Psicologia Infantil

11/03/2015 10:25 - Atualizado em 28/11/2016 06:07

Crianças com deficiência visual levam uma vida normal

Considerada um desafio, a deficiência visual pode ser encarada com tranquilidade na infância.

POR

Redação

  • +A
  • -A

De acordo com o Ministério da Educação, aproximadamente 70 mil alunos em idade escolar no Brasil têm deficiência visual. Porém, essa realidade não interfere no progresso das crianças. Os diferentes graus da condição requerem apenas alguns cuidados, mas não tornam o pequeno incapaz de concluir os estudos e sair da escola preparado para seguir a profissão dos sonhos.

Em 90% das situações, as crianças com algum nível de deficiência visual não precisam de um assessor para auxiliá-las. Quem deve se adaptar são os pais, professores e colegas, respeitando o amigo que requer apenas livros em braile e outros acessórios para facilitar o aprendizado. Saiba como esses pequenos podem ser independentes e respeitados na sala de aula e na vida.

deficiencia visual

Deficiência visual e aprendizagem

A falta de informação visual pode restringir a percepção do ambiente, mas é possível observar e experimentar mesmo com deficiência visual. As crianças nessa condição devem ser incentivadas a serem curiosas, a sentirem com mais intensidade o mundo ao redor: manipular objetos, aprender suas características e analisar a funcionalidade.

Intelectual e cognitivamente, as crianças que não enxergam têm o mesmo potencial que qualquer outra criança vidente. Quando não são exaltadas diferenças entre elas, conseguem ter um desempenho escolar bastante satisfatório, ainda mais se recebem as condições e os instrumentos necessários.

Com a percepção do tato, elas demoram um pouco mais para compreender conceitos de imagens, mas aprendem com tanta facilidade quanto as outras.

Direito de qualquer criança, cega ou não, a educação parte desde o lar e se completa na escola. Deficientes visuais também requerem atenção, carinho, proteção e convívio em sociedade para sua formação intelectual e pessoal. Com respeito e sem discriminação, as crianças devem ter oportunidades iguais e acesso adequado à escola.

Deficiência visual: Comunicação é a chave

No momento de interagir com os pequenos com deficiência visual, é necessário criar hábitos que evitem a comunicação por meio de gestos e imagens. É preciso cuidar com a nomenclatura dos objetos, dando explicações detalhadas e descrevendo as situações. Com clareza, precisão e objetividade, eles podem visualizar mentalmente cenas, ideias e a realidade cotidiana.

Referências, coordenadas geográficas, mapas e demais serviços de localização não devem ser indicados com "aqui", "lá" e "ali". A criança com deficiência visual precisa compreender os espaços com "direita", "esquerda", "para cima" ou "para baixo", de maneira mais precisa. Se necessário, desenhar os objetivos em braile auxilia no processo de entendimento.

Além disso, as associações destinadas a familiares de crianças cegas podem ajudar em diversos aspectos, desde a capacitação e o auxilio no processo de aprendizagem até o desenvolvimento pessoal e a inserção no mercado de trabalho. Grupos de apoio se espalham pelo Brasil e funcionam como suporte para todos aqueles que lidam com a deficiência.

Gostou das dicas de bem-estar infantil? Então deixe um comentário! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar por dentro de todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
deficiência
criança cega
braile
escola

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ