Psicologia Infantil

25/07/2015 10:02 - Atualizado em 04/12/2016 02:42

Palavrões e tiques nervosos indicam síndrome de Tourette

Condição pode desaparecer naturalmente, mas precisa de acompanhamento profissional.

POR

Redação

  • +A
  • -A

A síndrome de Tourette pode aparecer em tiques motores e vocais e, geralmente, acomete crianças por volta dos 7 anos de idade, podendo surgir dos 2 aos 15 anos. Mesmo que em alguns casos os movimentos involuntários envolvam apenas piscadelas ou pigarro, um acompanhamento especializado é muito importante.

Estima-se que 20% da população infantil apresente algum tipo de tique na fase dos 7 anos, mas, na grande maioria, isso tende a reduzir naturalmente. No entanto, quando mais tiques são desenvolvidos, acompanhados de sons vocais, a síndrome de Tourette deve ser considerada.

sindrome de tourette

Entenda a síndrome de Tourette

Segundo a Associação Solidária do TOC e Síndrome de Tourette (Astoc ST), os tiques são movimentos involuntários, súbitos e recorrentes, que podem ocorrer tanto de forma contínua quanto apenas em alguns acessos.

Eles podem ser classificados em tiques simples e complexos, tanto motores quanto vocais. Entre os tipos mais frequentes, os simples são piscadelas dos olhos, caretas faciais, movimentos de torção do nariz e da boca, estalar a mandíbula, levantar os ombros e trincar os dentes.

Entre os tipos vocais estão coçar a garganta, fungar, cuspir, estalar a língua, cacarejar, roncar e inúmeros outros sons.

Já entre os tiques mais complexos estão gestos faciais, bater palmas, atirar ou jogar objetos, empurrar, pular e bater o pé. Proferição súbita de sílabas inapropriadas e anormalidades da fala são outros sinais.

Em alguns casos, a coprolalia - emissão de palavrões de forma involuntária - também pode ocorrer, mas é encontrada em menos de um terço dos casos.

A intensidade dos tiques varia muito de pessoa para pessoa. Em algumas, ele pode ser praticamente imperceptível. Já em outras acaba comprometendo o desenvolvimento social e causando insegurança na criança.

Comportamentos como hiperatividade, distúrbios de conduta e aprendizado e automutilação estão associados à síndrome de Tourette. Segundo a Astoc ST, cerca de 90% dos portadores da síndrome possuem sintomas obsessivos.

Acompanhamento e tratamento

A causa da síndrome de Tourette permanece desconhecida. Contudo, sabe-se sobre a influência de fatores genéticos e neurobiológicos, entre outros. Apesar de não haver uma cura instantânea para a condição, os tratamentos se mostram bastante eficazes, especialmente na inserção desse indivíduos em uma rotina normal.

O tratamento pode ser psicossocial e farmacológico, dependendo muito do caso, da intensidade dos tiques e da sua complexidade. Apenas 60% dos portadores da síndrome de Tourette necessitam tratamento medicamentoso. O acompanhamento com psicólogos envolve toda a família que convive com a criança, provendo informações sobre a condição e como lidar com a situação.

O tratamento possibilita um bom controle sobre os tiques, mas o desaparecimento completo da condição ocorre apenas em uma quantidade pequena de casos. A terapia comportamental cognitiva é uma alternativa de incentivar que os pacientes monitorem as sensações que antecedem os tiques e, de forma voluntária, reajam fisicamente, controlando-o ou disfarçando-o.

O acompanhamento de psicólogos é muito importante para apoiar a criança a fazê-la entender o que está acontecendo com ela, mas, também, para orientar os pais a incentivar o filho a se sentir uma pessoa normal. A superproteção nem sempre age de uma maneira benéfica no paciente.

Você conhece alguém que conviva com a síndrome de Tourette? Compartilhe a sua experiência conosco. E aproveite para conferir mais dicas de saúde aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
tique nervoso
palavrões
comportamento obsessivo
transtorno de conduta

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ