Qualidade de Vida

16/12/2014 11:07 - Atualizado em 28/11/2016 11:01

Falta de água exige série de adaptações na rotina

Consumo consciente e responsável é a única maneira de remediar a falta de água em curto prazo.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Sem água para beber, cozinhar e tomar banho, os moradores aguardam pela chegada do caminhão-pipa. A cena, relativamente comum no sertão nordestino, tornou-se realidade na região metropolitana de São Paulo nesse ano. A maior crise de falta de água da história da região demanda mudanças de comportamento: entenda como conviver com o problema e amenizar suas consequências.

Falta de água bate recordes

Desde o início do ano, os paulistas têm experimentado os efeitos da maior estiagem dos últimos 84 anos: a chuva ficou 70% abaixo da média no último verão, e o nível de água do Sistema Cantareira, principal responsável por abastecer o conjunto de reservatórios da Grande São Paulo, chegou a patamares críticos.

falta de água

Entre as explicações para a seca, está a ação do fenômeno climático El Niño e o desmatamento acima da média registrado na Amazônia. Embora tenha chovido com forte intensidade no Sul do país, as frentes frias não conseguiram romper a massa de ar seco alojada sobre o Sudeste.

Mais de 24 milhões de pessoas em 67 municípios de São Paulo e de Minas Gerais são atingidas pela escassez de água. Cidades como Itu, Guarulhos e Mauá estão entre as mais afetadas pelo problema.

A falta de água bateu recordes: o nível das represas do sistema Alto Tietê, por exemplo, alcançou 4,7% na segunda semana de dezembro, menos que os 7,8% do Cantareira. Estamos falando dos menores índices da história - por enquanto.

Consumo consciente é fundamental

Entre as principais recomendações para evitar as consequências da falta de água, está o consumo consciente e racional. Passou da hora de aprendermos que o recurso hídrico é finito, utilizando-o com ponderação e inteligência.

A fim de estimular a economia, a Sabesp estipulou um desconto de 30% para quem conseguisse reduzir o consumo em pelo menos 20%. Em novembro, o percentual de moradores que atingiram a meta chegou a 53% na região metropolitana de São Paulo. Segundo a empresa, a economia foi de até 4.100 litros de água por segundo.

economizar agua

Como conviver com a falta de água

Alguns procedimentos simples podem fazer a diferença, gerando economia na sua conta de água ao final do mês. Se cada um fizer a sua parte, os benefícios serão maiores para todos:

Cisternas

Instalar cisternas em casa é uma das medidas mais eficazes para reaproveitar a água da chuva limpando a calçada, regando as plantas ou lavando o carro, por exemplo.

Vedação completa

Vazamentos aparentemente insignificantes dão origem a um desperdício elevado quando se tornam constantes. Invista na vedação de torneiras e procure avaliar a integridade do sistema de tubulação regularmente.

falta de agua

Pano e balde

Substituir a mangueira pela dupla "pano e balde" na hora da limpeza ajuda a consumir menos água. Embora seja menos prático, a troca vale a pena. E isso vale para a faxina em casa ou também para a hora de lavar o seu carro.

Lavagem a seco

Lavar algumas roupas a seco pode ser uma boa alternativa para a escassez de água. Procure lavanderias especializadas para evitar problemas.

Economia no banho

Se você precisa esperar a água do chuveiro esquentar, posicione um balde e utilize a água acumulada para substituir a descarga em um outro momento.

Uma atitude simples como essa, quando multiplicada em um condomínio, por exemplo, gera uma economia surpreendente.

Essas são apenas algumas dicas. Vale a pena abusar da criatividade e pensar em soluções inovadoras para melhorar o consumo dos recursos hídricos. Não esqueça: todos dependemos da água para nossa saúde.

E aí, que tal fazer a sua parte para driblar a falta de água? Deixe um comentário e não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar ligado em todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
água
seca
saúde
saneamento

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ