Psicologia Infantil

15/08/2015 05:01 - Atualizado em 10/12/2016 02:44

Encoprese infantil: Dificuldade de ir ao banheiro é psicológica

Quadro costuma se desenvolver após um grande trauma ou evento estressor.

POR

Redação

  • +A
  • -A

A criança já está grandinha e sabe até ir ao banheiro, mas, mesmo assim, faz cocô nas calças em locais públicos ou socialmente inconvenientes. É o cenário típico da encoprese infantil, vazamento involuntário das fezes sem que a criança perceba, que ocorre, geralmente, depois dos quatro anos de idade.

Esse quadro costuma se desenvolver após um período estressor ou algum tipo de trauma, de modo que há questões psicológicas envolvidas. Embora ocorra em crianças de ambos os sexos, é cerca de três vezes mais comum em meninos que em meninas.

Encoprese e constipação

Crianças com constipação são mais propensas a desenvolver a encoprese infantil. Uma criança constipada defeca menos de três vezes por semana, em geral. As fezes são duras, secas e grandes, o que provoca dores na hora de ir ao banheiro. Assim, a criança passa a conter as fezes para evitar sentir dores novamente.

Porém, quando há impacto de grande massa de fezes, ocorre o vazamento sem que a criança perceba ou seja capaz de evitar, pois os nervos deixam de enviar ao cérebro os sinais que regulam a defecação.

encoprese infantil crianca no vaso sanitario

Dietas inadequadas, doenças, estilo de vida, diminuição da ingestão de líquido, medo do vaso sanitário, retirada precoce da fralda, acesso limitado ao banheiro e eventos estressantes podem estar ligados ao início da constipação e da encoprese infantil.

Fundo psicológico

Segundo a psicóloga Simone Barbosa Pasquini, há casos em que a encoprese não ocorre em decorrência da constipação, mas é desencadeada somente devido a um medo extremo ou um grande trauma.

“É importante lembrar que o vazamento de fezes ocorre de forma involuntária, a criança não controla os acidentes. Muitas pessoas acreditam erroneamente que é uma questão de comportamento, como uma simples falta de autocontrole, e familiares acabam punindo a criança”, comenta Simone em seu site.

Devido aos efeitos negativos no que se refere à convivência social, tanto com outras crianças quanto dentro da própria família, há consequências no bem-estar da criança. Muitas delas acabam se sentindo envergonhadas, o que resulta em isolamento, irritação e baixa autoestima.

Tratamento da encoprese infantil

A vergonha, associada à culpa - pois os pais muitas vezes ficam frustrados com os acidentes -, potencializa os efeitos psicológicos. Por isso, é indicada a intervenção de um profissional da área. De acordo com Simone Pasquini, a palavra-chave do tratamento da encoprese infantil é paciência, pois o sucesso depende muito do apoio que a criança recebe.

“Os pais devem ser solidários e se abster de críticas ou desânimo, mostrar amor, apoio e garantir a seu filho que ele não é o único no mundo com esse problema”, aconselha a especialista.

Tendo a compreensão e o apoio familiar, associado a um acompanhamento especializado, fará com que, com o tempo, a encoprese infantil seja superada e a criança possa ter um desenvolvimento adequado, sem prejuízo ao convívio social e à saúde emocional.

Você já passou por uma situação parecida com seu filho? Compartilhe sua história nos comentários! Você pode ajudar outros leitores do Vivo Mais Saudável. E aproveite para conferir mais dicas de saúde e orientação infantil.

TAGS
constipação
fralda
trauma de infância
cocô nas calças

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ