Psicologia Infantil

02/08/2015 12:05 - Atualizado em 10/11/2016 11:52

Saiba quando o castigo é necessário para educar os filhos

A punição deve ser acompanhada de uma conversa sincera e atenciosa dos pais.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Durante a criação dos filhos, é normal que muitos conflitos surjam. Aplicar castigo quando as crianças se comportam de forma inadequada funciona? Seria possível educar os pequenos sem punições?

De acordo com Larissa Fonseca, psicopedagoga e escritora do livro Dúvidas de Mãe, a palavra "castigo" pode impressionar, porém nem sempre é sinônimo de dor física. "Muitos evitam usar o termo por acreditarem que remete a punições como palmadas, beliscões e puxões de orelha", explica.

Como e quando aplicar o castigo?

Segundo o dicionário Houaiss, castigo é a “pena ou punição que se inflige à pessoa; observação sobre um erro ou uma falta; repreensão, admoestação". Ou seja, nada mais é que uma sanção. “É uma repreensão como consequência de uma desobediência da criança. É, simplesmente, dar limites. E isso, sim, é bastante eficiente na educação dos filhos”, afirma Larissa.

Conforme a psicopedagoga, essa sanção depende de alguns fatores, como local onde se está, a paciência dos pais e a gravidade da atitude dos filhos. Os adultos devem avaliar se vale a pena chamar a atenção com uma conversa mais séria ou se é preciso tirar privilégios da criança. "Jamais recorra a punições físicas ou verbais", alerta.

castigo

Quanto à faixa etária , independentemente da idade, o mais indicado é iniciar com uma conversa. “Primeiro converse com a criança, na altura dela, olhando em seus olhos e certificando-se de que ela está ouvindo o que tem a dizer. Com as crianças pequenas, a sanção deve acontecer imediatamente ao ato desaprovado”, exemplifica.

Segundo Larissa, ameaçar a criança por um erro que seja cometido no passado não é eficaz, pois ela ainda não tem a capacidade de abstração. O ideal é procurar dizer que aquele comportamento não é aceitável e avisá-la de que, se repeti-lo, irá perder um privilégio, seja assistir a televisão, comer doce ou brincar na rua.

Em casos em que a criança insista em agir de modo desaprovado pelos pais, Larissa aconselha a retirá-la do ambiente e deixá-la afastada, sem contato com brinquedos ou objetos que a distraiam.

Em adolescentes, quando eles já possuem capacidade para compreender a fala dos pais, pode ser necessário optar pela consequência significativa para o filho, como tirar o celular e impedir de ir a uma festa ou passeio.

Como educar sem o uso excessivo de castigo

De acordo com a psicopedagoga, por mais que seja difícil, os pais devem manter-se calmos e jamais demonstrar aos filhos que estão alterados com o comportamento deles. “Mostrar que quem está no comando são os adultos, não ter medo de serem menos amados por seus filhos por estarem mostrando-lhes o caminho certo a ser seguido”, aconselha.

Larissa destaca que a melhor maneira de educar um filho é ser o exemplo que ele deseja seguir. “As crianças seguem os modelos com os quais elas convivem. Assim, aquilo que os pais praticam no dia a dia é o que os filhos mais levarão como valores para a vida”, ressalta a psicopedagoga.

Você já deixou seus filhos de castigo? Acha que pegou pesado? Ou foi necessário? Compartilhe sua história nos comentários! E aproveite para conferir mais dicas de bem-estar para toda a família aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
birra
desobediência
educação infantil
castigar

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ