Psicologia Infantil

25/02/2015 01:43 - Atualizado em 02/11/2016 08:03

Educação bilíngue pode ser um diferencial para seu filho

A educação bilíngue ajuda a deixar os pequenos prontos para experiências futuras.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Desde 1960, o incentivo a ser bilíngue vem sendo popularizado. Uma pesquisa feita no Canadá, por psicólogos da Universidade McGill, descobriu que pessoas falantes de mais de uma língua superavam os monoglotas em provas verbais e não verbais.

bilingue

Com o desenvolvimento cognitivo melhorado, os falantes de dois idiomas adquirem a capacidade de distinguir situações e pensar em múltiplas perspectivas. O cérebro se torna mais rápido e flexível, porque é possível alternar as funções de escrita, fala e audição. Saber mais de uma língua torna a pessoa capaz de ter uma percepção mais aguçada e um melhor raciocínio.

Criança bilíngue escreve melhor

Psicólogos da Universidade York, de Toronto, no Canadá, descobriram em 2003 que o bilíngue é capaz de identificar as sequências gramaticais corretas em frases.

Um grupo de crianças passou por um estudo, no qual era pedido que identificassem os erros em algumas estruturas frasais. Monoglotas apresentaram dificuldade em encontrar erros comuns, enquanto os falantes de dois idiomas eram capazes de reconhecer os equívocos rapidamente.

Dessa forma, os pesquisadores concluíram que cérebros bilíngues têm um conjunto de capacidades que bloqueia informações irrelevantes. Isso melhora a concentração gramatical, além de reduzir a confusão e tornar os indivíduos mais decididos. Da leitura à matemática, ocorre uma maior flexibilidade cerebral, que traz benefícios até mesmo nos relacionamentos sociais.

Em um estudo da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, psicólogos concluíram que pessoas falantes de duas línguas conseguem ver situações por perspectivas diferentes. Em função da capacidade de bloquear informações que já conhece, o bilíngue se concentra no ponto de vista da outra pessoa e consegue se colocar no lugar dela.

Falar dois idiomas também faz a criança pensar em dois “mundos” diferentes para uma única situação. Na Universidade de Berkeley, na Califórnia, nos Estados Unidos, pesquisadores descobriram que a resposta dada à mesma pergunta, em línguas diferentes, não era igual.

Seguindo a cultura relacionada à língua que estavam falando, as crianças aplicavam os valores de determinado país. Por exemplo, para uma resposta à pergunta “o que é amizade?”, eles diziam "solidariedade" em japonês e “honestidade” em inglês.

Feitos os procedimentos de pesquisa em momentos diferentes, os investigadores avaliaram que o bilíngue utiliza dois canais diferentes no cérebro, como se fossem duas mentes ao mesmo tempo.

Para quem quer filhos bilíngues no Brasil

São poucas as escolas bilíngues no Brasil. Concentradas principalmente nas capitais ou regiões metropolitanas, elas têm uma mensalidade bastante alta. Porém, uma sugestão para tornar seu filho bilíngue ainda criança é matriculá-lo em uma escola de idiomas nos primeiros anos do Ensino Fundamental.

Os preços em uma escola de idiomas variam bastante, podendo ter mensalidades entre R$ 100 e R$ 500. Esse tipo de instituição existe em diversas cidades e algumas são bastante renomadas pela qualidade. Procure aquela que melhor se adeque aos seus interesses, sua necessidade e seu orçamento.

Já para quem não tem condições de bancar, a opção é buscar por educação online. O Governo Federal já disponibiliza cursos para brasileiros. As aulas de francês e inglês inauguram o Idioma Sem Fronteiras, programa que visa a contemplar futuros bolsistas do Ciência Sem Fronteiras. O curso é totalmente gratuito.

Viu como é importante estimular as crianças desde cedo? Deixe um comentário! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar ligado em todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
estudar
inglês
línguas
segundo idioma

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ