Qualidade de Vida

08/10/2014 12:09 - Atualizado em 14/11/2016 05:16

Brinquedos eletrônicos: Como escolher opções seguras para seu filho

Brinquedos eletrônicos estão entre os preferidos dos pequenos.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Cada vez mais, brinquedos eletrônicos estão entre os principais pedidos dos filhos para o Dia das Crianças.

Em tempos de muitos apartamentos e poucas casas, muito trabalho e pouco descanso, muita tecnologia e pouca segurança, é possível afirmar que a infância não é mais a mesma de alguns anos atrás. O número de crianças que ainda brincam na rua é muito baixo se comparado com o índice de baixinhos que possuem brinquedos eletrônicos. Mas de que forma saber se isso faz bem ao seu filho?

brinquedos-eletronicos

Os malefícios dos brinquedos eletrônicos

Os tablets, os videogames, computadores e celulares se tornaram os maiores companheiros dos nascidos no século 21. Um alívio para os pais que saem para trabalhar e se sentem seguros por seus pequenos estarem em casa, longe da criminalidade crescente nas cidades e dos riscos que as brincadeiras nas ruas trazem. Mas longe também da liberdade e das descobertas que a infância pode e deve trazer para eles.

brinquedos-eletronicos

É na rua que as crianças descobrem o mundo. É nesse universo cheio de riscos e possibilidades que elas aprendem a desafiar suas limitações, a defenderem-se e a interagir com o mundo. A beleza da infância está na interação com o que existem além das paredes de casa. Até mesmo os anticorpos que protegem as pessoas de diversas doenças são adquiridos nas brincadeiras de rua.

brinquedos-eletronicos

Os pequenos já nascem fascinados pelos brinquedos eletrônicos e são estimulados ao contato com eles pelos próprios adultos, que não largam seus aparelhos. Os estudos acerca da presença desses produtos no desenvolvimento infantil já apontaram diversas influências. A obesidade é a campeã de indicações como resultado da utilização desses aparelhos.

É que os brinquedos eletrônicos atraem os pequenos e podem resultar na adoção de uma rotina sedentária. Não se pode jogar video game correndo ou brincar no celular enquanto empina pipa. Sentadas ou deitadas, as crianças não realizam nenhum gasto calórico e armazenam toda a gordura ingerida. A vida sedentária também é causa de problemas na coluna, devido a má postura durante o uso dos equipamentos.

O baixo gasto de energia e a busca incessante pela vitória nos jogos e atividades que praticam também são responsáveis pelo aumento dos níveis de ansiedade e agressividade das crianças. As influências podem ser duas: jogos que utilizam cenários violentos e que utilizam armas para atingir os objetivos finais ou jogos que incitam a competitividade e que fazem a criança ficar irritada por não conseguir atingir o objetivo.

O uso correto dos brinquedos eletrônicos

Não quer dizer que você deva isolar as crianças e impedir que elas tenham contato com os brinquedos eletrônicos. Isso é impossível na realidade que vivemos. Pais, tios, avós, primos e colegas de escola darão aos pequenos a chance de usar os aparelhos, mesmo que você não dê. A ideia é supervisionar e controlar o uso dos jogos e brinquedos.

brinquedos-eletronicos

Antes de deixar que seu filho baixe um aplicativo no tablet ou celular, veja sobre o que se trata. Use a internet a seu favor. Antes de comprar um jogo de vídeo game ou computador pesquise a faixa etária para a qual o jogo é indicado, qual o princípio de funcionamento, o universo no qual se passa e de que forma ele pode agregar no desenvolvimento infantil.

E o mais importante: divida o tempo. Não deixe que a criança decida quanto tempo ela utilizará os brinquedos eletrônicos. Entre os 3 e os 5 anos permita que o pequeno use esses aparelhos durante 1 hora diária. Para os filhos de 6 até 12 anos são suficientes 2 horas de utilização por dia. Antes dos dois anos tente inibir ao máximo o contato com os brinquedos eletrônicos.

E aí, curtiu a matéria? Então deixe um comentário! E não esqueça de ficar ligado na nossa página no Facebook para receber todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
brinquedos
criança
infância

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ