forma incisiva, lutando pela igualdade entre homens e mulheres. A cerimônia do Oscar foi um dos espaços utilizados para expressar o desejo do reconhecimento feminino.

A atriz Patricia Arquette, vencedora na categoria Melhor Atriz Coadjuvante pela atuação em Boyhood, aproveitou o seu discurso de agradecimento e dedicou o prêmio às mulheres e a todos que já lutaram pela igualdade de direitos. Ovacionada pelo público, ela afirmou que é hora de ter salários e direitos igualitários para as mulheres dos Estados Unidos.

Durante sua passagem pelo tapete vermelho da cerimônia, Arquette já havia questionado o hábito que os repórteres têm de perguntar às atrizes somente sobre moda e os vestidos que usam. Cate Blanchett, Jennifer Lawrence e Amy Adams são outros nomes que já discursaram em favor da igualdade de gêneros durante outras premiações da temporada.

E você, o que faz para lutar por direitos iguais? Conte para nós! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar ligada em todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
carreira
emprego
igualdade de gêneros
salário

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ